Resenha: O Chamado do Anjo (Guillaume Musso)

terça-feira, 24 de setembro de 2013


Edição: 1
Editora: Verus
ISBN: 9788576861805
Ano: 2013
Páginas: 336
Tradutor: André Telles
Sinopse - O Chamado do Anjo - Guillaume Musso
Nova York, Aeroporto JFK. Na sala de embarque lotada, um homem e uma mulher se esbarram, espalhando suas coisas pelo chão. Após uma discussão banal, cada um segue seu caminho. Madeline e Jonathan nunca haviam se visto e jamais deveriam voltar a se encontrar. Porém, ao recolher seus pertences, trocaram por descuido os celulares. Quando percebem o engano, já estão a dez mil quilômetros um do outro - ela é florista em Paris, ele tem um restaurante em San Francisco. Não demora muito para ambos cederem à curiosidade, explorando o conteúdo dos respectivos aparelhos. Uma dupla indiscrição, que leva a uma revelação inesperada - suas vidas estão ligadas por um segredo que eles julgavam enterrado para sempre...

Assim que a Editora Record lançou as opções do mês eu fiquei dividida entre vários títulos mas confesso que o nome de Guillaume Musso foi decisivo para minha escolha. Do mesmo autor eu já li "Socorro", que é maravilhoso, diga-se de passagem. Mas vamos ao lançamento da Verus, O Chamado do Anjo. 

"...Voltou a pensar em como haviam se conhecido. Nada teria acontecido se não tivessem trocado os celulares por descuido. Se ela tivesse entrado naquela cafeteria trinta segundos mais cedo ou mais tarde, nunca teriam sabido da existência um do outro. Estava escrito. Um estranho golpe do destino, que escolhera aproximá-los num momento decisivo. O chamado do anjo, como dizia sua avó..." Página 231

A sinopse nos remete a um casal que se esbarra no aeroporto de Nova York e após um encontrão, trocam os celulares por descuido e quando se dão conta já estão a mais de dez mil quilômetros de distância um do outro. Eles não se conhecem, nunca se viram na vida mas existe algo em comum entre eles que irá nortear essa trama sensacional desenvolvida por Guillaume Musso. 

Jonathan já foi o "melhor cozinheiro do mundo", com apenas 25 anos tornou-se o mais jovem chef francês a ganhar três estrelas no Guia Michelin. Após um acontecimento, o chef declarou falência, divorciou-se e agora é dono de um singelo restaurante em São Francisco que não serve nada mais complicado do que um bife com batatas fritas. 

Já Madeline é uma mulher de personalidade forte, sem papas na língua, que é um tanto quanto ferina e curiosa até a alma, é noiva de Raphael, um famoso engenheiro, e possui uma simpática floricultura em Paris. 

Madeline está voltando de férias para casa e Jonathan está pegando o filho para passar as festas de final de ano com ele, quando os dois se esbarram, literalmente, em uma cafeteria, causando a troca dos celulares. 10 mil km depois, quando eles percebem, começam a trocar farpas através de SMS e eu não sei dizer qual dos dois é mais ignorante. Algumas mensagens são inevitáveis de serem vistas, então cada um começa a invadir a privacidade do outro e acabam por descobrir seus segredos mais profundos. Um segredo do passado que ambos compartilham e juravam ter enterrado para sempre, de repente vem à tona e novos fatos começam a ressurgir das cinzas. Madeline e Jonathan vão precisar da ajuda um do outro para tentar aparar as arestas que restaram dessa intrincada teia.

"-Você florista, certo? Em caso afirmativo, você tem uma encomenda urgente de um tal Oleg Mordhorov: 200 rosas vermelhas a serem entregues no Teatro du Chatelet para a atriz que se despe no terceiro ato. Ca entre nos, duvido que seja a esposa dele... 
- Com que direito escutou minha secretária?
- Ora, para lhe fazer um favor, sua anta!
- Vejo que é tão grosseiro em suas mensagens quanto em suas falas! Quer dizer que tem um restaurante, Jonathan?
- Tenho.
- Nesse caso, sua birosca tem uma reserva..." Página 28.

Gente, o que posso falar desse livro sem contar muito do enredo? Difícil. Guillaume Musso começa o livro sem grandes pretensões, eu sinceramente não esperava nem a metade do que esse livro foi para mim. Eu achava que iria ser só mais um romance, mas é muito mais do que isso. O autor consegue transmitir os sentimentos dos personagens de forma tão real que há momentos em que parece que está sentado ao nosso lado contando a história, que é narrada, em muitos momentos, simultaneamente em Paris e São Francisco, em terceira pessoa, onde podemos ter o ponto de vista de diversos personagens.

