Resenha: O melhor de mim (Nicholas Sparks)

segunda-feira, 2 de abril de 2012


Edição: 1
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580410495
Ano: 2012
Páginas: 272
Tradutor: Fabiano Morais

Não colocarei a sinopse porque além de ser grande, considerei muito reveladora.
“- Quando penso em ficarmos juntos, não estou falando em lua de mel. Estou falando de você e de mim, duas pessoas reais. Quero acordar de manha com você do meu lado, quero chegar a noite e jantar com você. Quero compartilhar com você cada detalhe bobo do meu dia e ouvir cada detalhe do seu. Quero rir junto com você e dormir com você em meus braços. Porque você não é só alguém que amei no passado. Você era minha melhor amiga, a melhor parte de quem eu sou, e não consigo me imaginar desistindo disso outra vez. – Ele hesitou, buscando as palavras certas. – Eu lhe dei o melhor de mim e, depois que você foi embora, nada jamais voltou a ser o mesmo.”

É muito difícil escrever sobre Nicholas Sparks. Sempre que tento escrever uma resenha de algum romance dele, sai enorme. Com “O melhor de mim” não poderia ser diferente.

A trama se passa na cidadezinha de Oriental, nos EUA e gira em torno de Amanda Collier e Dawson Cole. Quando jovens eles se apaixonaram completamente, mas por complicações do destino tiveram que se separar de maneira abrupta. Vinte e cinco anos depois, Dawson e Amanda se reencontram para o funeral de Tuck Hostetler, amigo do casal e foi como um pai para Dawson em sua juventude, oferecendo-lhe um lar e trabalho. Tuck era um homem solitário e já idoso que sofria cada vez mais pela perda de sua amada esposa, Clara. Antes de morrer, Tuck instrui seu advogado a convocar os dois, e deixa três cartas: uma para os dois lerem juntos num determinado local e outras duas, uma para cada um, para lerem sozinhos e no momento em que acharem que é o certo. Quando eles se reencontram, é como se tivessem voltado no tempo, Amanda começa a se sentir exatamente como se sentia na presença de Dawson no passado, e ele da mesma forma. A emoção é muito grande e os dois passam ótimos momentos juntos, desenterrando memórias.  

O leitor pode até achar a historia clichê, e na verdade é, mas isso não quer dizer que o livro seja ruim. Pelo contrario, é maravilhoso. Emocionante, tenso, doce e muito romântico. Dawson, apesar de ser um homem solitário, recluso, é super romântico e apaixonado. Desde que rompeu com Amanda, no passado, nunca voltou a ter outra mulher. Já Amanda seguiu com a sua vida, casou-se e é mãe de três filhos.

Quando eles se reencontram, o amor é quase palpável e você se pega torcendo para os dois ficarem juntos, apesar de ela ser casada. É nesse momento que tudo vem à tona. Todas as pendências, incertezas, e até vinganças do passado aparecem. Dawson tem uma família “da pesada” e quando deixou Oriental, dois de seus primos o juraram de morte, Abee e Ted Cole.
O livro é previsível, mas você não consegue parar de ler, quando vai se aproximando do desfecho o negocio vai ficando tão bom que você já não tem mais forças pra parar e é tragado para dentro da historia. O titulo cai perfeitamente bem para o enredo e eu so não vou citar um certo trecho do final porque é spoiler em alto grau.

A narrativa é em terceira pessoa, principalmente pelos pontos de vista de Amanda e Dawson, mas tem diversos capítulos narrados por outros personagens da historia que de alguma forma foram afetados pelas ações de Dawson e/ou Amanda no passado. Eu, particularmente, gosto dessa forma de narrativa. É como se eu estivesse assistindo a um filme. A única coisa nos livros do Nicholas que eu não gosto são as capas, pois são todas iguais, acho que já está na hora de mudar não é, Editora Arqueiro? O bom é que o tamanho do livro é igualzinho aos publicados pela Novo Conceito, então, leitor e colecionador, pode ficar tranqüilo pois eles vão ficar bonitinhos lado a lado na estante. Achei poucos erros de digitação, mas nada que comprometa a leitura. A diagramação é simples e a folha é amarela. 

O melhor de mim não é só mais uma historia de amor, acredite, o livro tem muito mais a dizer do que só um romance que não foi concretizado. O livro nos dá lições de amizade, de perdão, de fé num propósito Maior e principalmente de amor ao próximo, aquele amor incondicional que Jesus nos deu, sacrificando-se para nos salvar. Super recomendo.

Classificação: