Resenha: De Repente, Pai (Michelle Reid)

Edição: 979
Editora: Nova Cultural
Ano: 1996
Páginas: 123

Uma traição separou Nic de Sara. Ele a mandou de volta para Londres e não acreditou quando ela disse que era inocente e muito menos que a pequena Lia era filha deles. Apesar da convicção, quando a menina foi seqüestrada três anos depois, ele veio ao socorro de Sara - era o único que poderia recuperá-la viva. O reencontro forçou uma série de confrontos que levaram no retorno da família quebrada para a Sicília. Sara tinha que enfrentar a desconfiança de Nic, as péssimas lembranças dos piores momentos do casamento e um sogro disposto a tudo para tirá-la do caminho... Como convencer o marido de que falava a verdade? Será que ela estaria disposta a perdoá-lo por tanto sofrimento se isso acontecesse?

 

Já falei o quanto eu amo um italiano, cabeça dura, possessivo e ciumento? Certo, às vezes dá uma vontadezinha de dar uns sopapos no moço, mas só para cuidar dele depois. Nosso lindo mocinho, o Nic, segue esse padrão. Ele e Sara foram casados, mas ele a pegou com outro. No entanto, não tema, nossa mocinha não traiu nosso mocinho. Foi uma armação do nojento do pai dele, mas o mocinho bonitão acreditou na mulher que amava? Não! Separou-se de Sara, mas como forma de vingança não oficioalizou o divórcio, assim ela não teria outro. E rejeitou completamente a filhinha deles por achar que não era sua.

Após três anos sem se ver o sequestro da filhinha os faz ficar frente a frente. Eu simplesmente A-DO-RO a atração gritante entre eles. Ele mesmo sem acreditar que a menina é sua vem imediatamente ao auxílio de Sara. Ele é um cafajeste daqueles que faz com que voce se apaixone perdidamente. Tanto manipula que consegue que a Sara e a filha, que foi resgatada, voltem a viver com ele. Quando finalmente acredita em Sara e cede ao amor que começa a sentir pela filhinha ele se torna o Tudão que sempre esperei. Sem querer me estender ou soltar spoilers demais deixo aqui minha opinião de que amei demais esse livro e sempre que posso o releio. Boa pedida para o fim de semana. Beijos no coração!

6 comentários via Blogger
comentários via Facebook

6 comentários

  1. Carolina Durães8 de junho de 2012 19:31

    Oi Gracy, tudo bem? Esse parece ser o tipo de livro onde o mocinho é um cafajeste de primeira e a mocinha sofre até o fim... não faz muito o meu estilo de leitura, mas compreendo e apoio a sua opinião quanto ao amor pelos italianos cabeça duras rsrs.. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Este eu não li ainda e realmente um bom italiano é tdb.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  3. Parece ser uma leitura gostosa!!
    Assim que poder vou ler esse livro,
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Só eu SEMPRE leio "Richelle Mead" ou invés de Michelle Reid?

    ResponderExcluir
  5. hahaha eu tbm sempre leio Richelle Mead kkkkkkkk

    ResponderExcluir
  6. AHHAHA AAAEEE! Não estou sozinha no mundo!

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário, ele é muito importante para mim!