Resenha: Los Angeles (Marian Keyes)

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

LOS_ANGELES_1229555957P
Edição: 0
Editora: Bertrand Brasil
ISBN: 9788528612936
Ano: 2007
Páginas: 484
Tradutor: Renato Motta
Sinopse: Maggie sempre foi uma anjinha, a cria mais certinha da complicada (e engraçadíssima) família Walsh... até se cansar de andar na linha e mandar todas as regras que a prendiam a um dia-a-dia em sal (e muito menos açúcar) às favas - a começar pelo casamento (que, para o bem da verdade, nunca havia realmente engrenado) e o trabalho bitolante numa firma de advocacia. Ao largar essa vida em preto e branco no passado, Maggie decide se mandar para o lugar onde a realidade promete ser em Technicolor - Hollywood, claro! Terra do glamour, da liberdade, da beleza (até as palmeiras das calçadas são magras), da luxúria e, obviamente, da diversão!

Esse livro divide opiniões: Quem ama a Maggie, ama mesmo mas quem a detesta, detesta de verdade...rs eu sou do time PRÓ-MAGGIE. Simpatizei muito com a personagem e em alguns momentos me vi nela, pelo fato de ela fazer sempre o que todo mundo espera que ela faça, aquela que nunca sai da linha, o típico “Iogurte natural em temperatura ambiente” como Helen a chama por ser insegura quanto à aparência.

Simplesmente adorei o livro, principalmente por ele tratar de questões tão comuns a nós como infidelidade, gravidez na adolescência e aborto induzido. Apesar de escritos com o intuito de fazer as pessoas rirem, os livros de Marian Keyes sempre trazem alguma mensagem bastante importante e situações que com certeza você conhece alguém que já viveu algo parecido, senão você mesmo! 


Maggie sempre foi a certinha, a anjinha da adorável e maluca família Walsh. Ninguém nunca imaginava que ela pudesse se rebelar, simplesmente como ela mesma diz:
“Não sirvo pra ser má, toda vez que faço algo errado, sou apanhada”.
Maggie está triste, cansada e estressada pois acabou de perder o emprego, desconfia que o marido, Garv, a está traindo e resolve deixá-lo,  então volta para a casa dos pais, em Dublin, e passa uns dias por lá quando recebe uma ligação de sua amiga Emily que mora em Los Angeles, e a convida para passar uma temporada por lá para se distrair um pouco e esquecer os problemas.

Maggie vai para L.A e é onde a aventura começa. Claro que eu não vou falar nessa resenha tudo que ela apronta em Hollywood porque é dar spoiler demais, mas garanto que não é pouca coisa! Se você quer pegar boas lições de vida, além, claro de dar boas gargalhadas e imaginar todas as situações pra lá de inusitadas que a Marian descreve, esse é o livro.

Quem já leu pelo menos um livro da Marian sabe que ela gosta muito de "enrolar", mas se você gostou do que leu, leia outros, são todos super divertidos. Eu sou super suspeita pra falar dos livros da Marian, pois pra mim ela é a rainha do Chick lit e tenho certeza que vou amar tudo que ela escrever. Já li quase todos os livros dela (todos da familia Walsh) e estou acabando de ler os outros, em breve resenha de “Férias” por aqui.


Classificação: