Resenha: Missoula (Jon Krakauer)

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Missoula
Estupro e justiça numa cidade universitária
Jon Krakauer
 R$ 47,90 até R$ 49,12
ISBN-13: 9788535926996
ISBN-10: 8535926992
Ano: 2016 / Páginas: 488
Idioma: português
Editora: Companhia das Letras

Missoula, em Montana, é uma típica cidade universitária americana. Para quem vê de fora, o local é algo idílico. No entanto, entre 2008 e 2012, o departamento de justiça americano investigou 350 acusações de agressão sexual na cidade, muitas perpetradas pelos jogadores do time local de futebol americano, idolatrados pela população. Neste livro assombroso, Jon Krakauer rompe o silêncio e mostra todo o drama que vivem essas mulheres. Numa investigação minuciosa, com ares de thriller jurídico, ele revela o tecido social e político que abafa esses casos. De forma corajosa, Krakauer questiona o sistema educacional e os caminhos legais que permitem essa epidemia de violência sexual.


Esse foi o segundo livro do Jon Krakauer que eu li e, assim como o primeiro, Na natureza selvagem, é um apanhado de relatos e entrevistas. No caso de Na natureza selvagem, com pessoas que tiveram contato com Chris McCandless. Caso você queira ler a minha resenha de Na natureza selvagem, clique aqui

Em Missoula temos uma história diferente. Este livro segue o mesmo estilo dos livros anteriores de Krakauer, é um livro jornalístico, o que torna sua leitura bem atrativa, didática e fluída. O livro é sobre estupro e justiça numa cidade universitária. Krakauer coletou entrevistas, depoimentos, etc, sobre uma epidemia de estupros que aconteceram em Missoula, uma cidade no interior de Montana, nos Estados Unidos. Missoula ficou conhecida como a capital do estupro, pois entre 2008 e 2012 foram registrados mais de 350 acusações de agressões sexuais na cidade. Infelizmente poucos casos foram tratados com a devida importância pela polícia e autoridades.

Eu comecei a ler este livro e pouco tempo depois veio a público o caso da menina que foi estuprada por 33 homens no Rio de Janeiro. Muitos a julgaram, dizendo que a culpa era dela, que ela resolveu ir lá, que foi consensual. Enfim, como sempre, todos tentam culpabilizar a vítima. Coincidência ou não, eu já queria ler este livro desde que ele fora lançado nos Estados Unidos, porém esperei ser lançado no Brasil. Comecei a ler numa fila e quando menos percebi já tinha lido 90 páginas de tão envolvente que são as histórias. Envolventes e tristes. Causam dor, angústia, raiva, revolta e muitos outros sentimentos desse tipo. Quando se é mulher, é difícil ler algo sobre agressão sexual e estupro e não se emocionar, não chorar, não se colocar no lugar da pessoa que viveu aquele terror. 

"Podemos todos finalmente concordar que as mulheres querem fazer sexo. Retratadas de forma variada no passado como domadoras de homens e cuidadoras de crianças, somos hoje consideradas bem-dotadas de tesão. Mas será que isso significa que sentimos desejo da mesma forma que os homens? Meu desejo me diz que não. O meu, confesso, não é cego ou monumental ou animal. Ele vem com um interminável monólogo interior - ou talvez diálogo, ou talvez babel. O meu desejo está sempre supondo, com frequência repensando sua suposição. O desejo feminino é uma força poderosa, porém surge na forma de uma interrogação, e não de uma afirmação. Não um 'eu quero isso', mas 'será que eu quero isso?' 'O que exatamente eu quero?' 'E neste momento?' 'E agora?'" - Claire Dederer - Why is it so hard for women to write about sex?

Em 2012 houveram alguns escândalos envolvendo jogadores de futebol do conceituado time da cidade, o Grizzly. Krakauer entrevistou algumas meninas que foram vítimas de estupro em Missoula e destrinchou cada detalhe, de cada entrevista, depoimento, gravação, e nos presenteou com este livro incrivelmente poderoso e capaz de mudar a visão e a discussão sobre o tema, que em pleno século XXI ainda é tabu. 

