Resenha: A Resposta (Kathryn Stockett)

segunda-feira, 12 de março de 2012


Edição: 1
Editora: Bertrand Brasil
ISBN: 9788528614619
Ano: 2011
Páginas: 574
Tradutor: Caroline Chang
Sinopse: Eugenia Skeeter Phelan terminou a faculdade e está ansiosa para tornar-se escritora. Após um emprego como colunista do jornal local, ela tem uma ideia brilhante, mas perigosa: escrever um livro em que empregadas domésticas negras relatam o seu relacionamento com patroas brancas do Mississipi na década de 60. Mesmo com receio de prováveis retaliações, ela consegue a ajuda de Aibeleen, a empregada doméstica que criou 17 crianças brancas, e Minny, que, por não levar desaforo para casa, já esteve por diversas vezes desempregada após bater boca com suas patroas. Uma história emocionante e estarrecedora onde a cor da pele das pessoas determina toda a sua vida. 
Falar de um livro que gostamos muito é até mais difícil do que falar sobre um que não gostamos tanto ou apenas gostamos. A Resposta foi uma agradabilíssima surpresa para mim. Me assustei inicialmente com o número de páginas mas me surpreendi com a rapidez com que elas foram passando. 

A história se passa no sul dos EUA, na cidade de Jackson, Mississipi, nos anos sessenta, auge da segregação racial. Tudo para os negros era separado: banheiros, supermercados, escolas, bibliotecas, etc., os negros tinham que sair do lugar no ônibus para um branco sentar. 
Ao longo dessa história conheceremos três personagens principais, as quais irão nos contar detalhadamente tudo que acontecia naquela época. Temos Skeeter, Aibileen e Minny. 

Conhecemos Eugenia (Skeeter) Phelan, uma moça rica, branca e nada fútil, comparando-a às demais personagens brancas do livro. Skeeter acabou de se formar em jornalismo e está ansiosa por um emprego no jornal local, mas tudo que ela consegue é uma coluna para responder dúvidas sobre tarefas domésticas. Como não entende nada de cuidados domésticos, decide pedir ajuda à Aibileen, empregada de sua amiga Elizabeth Leefolt.

Aibileen é negra, ja criou 17 crianças brancas e atualmente é empregada dos Leefolt. Aibileen é uma mulher pouco instruída mas gosta muito de ler, hábito que adquiriu com seu filho, morto poucos anos antes, ela sente muita falta do filho Treelore. É uma mulher forte e batalhadora, mas que não consegue responder e nem discordar de seus patrões brancos, aguentando tudo calada.

Já Minny é o tormento de qualquer patroa branca. Ela é respondona, e não leva desaforo pra casa. Minny é vítima de violência doméstica, apanha muito do marido. Aparentemente ela é forte e destemida, porém é uma mulher comum, que tem sonhos e medos como qualquer outra. Minny trabalhava para os Hollbrook, mas foi acusada de ladra e demitida pela perversa Hilly Hollbrook, desde então não conseguia emprego nenhum, até conhecer a única mulher que não foi atingida pelas mentiras de Hilly, Celia Foote. 

Skeeter não é uma moça comum, ela é muito alta e muito inteligente. Enquanto todas a outras moças caçavam desesperadamente um marido, Skeeter queria se formar e escrever algo que realmente as pessoas lessem. Numa de suas conversas com Aibileen, surge a idéia de escrever um livro sobre como é ser uma empregada doméstica negra e trabalhar para uma família branca, contar todas as experiencias, boas e ruins. Inicialmente Aibileen se assusta e não quer participar mas depois cede e resolve ajudar Skeeter. Depois de muita insistencia, Minny também decide ajudar. A sensação que elas tem é de que estão fazendo algo errado e sujo, entao fazem tudo às escondidas e sempre com aquele pavor de serem descobertas. 

A narrativa de Kathryn é simples e objetiva, é uma leitura fácil e saborosa, onde tudo fica ainda mais gostoso por ser em primeira pessoa, alternando os pontos de vista de Minny, Aibileen e Skeeter. Interessante também, é o fato de os capítulos narrados por Minny e Aibileen serem escritos da mesma forma como elas falam, usando e abusando das expressões típicas delas, tal qual elas falam mesmo, até as coisas erradas. Acredito que isso contribui bastante para dar uma identidade toda especial à obra. Já os capítulos narrados por Skeeter são corretos e usando a norma culta, bem como Skeeter fala. 

A Resposta é um livro que faz o leitor refletir sobre preconceito, amor, respeito, esperança e muitas outras coisas que jamais caberão nesta resenha. O preconceito é uma coisa que sempre existiu e infelizmente sempre vai existir. Naquela época as pessoas não precisavam fingir, como hoje. Preconceito é uma coisa que você encontra até mesmo dentro da sua casa, e eu não estou falando somente da cor da pele. Esse livro é um tapa na cara da sociedade, é, a nossa sociedade mesmo, que prega a igualdade social mas que ainda torce o nariz para um negro ou um pobre. 

