Resenha: Vida Após a Morte (Damien Echols)

sexta-feira, 7 de junho de 2013



Título: Vida Após a Morte
Autor: Damien Echols
Edição: 1
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580573190
Ano: 2013
Páginas: 400
Tradutor: Marcello Lino

Sinopse: Aos dezoito anos, Damien Echols foi apontado como líder de um grupo satanista e principal responsável pelo assassinato de três garotos de oito anos em West Memphis, no Arkansas. Após um julgamento marcado por falsos testemunhos, provas manipuladas e histeria pública, em 1994 seus amigos Jason Baldwin e Jessie Misskelley foram condenados à prisão perpétua, e Damien foi enviado ao corredor da morte, onde aguardaria sua execução. As irregularidades gritantes no desenrolar do processo, bem como a apatia dos advogados de defesa, chegaram ao conhecimento do público dois anos depois, quando a história conquistou repercussão mundial através de um documentário. Nos anos seguintes, foram produzidos outros três documentários sobre o caso e a causa foi abraçada por celebridades de Hollywood, que se empenharam vigorosamente para que a justiça fosse feita, o que culminou com a libertação do trio de West Memphis em 2011.



Finalmente eu terminei de ler Vida Após a Morte do Damien Echols, eu recebi a prova do livro tem mais ou menos três semanas, mas infelizmente ele chegou no meio das duas semanas mais turbulentas da minha rotina que são as semanas de provas.

Damien Echols era um rapaz branco, pobre e com gostos peculiares que vivia em West Memphis. Ele cresceu  praticamente em um trailer, cercado por uma mãe distante, uma irmã que foi abusada pelo padrasto e um padrasto fanático. Em meio a tudo isso ele começa a ser perseguido por um juiz (ou policial, na verdade eu não consegui distinguir isso no livro, por que horas ele chama o cara de juiz de menores e em outras me parece que ele tem função de policial) que o acusa de satanismo. Quando três garotos são mortos na cidade, Damien e seu amigo Jason são acusados junto com Jessie, que pelo que eu entendi tinha um parentesco com uma das crianças E aí começa a história de terror na vida de Damien, ele é condenado ao corredor da morte e fica preso nada mais, nada menos que vinte anos. Lá dentro ele vive um verdadeiro inferno, presencia e vive horrores e durante mais de dez anos não sai de sua cela.  Até que consegue o apoio do vocalista do Pearl Jam (que assiste ao documentário feito sobre o caso que se chama Paradise Lost) e do – lindo, maravilhoso, gostoso- Johnny Depp. Após apelar  de várias formas ele finalmente é libertado em 2011.

Quando eu terminei de ler o livro, confesso que fiquei meio chocada. Claro que por conta dos vários filmes, séries, etc. que chegam até nós somos levados a crer que o sistema judiciário dos Estados Unidos é perfeito, mas quando nos deparamos com essa história vemos que não é. Damien sofre por anos pela ignorância e falta de comprometimento de um sistema judiciário que parece ser corrupto e preconceituoso, mesmo quando foi libertado ele teve que se valer de um artifício jurídico no qual confessava que o Estado tinha provas suficientes para acusa-lo, mas que era inocente. Ou seja, ele admitiu ser inocente, porém teve que engolir que o sistema que o prendeu injustamente tinha sim razão em pensar isso, pois tinha provas concretas para condená-lo o que na realidade não aconteceu. Fui pesquisar, obviamente,  e  achei vários artigos sobre o caso que é conhecido como West Memphis 3, referindo-se aos três garotos que foram assassinados e qual não foi minha surpresa ao achar duas matérias que me deixaram extremamente feliz: a primeira diz que a polícia já tem suspeitos de quem assassinou os meninos ( dois rapazes e o padrasto de um dos garotos assassinados) e a segunda era uma matéria de arte que informava sobre a exposição de Damien Echols no museu de arte moderna de Nova York. Pois é, apesar de tudo que sofreu ele conseguiu de certa forma dar a volta por cima e ter sua arte exposta em um dos museus mais respeitados e importantes de todo o mundo.

Além de tudo isso uma produção cinematográfica do caso (sem previsão de lançamento) também já foi filmada e tem no elenco Reese Witherspoon e Colin Firth e é inspirada no livro Devil's Knot da autora Mara Leveritt. No filme Damien é interpretado por James Hamrick.




4 Comentários:

aninha disse...

e quantos outros não estão encarcerados injustamente por aí?a história de Damien é mais uma injustiça que graças a Deus teve um final decente.não existe esse sistema que esteja a prova de falhas,e eu fico pensando,se lá nos EUA,falham feio assim,imagine aqui no Brasil...Damien é um sobrevivente,vou procurar ler o livro.=)

Danielle Casquet disse...

Muito bom, bem diferente que estou acostumada a ler!!!!'
Boa resenha!!!
Esse livro é a realidade nua e crua !!!
bjs

sidnei luis fermino disse...

Ótimo texto de resenha. Meus
parabéns! Amei a maneira que vc usou para se
expressar, me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso...
se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas
religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias
cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus
jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura...a capa
do livro é linda ela traz o universo como tema.

http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=78725243

Dana Silva disse...

Por favor, evite spam e propaganda por aqui, ok? Claramente você nem leu a resenha porque TODOS os seus comentários são absolutamente control c, control v!

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D