Jon destaca alguns casos como o de Allison Huguet, que foi estuprada por seu amigo de infância, Beau Donaldson, quarterback do Grizzly, importante time de futebol da cidade. Como Beau, que conhecia Allison desde que eram crianças, muitos casos de estupro que se tem conhecimento, são praticados por pessoas que a vítima conhece, que confia e que acha que nunca lhe fará mal. Allison conseguiu fugir, foi ao hospital e pediu um kit de estupro, mas não foi à polícia num primeiro momento. Allison não queria denunciar Beau à polícia pois apesar do que ele lhe fizera, ela acreditava que ele podia mudar, poderia procurar ajuda. Allison foi muito corajosa e conseguiu, em sua própria casa, gravar a confissão de Beau e disse que se ele prometesse procurar ajuda não o denunciaria, mas que se ela soubesse de alguma outra coisa do tipo, ele seria preso. O rapaz chorou e disse que não faria mais isso e que estava muito arrependido. Mal sabia Allison que ela não foi a primeira vítima de Beau. 

Kelsey Belnap, outra moça que foi vítima de um estupro (coletivo!) por jogadores do Grizzly, conta sua história e como ela achou que a culpa era dela, por ter bebido demais. É incrível como a sociedade sempre tenta culpar a vítima. Jon Krakauer tenta mostrar que a culpa nunca é da vítima. Ela pode estar bêbada ou estar vestida da maneira que ela quiser, ela só vai ser estuprada se alguém decidir estuprá-la. Quem deve ser responsabilizado é o agressor, e não a vítima. Infelizmente, 80% dos casos de estupro não são nem sequer reportados à polícia, pois as vítimas ainda tem vergonha e medo de falar. 

Chorei em diversos momentos do livro e chorei ainda mais por saber que são histórias reais. Procurando no youtube pude conhecer seus rostos, pude ver suas lágrimas de medo e de vergonha. Krakauer encoraja através do livro, a nós mulheres, principalmente, a romper o silêncio e colocar a boca no trombone. Nos encoraja a não aceitar o que a sociedade nos impõe. Nós não merecemos ser estupradas, nós merecemos ser respeitadas. 

Acho que todo mundo deveria ler esse livro, principalmente os homens que ficam com mimimi nas redes sociais de que "nem todo homem é um estuprador em potencial". Imagine uma mulher que foi estuprada pelo próprio pai ou primo ou melhor amigo de infância, você acha que ela não vai te ver como um estuprador em potencial? Acorda! 

A edição da Companhia das letras está impecável, assim como a revisão. A capa remete à thrillers jurídicos, e se você gosta deste tipo de livro, pode ler sem medo. Apesar de ser um livro jornalístico, Jon Krakauer tem o dom de contar histórias verdadeiras como se fossem ficção e ainda assim respeitar os envolvidos. Recomendo demais!!! 

"Bem, devemos tratar as mulheres como sujeitos independentes, responsáveis por si mesmas? É claro. Mas ser responsável não tem nada a ver com ser estuprada. As mulheres não são estupradas porque estavam bebendo ou porque usaram drogas. As mulheres não são estupradas porque não foram cuidadosas o bastante. As mulheres são estupradas porque alguém as estuprou." Jessica Valenti - O mito da pureza.


RESENHA PREMIADA: Laço Eterno (Renata Melo) Trilogia Laço Eterno #01 + Sorteio 3 exemplares autografados!

segunda-feira, 25 de julho de 2016


Laço Eterno
# 1
Renata Melo
ISBN-13: 9788583382942
ISBN-10: 8583382948
Ano: 2016 / Páginas: 198
Idioma: português 
Editora: Buqui

A jornalista e bem-sucedida Grenda Medeiros estava focada em entender por que tinha sonhos tão claros, conectados e intensos. Era como se estivesse assistindo a um filme, mas os sentimentos e sensações eram bem reais. Existia um homem, um amor intenso, que a fazia experimentar várias emoções ao mesmo tempo.
Sem nunca terem se encontrado,Alan Muller, jovem empresário, de família tradicional do Sul do país, visualiza a foto da colunista de uma reportagem e, desde então, não consegue entender a forte atração que o deixa obcecado por ela. 
Esse premeditado encontro ou reencontro de almas causa uma combustão explosiva entre eles que irá precisar de Amor, Paciência e Persistência.

