Resenha: Juliette Society (Sasha Grey)

segunda-feira, 9 de setembro de 2013



Título: Juliette Society
Autor: Sasha Grey
Edição: 1
Editora: Quinta Essência
ISBN: 9788580448078
Ano: 2013
Páginas: 236
Tradutor: Bruna Portella



Sinopse:Se eu te contasse que existe um clube secreto, cujos membros pertencem à classe mais poderosa da sociedade – banqueiros, milionários, magnatas da mídia, CEO’s, advogados, autoridades, traficantes de armas, militares condecorados, políticos, oficiais do governo e até mesmo o alto clero da Igreja Católica –, você acreditaria? Este clube se reúne sem regularidade, em um local secreto. Às vezes em locais distantes e às vezes escondidos. Mas jamais duas vezes no mesmo lugar. Normalmente, nem mesmo duas vezes no mesmo fuso horário. E esses encontros, essas pessoas... não vamos enrolar, vamos chamá-las do que são, os Mestres do Universo. Ou o Braço Executivo do Sistema Solar. Então, essas pessoas, os Executivos, usam os encontros como uma válvula de escape do cansativo e estressante negócio de estragar ainda mais o mundo e criar novas maneiras sádicas e diabólicas de torturar, escravizar e empobrecer a população. E o que eles fazem em seu tempo livre, quando querem relaxar? Deveria ser óbvio. Eles fazem sexo.



Juliette Society da Sasha Grey é um dos lançamentos da editora Leya que eu estava mais curiosa para ler, pois além de ser polêmico por conta da história, a autora também desperta curiosidade por ter feito filmes pornô.

Catherine é uma jovem que estuda cinema, tem um namorado chamado Jack com quem mora e aparentemente leva uma vida normal. Enquanto Jack estuda economia e trabalha no escritório de um político em ascensão chamado Bob, ela sonha acordada em fazer sexo com seu professor. Um dia, Catherine conhece Anna, uma colega de classe que afirma ter um caso com o dito professor e que acaba por apresenta-la a um mundo onde dor e prazer andam juntos.  Catherine é levada a conhecer, então a Juliette Society, um clube secreto onde sexo, dor, prazer e escuridão se misturam.

"Antes de irmos adiante, vamos combinar uma coisa.

Eu quero que você faça três coisas por mim.
Uma:
Não se ofenda com nada que ler a partir desse ponto.
Duas:
Deixe suas inibições à porta.
Três:
Tudo que você vir e ouvir a paritr de agora deve ficar só entre nós".


Olha, esse aviso aí do prólogo não está aí por acaso, é isso mesmo! Para ler Juliette Society é necessário ter uma cabeça bem aberta, pois o nível de pornografia está acima dos livros hot normais, eu afirmo isso não por conta da quantidade de cenas pornográficas, mas pelo conteúdo delas. É pesado? É. Tem muitas cenas de sexo? Menos do que alguns outros livros que estão no mercado. Catherine é nada menos que ninfomaníaca, não consigo descrevê-la de outra forma, apesar disso o conteúdo com que ela trata o sexo e as reflexões que a personagem levanta são válidos e bem profundos. As referências cinematográficas utilizadas, incluindo não só filmes americanos, como também o cinema considerado de arte francês, temos aí como exemplo o filme La Belle de Jour , demonstram um conhecimento profundo e grande pesquisa por parte da autora. O livro não é ruim, se você tem coragem, estômago e uma cabeça bem aberta para ver além do sexo poderá encontrar grande conteúdo e uma história surpreendente.


Esse foi um livro que eu li em formato de ebook, posso dizer que a capa é bem misteriosa e bonita, mas a tradução deixou um pouco a desejar, não por erros, mas por expressões e palavras chulas que acabaram perdendo o sentido por conta do floreio utilizado. Apesar disso, creio que vale a pena ter um exemplar desse tão polêmico livro na estante, com a ressalva de que realmente você vai terminar a leitura um pouco chocado (depois não digam que eu não avisei).

