Resenha: A Amante do Rei (Emma Campion)

segunda-feira, 16 de setembro de 2013



Título: A Amante do Rei
Autor: Emma Campion
Edição: 1
Editora: Record
ISBN: 9788501091918
Ano: 2013
Páginas: 546
Tradutor: Patrícia Cardoso

Sinopse: Em meio às armadilhas da corte, o amor de um monarca pode representar poder e riqueza, mas também a mais brutal das ameaças. Viúva de um mercador, dona de um segredo capaz de abalar todo o reino, a plebeia Alice Perrers é afastada da família para viver sob a proteção da rainha Filipa da Inglaterra. Porém, sua beleza e perspicácia atraem Eduardo III, e o caso de amor entre eles logo se transforma em um escândalo na corte. Condenada por todos como uma oportunista que enriqueceu manipulando um rei doente, Alice precisa lutar para defender sua honra. “Um retrato brilhante e realista de uma mulher incompreendida.” Publisher’s Weekly “Um suntuoso romance de estreia. O espírito e a atmosfera da corte de Eduardo III captados com maestria.” Lancashire Evening Post


A Amante do Rei de Emma Campion é um dos lançamentos da editora Record, quando vi a sinopse logo me interessei por ser um romance histórico e não me enganei pois a história é realmente cativante.


Alice Perrers foi ensinada desde muito nova a obedecer, filha de um mercador londrino abastado, casou aos 14 anos com Janyn Perrers, um mercador Lombardo que tinha uma relação obscura com a rainha mãe Isabel. Alice tinha um casamento feliz ao lado de Janyn até o dia que a rainha mãe faleceu e dias de escuridão recaíram sobre a família Perrers. Alice foi levada para a corte para servir a rainha e ser protegida pelo casal real Filipa e Eduardo, pois inimigos da família de seu esposo a ameaçam. Com o posterior desaparecimento de Janyn e sua morte iminente, Alice passa então a cair nas graças do Rei Eduardo, tornando-se assim a amante do rei, com o consentimento da rainha. Como mante do rei, ela goza de grandes privilégios e faz muitos inimigos, mesmo sem ter totalmente a culpa, pois apenas cumpriu aquilo que seu marido e seu rei a ordenaram. Com o Rei Eduardo, Alice tem duas filhas e um filho, que se tornam a razão de sua vida, junto com sua primeira filha Bel, provinda de seu casamento com Janyn.

Como eu previ, essa foi uma leitura bastante longa, visto que o livro tem mais de 500 páginas, porém também me foi bastante prazerosa. Alice é uma mulher governada, acima de tudo pela paixão, ela amou de todo o coração Janyn e com sua morte, passou a amar profundamente o rei Eduardo, cuidando dele até os últimos momentos de sua vida, passando pelo luto que ele contraiu por sua esposa a rainha Filipa. Uma coisa que realmente me chamou a atenção foi exatamente o profundo amor que Alice, Eduardo e Filipa mantinham um pelo outro, pois Eduardo amava a sua rainha, assim como amava a Alice, que por sua vez amava a rainha Filipa e a venerava, assim como a rainha retribuía ao amor dos dois. Essa relação poderia ser bastante esquisita se tratada de forma errada pela autora, mas foi tão delicada que eu realmente acreditei nos sentimentos nutridos pelos três personagens, principalmente em Filipa que prepara Alice para assumir o lugar que ela não poderia mais ocupar ao lado do marido. É um amor tão profundo, que a própria esposa, escolhe e acolhe a amante para mantê-lo feliz, eu sinceramente não me colocaria no lugar dela e teria a mesma atitude. Alice, por sua vez demonstra o quanto ama a sua rainha honrando-a e respeitando-a acima de qualquer coisa e apesar de deitar-se com o marido dela, sente remorso e realmente lamenta quando a rainha vem a falecer. A vida de Alice é sim muito sofrida, confesso que cheguei a ficar com o coração apertado por ela em várias ocasiões pensando que ela não alcançaria a verdadeira paz. Foi um livro que me marcou muito tanto pelas relações de afeto entre os personagens quanto pelo profundo sentimento de orgulho ao notar o quanto nós mulheres ganhamos espaço na sociedade. Uma curiosidade é a de que os personagens do livro são sim personagens reais, a história em si é fictícia.

A capa desse livro é linda, com a modelo na capa já pressentimos que a personagem nos será um mistério a ser revelado. A diagramação, apesar de não trazer nenhum detalhe está bem satisfatória. É sim uma boa aquisição para quem gosta de romances históricos.

8 Comentários:

ana paula santos moreira santo disse...

Pelo jeito a história é linda, com certeza vou ler esse livro.

Fernando Pacman disse...

Olá Priscila

Não sou dos maiores admiradores de romances históricos, mas achei bem interessante a história deste e anotei aqui, quem sabe mude minha opinião sobre estes romances.

Abraços

http://reaprendendoaartedaleitura.blogspot.com.br/

aninha disse...

wow. que intenso. é uma relação complicada a outros olhos mas que pra eles funcionou. com certeza também não me veria em uma situação assim, mas é evidente que tudo que se fez foi por amor por mais clichê que pareça. a mulher nesse tempo não tinha opção a não ser obdecer... e Alice me pareceu uma personagem tão amorosa, com sentimentos tãos honestos, que já me apeguei lendo a resenha =/ a capa é linda, bem romance de época mesmo e com qualidade. adorei a resenha.

Lucas Grima disse...

Nunca li um romance histórico. Sei um pouco da história da Mary Stuart, Rainha Elizabeth, Henrique Tudor... Faço história. hahaha


Bom, eu li a resenha e achei alguns aspectos semelhantes com aquele filme "A Outra", que a proposito é um ótimo filme. A capa realmente é muito linda e bastante chamativa. Por enquanto eu não leria por ser muito extenso, mais quando surgir a oportunidade, estará em breve na minha estante.

Rossana Moraes disse...

Eu adoro romances históricos!
Estou para ler os da Editora Arqueiro, que falam muito bem também.
Espero ler esse depois :D

Nardonio Alves disse...

Nossa! Achei bem interessante essa parte da relação entre as personagens principais. É uma situação, no mínimo, inusitada. O que acho que me incomodaria um pouco, seria essa quantidade de páginas. Mas se a narrativa for agradável, isso passa despercebido.

@_Dom_Dom

Mah Barbosa disse...

Eu amei o título, a capa e a sinopse desse livro. Amo romances históricos!
A personagem casou-se muito nova, não é? Que tempos! E esse triângulo amoroso? Fiquei curiosa com essa relação onde os três aceitam um ao outro. Pelo jeito vou gostar muito da escrita e da leitura.

Ro Angarten disse...

Eu amei a capa, mas faz tempo que não leio romances históricos. Esse vai ter de esperar bastante na minha lista de leitura, principalmente por ser um livro longo de um assunto que não é muito a minha praia.

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D