Resenha: Enfeitiçados pelo Desejo (Sylvia Day)

terça-feira, 25 de março de 2014



Título: Enfeitiçados pelo Desejo
Autor: Sylvia Day
Edição: 1
Editora: LeYa Quinta Essência
ISBN: 9788580449174
Ano: 2014
Páginas: 160

Sinopse: Quando magia e desejo se unem, tudo pode acontecer. Max, um poderoso feiticeiro. Victoria, uma bruxa selvagem capaz de se transformar. Ele deve caçá-la e submetê-la a seus desejos antes de entregá-la ao Conselho Superior dos Feiticeiros, mas algo impensável o obriga a mudar de planos. Uma ligação inesperada faz com que desenvolvam um poderoso vínculo, ainda que Max ignore a força dos poderes de Victoria. Juntos devem enfrentar o perigoso Triunvirato, três irmãos responsáveis pelo desaparecimento de um antigo amor de Victoria. Em Enfeitiçados pelo desejo, a luta contra a magia negra se mistura à crise que as responsabilidades de Max como Caçador e a submissão involuntária de Victoria geram para o relacionamento. Serão as forças do mal mais poderosas do que um grande amor? Sylvia Day, autora best-seller do The New York Times, está de volta com um romance original que mistura fantasia e paixão para contar a história de dois poderosos feiticeiros que lutam por sua sobrevivência unidos por um intenso e profundo sentimento.

Enfeitiçados pelo Desejo foi escrito pela Sylvia Day e publicado no Brasil pelo selo Quinta Essência da Editora Leya. Esse livro é volume único, ou seja, não tem continuação e não pertence a nenhuma série, o que eu achei bem estranho e vou explicar a vocês depois.


            Victoria é uma Familiar que perdeu seu companheiro bruxo, Darius, e após alguns séculos está dando muito trabalho para o Conselho de Bruxos, se tornando quase selvagem e cometendo algumas loucuras sozinha. Quando ela conhece o caçador Max Westin que veio até ela para domá-la, entrega-la ao conselho para que eles possam emparelha-la com outro bruxo, Victoria sente o que nunca sentiu um desejo incontrolável e a vontade irresistível de se submeter a esse caçador perigoso e quente.

            Ok, temos alguns conceitos aí para explicar sobre esse livro. O que é um familiar? Um familiar é uma espécie de bruxa que pode se transformar em animal, elas se emparelham com bruxos e “limpam” a magia negra que os ronda através de relações sexuais. Os Familiares precisam estar emparelhados por conta de sua natureza submissa. Como Max pretende domar Victoria? Bem, um caçador é enviado para resgatar uma Familiar da seguinte forma: ele vai manter uma relação Sub/Dom com ela e quando ela proferir a frase “Eu preciso de você” ela passa a usar uma coleira mágica que só é visível para os bruxos que indicam que aquela familiar está domada e tem dono. No caso das relações entre caçadores e caçados, após conseguirem submeter suas vítimas os caçadores entregam as familiares ao conselho para que elas possam ser emparelhadas com outros bruxos.

            Vamos falar um pouco então sobre a história: Victoria é uma Familiar diferente, antes de morrer Darius passou seus poderes para ela, então ela é mais poderosa do as demais. Quando ela conhece Max de primeira ela já sente um formigamento ~daquele jeito~ e sente que precisa leva-lo para cama. Max é uma espécie em extinção, lindo, poderoso e ele pode ficar nu com um balançar de mãos (gente, cadê um desse pra mim?), quando ele conhece a Victoria ele sente por ela mais do que pretendia.

            A trama é recheada de sexo (claro, muito sexo por que o Max é uma máquina, gente ele não para é uma atrás da outra, adoro), muita magia, ciúmes, aventura, mistério e sedução. O modo como o livro está dividido que deixa um pouco a desejar, são capítulos que dão uma passagem de tempo e que por vezes nos deixam um pouco confusos e o final principalmente: gente é em aberto, até agora eu não acredito que o livro não tem um final (não sei se foi o meu ebook que não veio completo kkkkk ou se a Sylvia escreveu assim mesmo) e o pior o livro não tem continuação.

            Eu li em ebook e a diagramação estava ok, já a capa eu acho uma das mais bonitas dentre os livros publicados no Brasil da Sylvia Day e sim achei muito mais bonita que a capa gringa.