Resenha: Era uma vez à meia-noite (Vários autores)

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

ERA_UMA_VEZ_A_MEIANOITE_1318085518P
Edição: 1
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501086822
Ano: 2011
Páginas: 224

Sinopse - Era uma vez à meia-noite - Aguiar, Luiz Antonio

Mais do que um livro, este é um objeto misterioso. Os contos do pai do suspense, Edgar Allan Poe, são recriados por Leo Cunha, Luiz Antonio Aguiar, Pedro Bandeira, Rogério Andrade Barbosa e Rosana Rios que, juntos, formam o extraordinário Clube dos segredos. O leitor vai conhecer também os textos originais de Poe e seus personagens que bailam entre a loucura e a lucidez.
Essa é uma das resenhas mais difíceis que eu já fiz. Era uma vez à meia-noite é uma antologia de contos inspirados nos contos do aclamado escritor americano Edgar Allan Poe. Nesta antologia, cinco renomados autores brasileiros fazem uma homenagem ao mestre do terror, recriando cinco de seus mais famosos contos: O coração delator, O poço e o pêndulo, Berenice, O gato preto e a Carta Roubada. Os autores escolhidos para esta obra são: Luiz Antonio Aguiar, Leo Cunha, Pedro Bandeira, Rogério Andrade Barbosa e Rosana Rios.

O primeiro conto “Um crime quase perfeito” é inspirado em O coração delator e foi recriado por Pedro Bandeira, que foi o principal motivo de eu ter solicitado este livro à Editora Galera Record. Sou fã incondicional do Pedro Bandeira desde a minha infância. Um crime quase perfeito relata a historia de um homem que arquiteta a morte da própria esposa de maneira que tudo saia tão perfeito que ninguém jamais descobrirá que ele foi o autor do crime. O conto é brilhante e o crime teria sido perfeito mesmo, se a tensão do protagonista após cometer o delito, não o tivesse levado à loucura, fazendo com que este confessasse o assassinato, sem qualquer intervenção externa.

O segundo conto “O poço” foi inspirado em “O poço e o pêndulo” e foi recriado por Rosana Rios. Não vou me aprofundar neste conto pois o detestei. Achei chatissimo e nem de perto a autora me causou nenhuma sensação que sequer chegasse perto do que eu sinto quando leio algo de Poe. Neste conto ela nos remete a um ambiente universitário, relatando um trote desses que aplicam nos calouros de qualquer faculdade. Me pareceu mais um roteiro de filme de suspense do que uma recriação de um conto do mestre Edgar Allan Poe. Não gosto quando o narrador “conversa” com o leitor, em minha opinião é forçar demais.

O terceiro conto “Os dentes da Berê” foi inspirado em “Berenice” e foi recriado por Leo Cunha. Este conto ficou muito bacana. Achei muito bacana mesmo e o final foi brilhantemente surpreendente. Totalmente inesperado. Adorei.

O quarto conto “Cortina” foi inspirado em “A Carta Roubada” e foi recriado por Luiz Antonio Aguiar. Gostei bastante desse conto, pois sou fã de literatura policial e uma das melhores séries de Poe tem como personagem o brilhante Auguste Dupin. O segredo deste conto é a maneira que Dupin explicou de como esconder a carta sem de fato ter que escondê-la. O conto dá também algumas dicas sobre teatro e adaptações. Interessante.

O quinto e último conto “O gato” foi inspirado em “O gato preto” e foi recriado por Rogério Andrade Barbosa é um dos melhores em minha opinião. O conto relata a história de um pedreiro que tomado por ganância, assassina a mulher que o contratou para aumentar um muro. Ele mata a mulher e empareda o gato desta, que o arranhou. Quando a polícia o prente como suspeito ele nega veementemente e só é descoberto quando é levado à casa da falecida e o “maldito gato” salta de dentro do muro, atacando-o. Achei o conto brilhante, apesar de toda a crueldade cometida pelo protagonista contra o felino.

Recomendo o livro pra quem é fã de Edgar Allan Poe pois além dos contos recriados podemos contar também com os contos originais e também com comentários acerca de cada história. Bastante interessante. A capa é linda e a diagramação impecável. Não tem erros de ortografia, digitação ou revisão.

Classificação:
3es

4 Comentários:

Gracy Ursulino disse...

Amei a resenha, amiga. É ótimo quando um resenhista dá a sua verdadeira opinião sobre o livro. odeio quando ficam embelezando o que não tem nada de belo. Me deu vontade de ler... Beijoooooooos!!!

KassiaCrislayne disse...

Achei ótima a ideia da reinvenção dos contos! Acho Poe um cara fantástico, adoro as histórias macabras dele!

Bjs.

Monica santos disse...

Ótima resenha, agora necessito desse livro.
Gosto muito dos contos de Poe. “A Carta Roubada", "O Gato Preto" e "O Corvo" [esse ficou só na capa] são meus favoritos.

Bjs!

Mariana Diaz disse...

Acho q leria mais por curiosidade q por qualquer outra coisa, mas tenho de admitir q tenho preconceito tanto com livros de contos quanto com adaptações de historias de escritores famosos. 
Acredito q em Poe não se meche... mas quem sabe se eu der uma chance ao livro eu ate goste. ;)

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D