Laço Eterno é o romance de estreia da autora Renata Melo. Renata é cearense mas mora em Porto Alegre há alguns anos. Empresária, mãe, esposa, e agora, escritora, Renata debuta em grande estilo com Laço Eterno, um envolvente romance sobre almas gêmeas. 

O livro tem como personagens principais Grenda, uma jornalista bem sucedida, que é colunista de uma famosa revista de circulação nacional, e Alan, jovem empresário, que também compete em corridas de motocross. Grenda tem sonhos muito vívidos com algumas pessoas e uma delas é com esse homem misterioso que desperta nela um misto de sentimentos. Grenda decidiu procurar um especialista em regressão para saber mais sobre o que estava acontecendo consigo. Esse amor, essa conexão era muito forte e inexplicável. 

Ela é enviada para cobrir uma corrida de motocross e entrevistar os pilotos. E é lá onde vê Alan Muller pela primeira vez. Alan já acompanhava o trabalho de Grenda há um ano quando lera uma matéria dela e desde então desenvolveu essa pequena obsessão em conhecê-la. Quando eles se encontram, ambos já sabem que algo muito forte os liga, algo que no momento não pode ser explicado. Grenda e Alan tem um breve e tórrido romance, que é interrompido por um grave acidente. 

O reencontro se dá dois anos depois e suas vidas estão completamente mudadas. Grenda guarda uma mágoa e um grande segredo e Alan está disposto a qualquer coisa para reconquistar essa mulher. Qualquer coisa mesmo. Bom, chega de falar do enredo porque eu já estou falando demais. Vamos às minhas impressões sobre o livro.

Quando Laço Eterno chegou às minhas mãos eu não sabia muito sobre ele, apenas que se tratava de um romance sobre almas gêmeas. Já foi o bastante para me interessar porque achei a premissa original, já que não tenho conhecimento de muitos livros sobre isso, ou melhor, de nenhum, fora da perspectiva espírita. Não como um romance ficcional. 

Como falei, a premissa é original e eu gostei muito da maneira que a autora abordou a perspectiva de vidas passadas, através de sonhos e sessões de hipnose. A narrativa é em terceira pessoa, onde é possível abranger o ponto de vista de todos os personagens, isso é uma característica que eu, particularmente, gosto muito. 

A autora fez uma boa pesquisa sobre vinhos e e algumas características especiais de alguns vinhos e seus componentes, o que eu achei bem interessante, e que agrega conhecimento ao leitor. No entanto isso só é demonstrado mais no final, pois no começo do livro quando os personagens vão até o restaurante eles apenas apontam no cardápio o que irão pedir e, confesso, isso me incomodou um pouco porque eu gosto de saber o que o povo está comendo e bebendo. Claro, vai que um dia eu preciso não é? Risos.

Uma coisa que também me incomodou um pouco foi o fato de ter muitas descrições de vestimentas. A todos os momentos a autora descreve como todos estão vestidos, em cada detalhe. Há quem goste, pois estreita mais ainda o caminho para a imaginação. Eu acho interessante descrever trajes em ocasiões especiais, mas no dia a dia, acho um pouco desnecessário. Mas esse é um traço da escrita da autora, notei que para o romance se transformar em um roteiro cinematográfico não seriam necessárias muitas alterações, pois Renata já nos dá tudo bem mastigadinho. 

Bom, sobre a história em si: É uma história que fala de amor, de obsessão, ciúme, confiança, paciência (muita!) e laços familiares. Vivemos em um mundo tão imediatista, onde todo mundo está sempre com muita pressa e as relações se tornam líquidas, descartáveis, como diria Bauman, tudo é muito efêmero. Quando se acha alguém por quem vale a pena lutar é preciso se agarrar a esse sentimento, aceitar e também aprender a conviver com os defeitos do outro. Grenda e Alan são almas gêmeas que tiveram a oportunidade de se reencontrarem nesta vida e tentar evoluir um pouco mais como seres humanos. 

Ambos tem personalidades fortes e marcantes e por vezes os dois são intransigentes e mimados. Agem por impulso e por pura falta de comunicação deixam questões que poderiam ser facilmente resolvidas se transformarem em enormes tsunamis, devastando os sentimentos dos dois e acabam magoando-se mutualmente. Tinha horas em que dava vontade de entrar lá e colocar os dois abraçados no cantinho da vergonha, para que pudessem ver o que estavam fazendo a eles próprios. 

Não posso falar muito do final pois tem um gancho fortíssimo para o segundo livro, inclusive o início do segundo livro é o fim do primeiro, e posso dizer que os personagens que aparecem ao final, que são os protagonistas do segundo livro são ainda melhores que os do primeiro, e pelo que entendi, são mais complexos e mais desenvolvidos. 

Gostaria de poder falar um pouco mais sobre tudo que eu achei do livro, do começo ao fim, mas se eu for comentar todos os aspectos vou entregar pontos chaves que não devem ser entregues assim. Já tive a oportunidade de passar um feedback prévio para a autora, e esta já está ciente de minhas observações. Gostaria que mais pessoas lessem este romance pois ele me fez refletir sobre algumas coisas em minha própria vida. Essa mania que nós temos de esconder nossos sentimentos para não nos passarmos por frágeis frente ao outro pode acabar destruindo a chance de viver um grande amor, quem sabe com a sua alma gêmea. Não poupe amor, não poupe perdão, não poupe empatia. Não deixe para amanhã a declaração de amor que pode ser feita hoje. Eu sei, é uma frase bem clichêzinha, mas é a verdade. 

Recomendo a leitura para pessoas que gostam de romances contemporâneos, leves e com algumas reviravoltas. Renata é uma autora que está estreando mas que tem um grande potencial, pois sua narrativa é fluída, e em nenhum momento é chata, podendo-se concluir a leitura em algumas horas.
Sobre a edição física, é um livro de excelente qualidade, papel de boa qualidade, capa bonita e bem trabalhada, o livro está bem diagramado mas peca um pouco na revisão, mas já fiquei sabendo que os problemas de revisão já foram corrigidos! Eba! 

A autora cedeu três exemplares para sorteio entre os leitores do blog. Os livros serão enviados por ela em até 30 dias úteis após a publicação do resultado. Os livros irão autografados.
Para concorrer ao sorteio, basta preencher o formulário abaixo e torcer!
a Rafflecopter giveaway

REGULAMENTO:


  • O resultado será publicado no Blog, Facebook, Twitter e Google+ em até 10 dias após o fim da promoção;
  •  O vencedor tem até 48h corridas para entrar em contato por e-mail através do endereço: blogfeedyourhead@gmail.com; 
  • O blog NÃO SE COMPROMETE a avisar o ganhador;
  • O Premio será postado pela autora em no máximo 30 dias uteis após a divulgação do resultado.* 
  • Perfis fake e exclusivos de promoção serão automaticamente desclassificados, bem como pessoas que não cumprirem as etapas do formulário que se inscreveram;
  • Válido somente em território nacional;


*Em caso de devolução do prêmio por parte dos correios para a editora por problemas com endereço/falta de alguém para receber, a Editora/blog/autora NÃO É OBRIGADA, bem como o blog, a reenviar o prêmio. Caso a editora queira reenviar, é por responsabilidade dela. O blog se compromete a dar suporte apenas no primeiro envio.

*Em caso de devolução do prêmio por parte dos correios para o blog por problemas no endereço/falta de alguém para receber, o ganhador que tiver interesse no prêmio terá que arcar com os custos do envio.  O blog se compromete a dar suporte apenas no primeiro envio.

