Resenha de The Burns - Chamas de Sangue (M. L. Bastilho)

terça-feira, 24 de janeiro de 2012



Edição: 1
Editora: Literata
ISBN: 978-85-63586-30-8
Ano: 2011
Páginas: 377 + Epílogo

"Quantas vezes você já desejou ter uma segunda chance, um novo jeito de viver ou até mesmo uma nova vida? Debora Spencer estava em crise. Uma atriz frustrada, afastada da família e dos amigos gostaria de ter uma chance de começar tudo de novo e é isso mesmo que Marcus Burns lhe oferece quando a transforma em vampiro e a leva a Burns, um clã de vampiros com suas próprias regras. Mas uma vida eterna e cheia de perigos não era bem o que Debora desejava, pois ao se tornar um vampiro, ela percebe que perdeu também sua humanidade e tudo que a controla agora é a sede. Sede por sangue e uma paixão tão intensa que faz com que seu corpo arda em chamas por Viktor Burns, Líder do clã, irmão e maior inimigo de Marcus. Em que lado você ficaria? Pois em Burns não há bem ou mal, há apenas vários tipos de sede. Você consegue se controlar? Você aguenta? Seja forte, se deixe queimar e conheça um mundo onde sua nova vida pode ser tirada ainda mais rápido do que foi presenteada... Corra o quanto puder, mas o fogo irá te alcançar, ele sempre é mais rápido.

Assim que olhamos a capa do livro, podemos imaginar que o conteúdo é incendiário. Pois é!
A palavra que, em minha opinião, descreve melhor The Burns é: Pecado. Vindo de todas as partes. Luxúria entre amantes, Gula na forma de sede por sangue, Avareza pelo poder, Ira com um dos Burns personificando o Mal, a discórdia e o outro o Bem, o amor, confrontando-se, Vaidade de cada um presente no livro querendo sua beleza eterna, Inveja do que outro tem, e uma Preguiça tremenda, afinal, eles teoricamente vivem para sempre, não?

Toda a trama se desenrola depois que o pai, Líder do Burns, passa a liderança para o filho mais novo e não ao mais velho, criando assim uma rixa que duraria duzentos anos. Para piorar a situação, surge uma mulher que entrará no conflito por ser o peão de desejo da vez. Assim como a autora descreveu, não há os dois lados da equação totalmente definidos. Todos têm seu lado negro e seus momentos de claridade, até o mais terrível de todos, Victor Burns, O Burns mais novo. Contudo, pelo seu modo de escrita, temos uma tendência natural a amar o Burns mais velho, Marcus e seu temperamento explosivo.

Com momentos calientes tanto com Vi-malzão e Marcus, meu amor; lutas; treinos; clãs destruídos; exílio de Marcus e planos para que a verdade se sobressaia e a paz reine, não só entre os dois mil vampiros “filiados” a Burns, mas a todos ao redor do mundo, o livro é capaz de prender por longas horas, talvez não poderás terminá-lo de uma vez só devido a sua diagramação, seu lado negativo.

Composto de 377 páginas mais Epílogo, o livro é dividido em três partes, sendo elas intensamente eletrizantes. A autora se mostra presente no livro em diversas partes interagindo com o leitor, narrando na terceira pessoa. Conseguimos ver como é difícil para Marcus dizer a verdade a Débora sobre sua transformação; ficamos com raiva de Débora quando ela sucumbe ao poder de sedução exalado por Victor e não tem idéia de como Marcus a ama, por exemplo.

Em geral, o livro é muito bom. Tem seus ápices e seus “O que é isso, Jesus?”, mas com o decorrer da história podemos resolver os problemas anteriores, como “Sherlock Homes”. Para mim, a melhor parte foi a terceira quando pude desvendar o passado dos dois irmãos. Saber de onde veio o ódio tão grande em Victor e o sentimento puro de Marcus e entender mais sobre Ben Burns. Claro, cenas hots é que não faltam, porém eu separei um trecho da mais-mais:
“Os ouvidos dela pareciam que iam explodir por causa do chiado de desejo e da busca pelo doce fim que parecia nunca chegar e o barulho da cabeceira da cama batendo na parede parecia muito baixo perto da explosão que eram seus gritos e os rugidos que saíam pela garganta dele.”
- UAU – Enfim, como todos os livros, acabamos achando o seu lado negativo: A danada da diagramação que está terrível. A letra parece está no tamanho 10 e não há espaço entre linhas; deu-me a impressão que, por já ser grande o livro, a editora quisesse pô-lo no menor número de páginas possível, o que, sinceramente, torna-o mais longo e cansativo. O papel é amarelado – o que eu prefiro, por sinal -, mas duro, mas também não tanto quanto uma cartolina; e achei que a terceira parte poderia ser um pouco antes, no momento que Débora decidisse ajudar Marcus, provavelmente. Daria um bom espaço entre cada situação do livro.

No mais, só alguns poucos erros ortográficos e de impressão, como letra minúscula no começo de frase e tornar parágrafo metade de uma frase quando ainda estava no meio dela. Por ser primeira edição, relevamos. Um livro que só não recebe 10 por causa desses pequenos pontos negativos, que por menores que sejam, desestimula o leitor.

Nota: 9
Parabéns, M. L. Bastilho!
Site principal da série: http://serietheburns.blogspot.com/


Aconselho comprar da própria autora, pois além de vir autografado, vem com marcadores belíssimos!

Contato com a autora para compra do livro: marciacpm22@hotmail.com