Resenha: Meu Amor, Meu Bem, Meu Querido (Deb Caletti)

sábado, 13 de julho de 2013





Edição: 1
Editora: Novo Conceito
Ano: 2013
Páginas: 240
Tradutor: Maysa Monção Gabrielli
Será Que Um Verão Pode Mudar o Que Sabemos Sobre o Amor, a Família, o Destino e O Próprio Coração?
É verão no nordeste da cidade de Nine Mile Falls e Ruby McQueen, de 16 anos, comumente conhecida como A Garota Calada, está saindo com o maravilhoso, rico e louco por emoções Travis Becker. No entanto, Ruby está num beco sem saída e percebe que se arrisca cada vez mais quando está com Travis. Em um esforço para manter Ruby ocupada, sua mãe, Ann, a arrasta para o clube de leitura semanal que ela comanda. Quando descobrem que uma das criadoras do clube é a protagonista de uma trágica história de amor que estão lendo, Ann e Ruby planejam um encontro dos amantes de longa data. Contudo, para Ruby essa missão acaba sendo muito mais do que apenas uma viagem...
Quando me interessei pelo livro eu esperava um novo “Belo Desastre”, não vou mentir, era o que imaginava sim. A sinopse nos vende isso e eu “comprei” a ideia, se é que me entendem. Mas não se engane, isso não é um “50 Tons de Cinza” adolescente. Posso dizer que me decepcionei, não por não termos um novo Mr. Grey, mas por não ser um livro voltado para o Amor. Essa não é uma história sobre a paixão adolescente de Ruby. Há mais.

O livro trata, bem mais que de romance, da relação entre Ruby e sua mãe e do crescimento pessoal que advém dos momentos difíceis. Não que essa temática não seja boa, mas please minha gente, nós precisamos de romance também. Eu procuro suspiros e frases de amor, que o crescimento pessoal venha junto é um bônus. Para você, que como eu é uma caçadora de histórias de amor, esse livro não é recomendado. Mas se você adora esse tipo de drama familiar, tenho certeza que se identificará facilmente.

Não posso dizer que foi uma leitura ruim de todo, mas devo ser sincera. Foi maçante e se estendeu por semanas a fio. A autora não me pegou MESMO. Faltou paixão, dinamicidade, faltou vida acontecendo rapidamente por entre as páginas. Recomendo a leitura para aquelas pessoas que não estão atrás de suspiros e que estão curtindo um tempinho de folga para relaxar. Se você, como eu, está atrás de um bom romance então não é uma boa pedida.

"(...) Odeio quando as pessoas usam a palavra 'honesto' para encobrir a sua crueldade. Você toma um conceito moral como 'honestidade', associa-o a algo ruim, e pode quase transformar um insulto em algo correto. E se somos sensíveis, vamos acreditar no insulto. Esquecemos que algo honesto pode não ser verdadeiro.(...)"
Deixo aí uma citação que simplesmente adorei e me despeço de vocês permanentemente. Foi maravilhoso resenhar para o blog esse tempo todo, mas a correria da vida não espera por ninguém. Um abraço a todos e tudo de bom para vocês!!!