"Durante alguns segundos, mostraram-se unidos numa harmonia perfeita. Um fascinio, um flash, um instinto de vida. Avaliando o cami- nho e os riscos para chegarem até o outro, haviam sido de fato obrigados a admitir que eram twin souls, almas gemeas que se haviam reconhec- doe caminhado para alcancar a mesma destinacao. Agora, havia entre eles como uma evidencia, um impulso, uma quimica. Um sentimento primitivo que remontava aos medos e esperancas da infancia. A certe- zavertiginosa de estar finalmente diante da pessoa capaz de preencher o vazio, calar os medos e curar as feridas do passado." 230

Musso criou personagens complexos que a cada momento dão revelações que o leitor nem sequer ousou imaginar, deixando-nos literalmente de boca aberta. O Chamado do Anjo tem de tudo: romance, suspense, assassinatos, traições, mentiras e um mistério que o leitor só consegue descobrir um pouco antes do final e cada vez que você pensa uma coisa ele vem e insere outro fato na história capaz de mudar tudo. 

A interseção dos mundos de Jonathan e Madeline é o ponto alto da história, é quando o leitor já foi completamente fisgado e já não consegue mais largar o livro até descobrir o que aconteceu, como aconteceu e por quê aconteceu. A história fica ainda melhor a partir da segunda parte do livro, que é dividido em três. 

A capa é linda e a diagramação está incrível, pois a Editora teve o cuidado de manter os formatos de emails, mensagens de texto, incluindo os balõezinhos dos smartphones, matérias de jornal, wikipédia, etc. 
Uma coisa que me chamou a atenção foi que o tradutor respeitou algumas expressões e não as traduziu no texto, as colocou como notas de rodapé, porque sabemos que há expressões que só fazem sentido em seu idioma original. Mas em contrapartida, algumas expressões em russo foram sequer traduzidas em notas de rodapé, o que me deixou um pouco chateada. Algumas expressões em inglês também não foram traduzidas, para mim não foi problema, mas acredito para uma pessoa que não entende a língua inglesa deva ser um pouco desconfortável. No mais, não achei erros de português, digitação e nem nada do tipo. Leitura super hiper mega ultra master recomendada. Se tornou favoritinho! s2 


6 Comentários:

Jéssica Antunes disse...

Confesso que nnão tinha ido muito com a cara da capa, mas fiquei sem folego com a sua resenha, quero ter o prazer de ler sim.Obrigada pela dica

Mah Barbosa disse...

Adorei a resenha. Quando você começa a citar que o Jonathan é um jovem chef, achei que seria um leitura bem levinha, mas continuei a ler a resenha e me surpreendi e estou curiosíssima com o desenrolar da trama, com o Jonathan e a Madeline.
É ótimo quando vamos nos intrigando pela leitura, tentando juntar pistas e quando temos certeza de que já sabemos o que pode ser o autor vem e nos mostra o quanto estávamos totalmente errados.

Nardonio Alves disse...

Confesso que pela capa e título, não dava nada pelo livro. Gosto quando os autores conseguem contar as histórias de duas personagens diferentes, e depois as unem nos mostrando que na verdade é uma só. Fiquei bem curioso pra saber essa ligação entre essas personagens. Espero que consiga ler em breve.

@_Dom_Dom

Rossana Moraes disse...

Para falar a verdade eu não curti muito a capa...
Mas vendo a resenha eu gostei muito do que o livro se trata. Fiquei aqui imaginando se acontecesse comigo de trocar o celular com outra pessoa, rsrsrs.
Espero gostar da história tanto quanto você :D

aninha disse...

eu vi você falar desse livro no twitter Dana, já fiquei curiosa pra ler! muito interessante esse lance da troca dos celulares, como os personagens se conhecem sem praticamente nem se verem, Jonathan e Madeline são personagens maduros e com personalidades diferentes mas que o autor soube mesclar muito bem. essa capa é bem legal, gostei desse mistério, desse segredo que une os personagens. vou procurar por esse livro o quanto antes =)

Ro Angarten disse...

Estou doida para ler esse livro. Quando ganhei Garota de Papel, confesso que não dei muita moral para o livro, até começar a ler! Esse autor é maravilhoso, fiquei presa naquele livro do começo ao fim. E pelo que vi dessa resenha, esse não fica a desejar. Já está na minha lista. Esse é uma autor que não podemos julgar pela capa ou pelo título, porque ele sempre nos surpreende.

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D