Resenha: A Submissa - Trilogia A Submissa #01- (Tara Sue Me)

sábado, 28 de dezembro de 2013



Título: A Submissa
Autor: Tara Sue Me
Edição: 1
Editora: Record
ISBN: 9788501404046
Ano: 2013
Páginas: 272
Tradutor: Ryta Vinagre

Sinopse: O poderoso empresário Nathaniel West precisa saciar suas fantasias secretas e busca uma mulher com quem realizar seus desejos mais primitivos. Ao saber que ele está à procura de uma nova submissa, Abigail King, movida por um segredo do passado, não hesita em se candidatar, aceitando os termos mais perversos do sedutor Nathaniel e deixando-se levar por um mundo de luxúria e submissão, onde não há limites para o prazer. Mas nenhum dos dois imagina que esse jogo pode despertar sentimentos e sensações incontroláveis.



            A Submissa da Tara Sue Me é o primeiro volume da trilogia submissa (composta por A Submissa, O Dominante e O Treinamento) e que foi publicado aqui pela editora Record.  Quero dizer que tem anos que eu espero a publicação desse livro, pois essa história é bem antiga e sim, a senhora E.L.James autora daquele livro Cinquenta Tons de Cinza,  sabe?  Ela mesma, se inspirou nessa história aqui para escrever a dela, ou seja antes de sair por aí dizendo que A Submissa foi inspirado em Cinquenta Tons, procure se informar por que foi o contrário e A Submissa é mil vezes melhor.
            Nathaniel West é um empresário rico, famoso e bem sucedido que esconde certas preferências sexuais. Quando Abigail King se candidata a ser sua submissa mesmo sem ter experiência nesse tipo de relação, Nathaniel aceita treiná-la. A relação dos dois, porém começa a evoluir para um pouco mais que um acordo. A melhor amiga de Abby, começa a namorar o irmão de Nathaniel, a família e os amigos dele concordam que ela é perfeita para ele, mesmo que não saibam que a relação dos dois é apenas entre um Dominante e sua Submissa. Nathaniel controla a alimentação, sono e rotina de exercícios de Abigail, mas ele não consegue controlar seu coração.

            Primeiro quero dizer que se você procura um livro onde o dominante tem problemas sexuais ou foi abusado na infância e por isso escolheu esse lado “bizarro” de fazer sexo, não leia esse livro. Nathaniel não tem nenhum problema sexual, não foi abusado, não foi maltratado, nem nada do tipo. Ele perdeu os pais logo cedo e foi criado pela tia, mas isso só fez com que ele ficasse introspectivo, isso não tem nada a ver com o fato dele gostar de BDSM. Já Abby não tem problemas de autoestima, não teve problemas de abandono dos pais, nem nada do tipo, ela escolhe ser controlada , ser submissa, pois em sua vida sexual ela não estava satisfeita, sempre ficava um vazio, ela nunca conseguia ter uma relação normal, pois isso não a satisfazia. Daí vocês já devem ter a certeza que esse é um verdadeiro manual do mundo BDSM (visto pelo lado de dentro, pois a autora realmente pratica BDSM, ela é uma sub sim). Tem sexo? Tem. Mas de todos os livros BDSM que eu já li, e eu já li uma quantidade considerável, esse foi o único que tratou do tema com respaldo e seriedade. Podemos comprovar que a relação entre o Dom e sua Sub pode ser puramente sexual, como pode ter sentimento e que sim é uma relação totalmente saudável dentro de sua normalidade. Nathaniel a todo tempo deixa claro para Abby que só irá até onde ela permitir e que a relação entre o Dom e sua Sub tem que ser de total confiança, e que essa é a base desse tipo de relação. Para quem leu a fanfic, sim era uma fanfic e isso não tira nem um pouco os méritos do livro, a autora mudou alguns detalhes sem mexer no original.

            Eu gosto da capa, apesar de achar que as capas dos próximos dois volumes tem mais a ver com a história. Gostei bastante, também, da diagramação que está com letra no tamanho certo e folhas amarelas. Espero voltar em breve para falar dos dois próximos volumes dessa trilogia que já ganhou meu coração há anos atrás e está ganhando novamente.