9 Comentários:

Lucas Grima disse...

"Tudo que você vir neste livro, deve ficar entre nós". OLOKO BICHO!
Logo quando os rumores para Christian Grey estava no auge, um carinha chamado James Deen foi cotado para viver o personagem nas telonas. Não sabia muito sobre esse cara antes do nome dele ser divulgado como possível escolha para o personagem. Enfim, há uns meses eu ouvi falar desse livro, só que nem dei muita moral. Daí um dia, estava no facebook e vi a notícia: "Sasha Gray vem lançar o seu livro, blá, blá, blá". Fui ver quem era a tal e lembrei que era autora do livro que eu ignorei. Descobri que ela já havia feito filmes pornôs, tive a curiosidade de ver sua performance e: CARAMBA! que surpresa. Na verdade, não uma mais duas: o carinha que estava contracenando com ela era o tal do James Deen. Lendo a resenha, e as características da protagonista concluo que a Sasha entende dos paranauê.

Neny disse...

Nossa com esta frase ja de inicio, ja fico imaginando coisas rs.
Eu gosto de ler livros eroticos, as vezes. Tenho problemas com a forma que alguns abordam, mas no geral eu acabo gostando rs.
O final ira me chocar...hum, em livros assim tudo é esperado e se algo vai me chocar..o que sera. Pretendo le lo,
beijos.

aninha disse...

acho que o fato da autora ter sido uma atriz pornô, trouxe toda essa carga em cima de Juliette Society. se é bem escrito, tá vlendo. eu li recentemente, Captive in the Dark da CJ Roberts, que também tem cenas, digamos que incomodam, bem mais gráficas que outros livros por aí. não dispensaria ler um livro assim, acho que como você apontou na resenha, as reflexões que a personagem traz obre o sexo, devem ser bem interessantes. gostei da capa, sexy e misteriosa. vou procurar ler, com certeza.

Fernanda Moraes disse...

A capa me chamou a atenção de cara! E mais ainda esse trecho do prólogo!
Tenho lido vários livros desse gênero e até gosto bastante. O fato de você dizer que pode deixar um pouco chocada me instiga mais ainda a ler, to curiosa! rs
Vou por na lista de próximas leituras! :))

ana paula santos moreira santo disse...

Esses livros não fazem meu estilo, gosto mais de romances. Mas para quem gosta, boa leitura.

Jéssica Antunes disse...

Fiquei super curiosa, intrigada e louca para ler kkkk

"Antes de irmos adiante, vamos combinar uma coisa.

Eu quero que você faça três coisas por mim.

Uma:

Não se ofenda com nada que ler a partir desse ponto.

Duas:

Deixe suas inibições à porta.

Três:

Tudo que você vir e ouvir a partir de agora deve ficar só entre nós".



UAUUUUuuu

Rossana Moraes disse...

Nossa, deve ser um livro realmente muito pesado!
Na verdade eu não curto livros assim e a capa desse também não me chamou atenção, não é um livro que fiquei com vontade de ler sabe... ?

Mah Barbosa disse...

Adorei a resenha. Pelo jeito a autora deve ter tirado algumas coisas de sua experiência própria também, não?
Achei muito legal o prólogo e realmente, se lermos de mente aberta podemos captar a essência da escrita da autora e uma ótima trama.

Ro Angarten disse...

Fiquei curiosa para ler esse livro desde que vi a entrevista dela no Agora é Tarde (sim, eu assisto Danilo Gentili, kkkkkkkkk). Acho que como o tema está na moda, devemos aproveitar para tirar o tabu sobre esse tipo de literatura. E claro que o livro dela seria polêmico, ela não poderia querer menos, já que ela mesma já quebrou os tabus na própria vida. Esse já esta na minha pequena (cof,cof) lista de leitura.

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D