Resenha: O Acordo (Elle Kennedy) - Amores Improváveis #01



Título: O Acordo
Autor: Elle Kennedy
Edição: 1
Editora: Paralela
ISBN: 9788584390274
Ano: 2016
Páginas: 360



Sinopse:Hannah Wells finalmente encontrou alguém que a interessasse. Mas, embora seja autoconfiante em vários outros aspectos da vida, carrega nas costas uma bagagem e tanto quando o assunto é sexo e sedução. Não vai ter jeito: ela vai ter que sair da zona de conforto Mesmo que isso signifique dar aulas particulares para o infantil, irritante e convencido capitão do time de hóquei, em troca de um encontro de mentirinha.Tudo o que Garrett Graham quer é se formar para poder jogar hóquei profissional. Mas suas notas cada vez mais baixas estão ameaçando arruinar tudo aquilo pelo qual tanto se dedicou. Se ajudar uma garota linda e sarcástica a fazer ciúmes em outro cara puder garantir sua vaga no time, ele topa. Mas o que era apenas uma troca de favores entre dois opostos acaba se tornando uma amizade inesperada. Até que um beijo faz com que Hannah e Garret precisem repensar os termos de seu acordo.


[LANÇAMENTOS] Harlequin Books

domingo, 24 de julho de 2016




Oi gente vamos aos lançamentos desse mês da Harlequin?

Resenha: The Darkest Corners (Kara Thomas) #ThrillerThursday

quinta-feira, 21 de julho de 2016


The Darkest Corners by Kara Thomas
Published by Delacorte Press
336 Pages 
Young Adult
ISBN 9780553521450

The Darkest Corners is a psychological thriller about the lies little girls tell, and the deadly truths those lies become. There are ghosts around every corner in Fayette, Pennsylvania. Tessa left when she was nine and has been trying ever since not to think about it after what happened there that last summer. Memories of things so dark will burn themselves into your mind if you let them. Callie never left. She moved to another house, so she doesn’t have to walk those same halls, but then Callie always was the stronger one. She can handle staring into the faces of her demons—and if she parties hard enough, maybe one day they’ll disappear for good. Tessa and Callie have never talked about what they saw that night. After the trial, Callie drifted and Tessa moved, and childhood friends just have a way of losing touch. But ever since she left, Tessa has had questions. Things have never quite added up. And now she has to go back to Fayette—to Wyatt Stokes, sitting on death row; to Lori Cawley, Callie’s dead cousin; and to the one other person who may be hiding the truth.Only the closer Tessa gets to the truth, the closer she gets to a killer—and this time, it won’t be so easy to run away.


Sinopse: (Tradução livre feita por mim)
The Darkest Corners é um thriller psicológico sobre as mentiras que as garotas contam e o quão mortais essas mentiras se tornam. Existem fantasmas em cada esquina de Fayette, Pennsylvania. Tessa foi embora quando tinha nove anos e tem tentado, desde então, não pensar no que aconteceu naquele verão. Memórias de coisas sombrias vão queimar sua mente, se você deixar. Callie nunca saiu de lá. Ela se mudou para outra casa, então ela não tem que andar pelos mesmos cômodos, mas Callie sempre foi a mais forte. Ela pode encarar seus demônios - e se ela se chapar o suficiente, talvez um dia eles irão desaparecer para sempre. Tessa e Callie nunca falaram sobre o que elas viram naquela noite. Depois do julgamento, Callie se fechou e Tessa se mudou, e as amigas de infância simplesmente perderam o contato. Mas desde que foi embora, Tessa tem perguntas. Algumas coisas realmente nunca vieram à tona. E agora ela tem que voltar à Fayette - para Wyatt Stokes, sentado no corredor da morte, para Lori Cawley, a prima morta de Callie; e para outra pessoa que pode estar escondendo a verdade. Quanto mais perto Tessa chega da verdade, mais perto ela chega do assassino - e dessa vez, não vai ser tão fácil escapar. 


The Darkest Corners foi a minha primeira experiência com Kara Thomas, talvez por ela ainda não ter sido publicada aqui no Brasil. Kara é autora de thrillers e suspenses voltados para o público jovem-adulto (YA). A autora também publicou alguns livros sob o pseudônimo de Kara Taylor, a série Prep School Confidential. Agora traz este novo livro com a mesma temática, porém de uma forma um pouco mais pesada e bem trabalhada, pelo que pesquisei sobre a série anterior, era bem mais adolescente e previsível, digamos até um pouco boba. 