Ao finalizar a leitura me flagrei imaginando como seria viver naquela época onde negros não tinham voz e qualquer coisa que dissessem, se entendidas de forma errada por um branco, poderiam ser punidos duramente. Onde se usassem um banheiro de brancos por engano, apanhariam até quase a morte. Me imaginei vivenciando a tudo isso e tendo que ficar calada, independente da cor da minha pele. Chorei muito com este livro. A autora conseguiu abordar um assunto extremamente complicado de forma leve e agradável. Ao mesmo tempo que nos consegue fazer chorar, também nos faz gargalhar com a doce Minny, a cena do bolo de chocolate, meu Deus, morri de rir! 

A Resposta não é um livro para ser lido e depois esquecido. É para se ter na cabeceira, e sempre que você se sentir mal com alguma coisa que lhe aconteceu, reler o que aquela gente passou, aquela gente que era honesta e boa e que não merecia nada daquilo. 
A minha melhor leitura até agora, em 2012. Altamente recomendado para pessoas de qualquer idade, cor, religião e classe social.

Classificação:



Vejam o trailer de Historias Cruzadas, filme baseado no livro A Resposta.


11 Comentários:

Karyna Miranda disse...

Muito boa a resenha, eu ja tinha ouvido falar desse livro mas ainda nao tinha nem visto, me deu muita vontade de ler ele, vou colocar na minha big list de livros pra ler nos proximos dias. 
Beijos

KassiaCrislayne disse...

Olá, Dana.

Já li o livro e confesso a você que, ao ler sua resenha e relembrar os momentos mais intensos, me emocionei. Pois não há como não se sensibilizar pela história contada pela Kathryn. Rir, chorar, gritar, explodir... Tudo isso são sensações que esta maravilhosa obra nos proporciona. Adquiri o meu exemplar em uma promoção fantástica do submarino (apenas $14,90 e frete grátis) e pulei de alegria pois era um livro muito desejado.

Confesso que a minha leitura só engrenou a partir do momento em que elas começam efetivamente a escrever o livro. Não que eu tenha achado o começo ruim, não. Apenas não li com tanta rapidez quanto as demais partes.

Uma história que eu sabia que iria me emocionar, mas eu não imaginava o quanto. Tocante e profunda o suficiente para fazer qualquer ser humano refletir.

Bjs.

Leandro de L. disse...

Queeeeeeero muuuuito ler este livro!
Sua resenha me fez ficar ainda mais curioso para lê-lo. Amei a resenha.
Obrigado por ter avisado! Gostei muito da resenha!
Grande Abraço!

"Palavras ao Vento..."www.leandro-de-lira.blogspot.com

Juliana Vicente disse...

Dana, hoje li a resenha da Leninha do mesmo livro e me interessei muito, agora lendo sua resenha fiquei apaixonada.

Realmente é mais dificil falar de um livro que amamos que de um que apenas gostamos.

Quero ler esse livro e já sei a quem pedir emprestado.

Beijos

brumiranda disse...

Dana, adoreeeeei a resenha! :D Eu mesma nao poderia ter dito melhor! auheuaheuah
Quero muito que a Kathryn lance outros livros porque eu simplesmente me apaixonei pela escrita dela e como tu disseste, ela abordou o tema de um jeito tão sutil e é um tema tão pesado que a gente nem sente, quando vê já são rios e rios de lágrimas! uahehuaeuh
Eu me acabei de chorar também lendo o livro e adorei que em português eles mantiveram a diferença na escrita quando é um capítulo da Aibileen e da Minny.

Beijaao! =*

Dana disse...

é verdade bruna, tbm to doida que ela lance mais livros... achei mto mto boa mesmo... chorei horrores com o filme tb. bjs e obg pela visita!

Dana Silva disse...

É muito dificil sim Ju, eu amei demais demais e ja to louca que ela lance outros pois fiquei apaixonada pela escrita dela, pode pedir, empresto sim! bjs

Dana Silva disse...

que bom que gostou da resenha! vc precisa ler é o livro, irá amar! obg pela visita... bjinhos

Dana silva disse...

kassia vc comprou muito baratooooooo... chocadaaaaaaa!!!! sim, eu tbm pensei que iria me emocionar mas tbm jamais imaginei que seria tanto... e so de pensar q eu cogitei nao ler por causa do numero de paginas em vista do pouco tempo que eu tinha pra ler. bjs 

Dana disse...

oi amiga, vc precisa ler esse livro, é muito lindo.. um tapa na cara de preconceituosos. bjos 

lilianarodrig disse...

Esse é um livro que me chama a atenção. Quero ler. Bjs

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D