Resenha: Juliette Society (Sasha Grey)

segunda-feira, 9 de setembro de 2013



Título: Juliette Society
Autor: Sasha Grey
Edição: 1
Editora: Quinta Essência
ISBN: 9788580448078
Ano: 2013
Páginas: 236
Tradutor: Bruna Portella



Sinopse:Se eu te contasse que existe um clube secreto, cujos membros pertencem à classe mais poderosa da sociedade – banqueiros, milionários, magnatas da mídia, CEO’s, advogados, autoridades, traficantes de armas, militares condecorados, políticos, oficiais do governo e até mesmo o alto clero da Igreja Católica –, você acreditaria? Este clube se reúne sem regularidade, em um local secreto. Às vezes em locais distantes e às vezes escondidos. Mas jamais duas vezes no mesmo lugar. Normalmente, nem mesmo duas vezes no mesmo fuso horário. E esses encontros, essas pessoas... não vamos enrolar, vamos chamá-las do que são, os Mestres do Universo. Ou o Braço Executivo do Sistema Solar. Então, essas pessoas, os Executivos, usam os encontros como uma válvula de escape do cansativo e estressante negócio de estragar ainda mais o mundo e criar novas maneiras sádicas e diabólicas de torturar, escravizar e empobrecer a população. E o que eles fazem em seu tempo livre, quando querem relaxar? Deveria ser óbvio. Eles fazem sexo.



Juliette Society da Sasha Grey é um dos lançamentos da editora Leya que eu estava mais curiosa para ler, pois além de ser polêmico por conta da história, a autora também desperta curiosidade por ter feito filmes pornô.

Catherine é uma jovem que estuda cinema, tem um namorado chamado Jack com quem mora e aparentemente leva uma vida normal. Enquanto Jack estuda economia e trabalha no escritório de um político em ascensão chamado Bob, ela sonha acordada em fazer sexo com seu professor. Um dia, Catherine conhece Anna, uma colega de classe que afirma ter um caso com o dito professor e que acaba por apresenta-la a um mundo onde dor e prazer andam juntos.  Catherine é levada a conhecer, então a Juliette Society, um clube secreto onde sexo, dor, prazer e escuridão se misturam.

"Antes de irmos adiante, vamos combinar uma coisa.

Eu quero que você faça três coisas por mim.
Uma:
Não se ofenda com nada que ler a partir desse ponto.
Duas:
Deixe suas inibições à porta.
Três:
Tudo que você vir e ouvir a paritr de agora deve ficar só entre nós".


Olha, esse aviso aí do prólogo não está aí por acaso, é isso mesmo! Para ler Juliette Society é necessário ter uma cabeça bem aberta, pois o nível de pornografia está acima dos livros hot normais, eu afirmo isso não por conta da quantidade de cenas pornográficas, mas pelo conteúdo delas. É pesado? É. Tem muitas cenas de sexo? Menos do que alguns outros livros que estão no mercado. Catherine é nada menos que ninfomaníaca, não consigo descrevê-la de outra forma, apesar disso o conteúdo com que ela trata o sexo e as reflexões que a personagem levanta são válidos e bem profundos. As referências cinematográficas utilizadas, incluindo não só filmes americanos, como também o cinema considerado de arte francês, temos aí como exemplo o filme La Belle de Jour , demonstram um conhecimento profundo e grande pesquisa por parte da autora. O livro não é ruim, se você tem coragem, estômago e uma cabeça bem aberta para ver além do sexo poderá encontrar grande conteúdo e uma história surpreendente.


Esse foi um livro que eu li em formato de ebook, posso dizer que a capa é bem misteriosa e bonita, mas a tradução deixou um pouco a desejar, não por erros, mas por expressões e palavras chulas que acabaram perdendo o sentido por conta do floreio utilizado. Apesar disso, creio que vale a pena ter um exemplar desse tão polêmico livro na estante, com a ressalva de que realmente você vai terminar a leitura um pouco chocado (depois não digam que eu não avisei).