Quando Tessa e Callie eram crianças, as garotas presenciaram um assassinato, mas não foi um assassinato qualquer, foi a morte de Lori, prima de Callie. Houve um julgamento e um homem foi preso pelo assassinato de Lori e de outras garotas que foram mortas nas mesmas circunstâncias. Depois de testemunhar contra Wyatt, e tendo acabado o julgamento, Tessa se mudou para a Flórida para tentar esquecer o que houve e de certa forma, recomeçar. Porém Callie nunca deixou Fayette, Pensilvânia. 

Dez anos depois, Callie ainda não superou os acontecimentos daquela noite e está se afogando em bebida, festas e garotos para tentar sufocar sua dor e as memórias. Desde aquela noite, Tessa e Callie, que eram melhores amigas, nunca mais conversaram e restam muitos assuntos inacabados entre as duas. Tessa agora precisa voltar à Fayette para resolver alguns assuntos familiares e está disposta a conversar com Callie e esclarecer de uma vez por todas o que aconteceu na noite da morte de Lori.

Algo acontece, outra garota morre da mesma forma e agora Tessa acha que talvez possa ter ajudado a colocar o homem errado na cadeia. É possível que o verdadeiro assassino ainda esteja solto. Tessa precisa revisitar o passado, enfrentar seus fantasmas e algumas mentiras sobre aquela noite virão à tona.

Bom, apesar de este livro ser cheio de reviravoltas, não vou falar mais nada do enredo porque mesmo não influenciando no suspense, qualquer coisa a mais dita pode tirar a surpresa do leitor. The Darkest Corners é um YA um pouco mais pesado do que um YA comum, mas não chega a ser adulto. O livro tem uma carga emocional muito pesada e é cheio de dramas familiares e a própria amizade entre as garotas é um drama muito forte. 

Eu não diria que este livro é assustador, tem algumas partes um pouco pesadas, mas nada que tenha me tirado o sono à noite. Afinal é um young-adult. O que eu posso dizer é que os personagens são muito bem construídos e você tem a sensação de que está lendo a história contada realmente por uma garota chamada Tessa. A narrativa é intensa e comovente, um pouco lenta, mas não a ponto de ser chata. O suspense é construído de uma forma incrível mas em algum ponto a autora muda o foco da sua narrativa para o relacionamento problemático entre as garotas e por isso, penso eu, a leitura se tornou um pouco arrastada. Não foi um livro que eu li muito rápido. 

Tessa passou por muita coisa apesar de sua pouca idade, ela tem vários problemas que precisa resolver e a maneira como Kara construiu a personalidade de Tessa, torna-a muito real, quase consigo me colocar no lugar dela e imaginar o que faria se estivesse em sua situação. Ela sabe que é cheia de falhas. Gostei da maneira como ela lidou com as coisas, procurou saber a verdade e como ela se sentiu mal ao perceber o que ela e sua amiga fizeram a uma pessoa que não merecia. 

Lendo este livro eu lembrei de um documentário/série que vi na Netflix chamado Making a murderer, que trata sobre esta questão de alguém ir preso e ser condenado injustamente. Recomendo The Darkest Corners para quem curte thrillers psicológicos, seriados tipo CSI, Law and Order, etc. 

É um pouco complicado falar sobre o nível de inglês do livro pois isso é uma coisa muito relativa. O que pode ser fácil para mim pode ser difícil para você e vice-versa. Eu achei a leitura tranquila, a maioria das palavras que não conhecia nem foi necessário recorrer ao dicionário pois o contexto esclareceu. A capa é linda, mas por minha edição ser um paperback não tem orelhas e acaba tornando a edição bem frágil. A fonte é grande e bem espaçada, dá a impressão de que o livro é enorme, mas nem é tanto assim. Eu acho esse livro a cara da Editora Intrínseca, aqui no Brasil, por ele se assemelhar (um pouco) com o estilo de Gillian Flynn. Se você leu os livros da Gillian, talvez goste deste livro. Apenas tenha em mente de que é um young-adult. 


  • Este exemplar foi cedido pela Penguin Random House para leitura e avaliação sincera. Esta resenha faz parte da campanha #ThrillerThursday