Resenha: Alta Fidelidade (Nick Hornby)

quinta-feira, 26 de setembro de 2013




Título: Alta Fidelidade
Autor: Nick Hornby
Edição: 1
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2013
Páginas: 312
Tradutor: Christian Schwartz
Preço: R$ 39,00
Sinopse: Uma história sobre monogamia, relações amorosas, solidão e sensibilidade masculina, temperada por música pop, ironia e bom humor. Assim é o romance de estréia de Nick Hornby, Alta fidelidade. Em Londres, após ser abandonado por Laura Lydon, sua última namorada, Rob Fleming, dono de uma loja semifalida de discos de vinil, faz um balanço das cinco piores separações da sua vida: Alison, Penny, Jackie, Charlie e Sarah. Laura, uma advogada bem-sucedida e atraente, ficou fora da lista por não ter provocado muito sofrimento; além disso, ela o trocou por Ian, um vizinho que ouvia discos horríveis. Rob busca consolo com os balconistas de sua loja, Bary e Dick, com quem mantém conversas tipicamente masculinas sobre outras listas, dos melhores filmes — entre eles Cães de aluguel — aos melhores episódios do seriado Cheers, passando, naturalmente, pelas melhores músicas. Rob tenta sair com uma cantora americana, Marie, mas o caso não dá certo. Ele volta a encontrar Laura e decide reconquistá-la. No meio do processo, no entanto, começa a fazer uma reflexão sobre a vida aos 35 anos, as lições que ela traz e todos os compromissos e desilusões que ela implica. Narrado na primeira pessoa por Rob – um alter-ego de Nick? – Alta fidelidade é um romance de geração. Por trás do auto-retrato de um perdedor, surge uma análise fascinante da desorientação afetiva deste final de milênio, da busca pela felicidade — e pela fidelidade — a qualquer preço. 



Alta Fidelidade do Nick Hornby é um dos lançamentos da editora Companhia das Letras, confesso que me interessei pela história de imediato, pois a sinopse nos leva a entender que é um livro sobre música. 

 Rob é um britânico dono de uma loja de discos que nos conta sua trajetória amorosa. Logo no começo do livro ele faz uma lista dos cinco términos mais traumáticos para justificar para a ex Laura que o rompimento do relacionamento deles não foi tão traumático. Laura é uma advogada que está trilhando uma carreira bem sucedida e cansada do comodismo de Rob, acaba por trocá-lo por Ian, o vizinho de cima. Rob então divide-se entre o desejo de ter Laura de volta e seu ego que quer seguir em frente e não dar importância a esse fim.

Primeiro de tudo, o livro não é sobre música. É um livro sobre relacionamentos, tem referências musicais? Tem, claro, já que o personagem é dono de uma loja de música. Rob é um personagem chato, egocêntrico, egoísta, ridículo e todos os palavrões que vocês podem imaginar xingá-lo. Ele simplesmente não merece comentário acima disso. Laura por sua vez é uma mulher esperta, ela sabe quais os botões pode apertar para levar Rob a fazer o que ela quer. Nesse livro não tenho personagem preferido, pois detestei todos. Relacionamento baseado no egoísmo de ambas as partes, nenhum dos personagem principais realmente despertou minha empatia em nenhum momento.

A capa do livro é toda em azul com amarelo, na estante fica um visual realmente bonito. A diagramação também está bastante satisfatória. Enfim leiam sem grandes expectativas e voltem caso tenham a mesma opinião que eu.

8 Comentários:

Jéssica Antunes disse...

Eu esperava mais do livro também, mas a capa esta linda.

Nardonio Alves disse...

Pena que a capa é mais interessante do que o conteúdo do livro, né?!?!
Fica complicado demais gostar de uma trama em que nenhuma das personagens nos causa boa impressão. Enfim, acho que não o lerei.

@_Dom_Dom

Rossana Moraes disse...

Realmente esse livro deve ficar indo na estante, deixando-a bem colorida, mas eu não senti vontade de ler esse livro. A sinopse não me chamou atenção, a imagem da capa também não e a resenha veio confirmar. Eu não fiquei com vontade de ler.

Rossana Moraes disse...

Realmente esse livro deve ficar indo na estante, deixando-a bem colorida, mas eu não senti vontade de ler esse livro. A sinopse não me chamou atenção, a imagem da capa também não e a resenha veio confirmar. Eu não fiquei com vontade de ler. Poderia ser até que mudasse minha opinião ao ler, mas... :/

aninha disse...

comecei a ler esse livro mais por curiosidade e desisti logo. personagens sem carisma nenhum, chatos, sinopse fraca, tudo muito chato. Rob só não é mais babaca por falta de espaço e Laura é uma manipuladora nata. eu achei essa capa triste, sem nenhum atrativo. desisti de ler sem nenhum arrependimento.

Ro Angarten disse...

A sinopse me lembrou meus amigos rockeiros no final da noite, totalmente bêbados, "filosofando" sobre a vida. (Quem já ouviu um bêbado filosofar sabe do que estou falando, kkkk) E quando li sua ressenha, tive certeza que é exatamente isso de que o livro trata. Desculpa aí, mas já tenho de ouvir sobre relacionamentos e música na vida real. Esse eu deixo passar, não me interessou.

ana paula santos moreira santo disse...

Não me atraiu muito, gosto mais de romances.

Michelli Santos Prado disse...

Oi Priscila, tudo bem??
Não conhecia este livro, e realmente sua historia não me chamou a atenção, pois personagens com estas caraterísticas como a de Rob, me deixam super irritadas...Acho que este livro seria uma boa pedida mais para adolescentes,mas u relmente não leria!!
Beijocas!!

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D