Semana Especial Silo: Autopublicação não é desmerecedor por Mateus Lins

terça-feira, 8 de abril de 2014



 Oi gente, então mergulhando um pouquinho mais no universo de Silo, hoje nós vamos falar sobre autopublicação que foi o recurso que o autor Hugh Howey usou para lançar seus livros e para isso, hoje o Feed Your Head convidou o autor Mateus Lins para falar um pouco sobre o assunto para vocês. 

Autopublicação não é desmerecedor

Nunca se leu e escreveu tanto quanto atualmente. Talvez seja este um pensamento que provoque questionamentos e até consideravelmente estranho para dar início a esta publicação, entretanto, ele é verídico.

Na atual sociedade em que vivemos cercados pela conectividade das redes sociais, estamos continuamente exercitando a escrita e exercendo o processo da leitura. Sim, de fato, isso como um todo não reflete o âmago literário da coisa, mas reflete uma evolução do leitor contemporâneo. Uma leitura rápida e imediata que corre na mesma velocidade do fluxo de informações.

Realizar essa análise nos permite trazer o foco da produção de literatura.

Sempre estivemos cercados de escritores e exatamente em decorrência de adventos tecnológicos, cada um pode, por si só, chegar a uma publicação através de mídias como Amazon e Wattpad. Aqui novos escritores encontram novos leitores e novos leitores novas obras para debater a respeito e esboçar suas opiniões dotadas de subjetividade ou até mesmo suas críticas, dotadas de um posicionamento científico sobre o texto.

Portanto, publicar, imprimir o livro não é uma tarefa tão árdua assim. O complexo é transformá-lo em um diferencial dentro de um mercado cada vez mais competitivo e saturado.

Para tal tarefa, autores e editoras utilizam-se do mecanismo do próprio fluxo conectivo que nos rodeia em computadores, televisores, celulares e outras tantos aparelhos que dominam nosso cotidiano. E com divulgações diferenciadas, voltadas para públicos exatos, criativas e mergulhadas em técnicas persuasivas algumas empresas e alguns escritores tem atingido êxito com seu produto e seu trabalho.
As mídias têm aproximado leitores e autores. É possível conversar, tirar dúvidas, debater as obras que se lê diretamente com quem as escreveu. Um advento fantástico!

E, no final das contas, quando realizado o uso dos pesos e contrapesos, podemos enxergar que em muitos casos a perspectiva de autores publicados em editoras tradicionais acaba aduzindo a mesma realidade de autopublicados. O mercado é exigente e o autor, se não estiver em uma grande editora ou não for um best-seller deve realizar das funções, as mais distintas para vender seu produto e atingir seu objetivo para com seu público.

Em meio a tudo isso, muitos se questionam: quais os benefícios da autopublicação?

A autopublicação revela inúmeras vantagens, o que desmitifica o pensamento estereotipado de que os aspectos negativos sobrepõem-se aos positivos. No entanto, aqui desbravaremos dois itens que merecem destacada atenção. O primeiro, o trabalho com a imagem e o impulso de mercado e o segundo, o quesito financeiro.

Autores que pagam para publicar a própria obra ou que a sobem em arquivo para transformá-la em e-Book e comercializá-la, podem ter um pouco mais de dificuldade para inserção de seu produto no mercado que autores que estão aliados a uma editora. No entanto, sabendo fazer uso dos meios corretos, esses autores podem se mostrar fortes frente a isso, pois ter uma obra publicada credencia um mundo de outras novas portas. E através delas formam-se contatos, formam-se eventos, formam-se amigos e novos leitores. E a partir disso, uma autopublicação permite que exista um crescimento proativo da imagem do autor e de sua respectiva obra possibilitando que, futuramente haja a possibilidade de novas obras atingirem maior repercussão e o colocarem em uma posição mais elevada que a do ponto de partida.

Mas salienta-se que para que possibilidades boas surjam, é necessário o autor que publica a si mesmo, atentar a alguns cuidados na hora de colocar seu livro no mercado, como procurar dar a ele uma boa revisão, fazer com que ele passe por críticas antes de ser impresso, dar ao livro uma boa capa e com essas técnicas torna-lo mais vendável.

Outro benefício a ser destacado, resume-se no lucro. Na autopublicação, todo o lucro é do autor. Isso tem seus riscos, é verdade, pois com uma vendagem não elevada resultará o prejuízo pecuniário. Tal assunto leva ao questionamento de que também é necessário total atenção do autor para com a editora com a qual está assinando contrato, pois temos que salientar que existem dentro do mercado editorial pessoas e empresas desonestas.

No entanto, o que podemos ver íntimo ao debate sobre lucro é uma questão objetiva contra uma questão subjetiva.

A subjetiva: o livro como um sonho pessoal da pessoa do autor.
A objetiva: o investimento, a instrumentalidade do livro na forma de produto.

Quando elevamos questionamentos sobre ambos quesitos, debruçamo-nos sobre uma intrínseca indagação pessoal de todo autor que deverá financiar sua publicação: quanto vale o meu sonho?

Particularmente, acredito que transformar os rascunhos, as ideias e todo o processo de catarse envolvido no processo criativo da obra em algo tangível, é de valor incomparável. Portanto, sou um dos credores de que realizar uso da autopublicação é uma estratégia válida. Pois o livro permitirá momentos únicos, felicidades incalculáveis e tão indescritíveis que nem os melhores contistas as colocariam em palavras. Realizar o evento de lançamento e ter seu trabalho lido e criticado é algo completamente ímpar.

Para finalizar, enxergamos a autopublicação como uma atividade crescente dentro do competitivo e voraz mercado editorial. Mas, mais do que isso, enxergamos nela uma vertente de revelação de novos talentos que surgem totalmente desconhecidos e provam suas competências frente um público leitor.

Sim, autopublicação, como o título diz, não é desmerecedor, muito pelo contrário. Autopublicação é um caminho a mais a ser trilhado para um objetivo em comum de todos os sonhadores autores que preenchem as prateleiras do quarto de algum leitor.

A você, escritor publicado ou em pretensão de ser publicado, fica meu desejo de todos os melhores ventos em sua grande e prazerosa jornada literária.

Grande Abraço!
Mateus Lins


 Para expandir o debate escute esse o LiterárioCast #31, onde eu (Mateus Lins) juntamente Rafael Franças e Vanessa Bosso discutimos sobre o papel da autopublicação: http://literariocast.com/literariocast-31-autopublicacao-nao-e-desmerecedor/

9 Comentários:

Lucas Goulart Duarte disse...

Ótimo texto!


Tenho um conhecido que está publicando um livro próprio. Ele mesmo me contou todas as dificuldades que está passando e neste texto li TODAS.
Felizmente ele não desiste, pq é um sonho dele :)

Pamela Liu disse...

Parabéns pelo texto.
O namorado da minha prima conseguiu publicar seu livro no ano passado e durante a sua jornada ele contava as dificuldades que ele precisou enfrentar.
É um caminho bem árduo, mas ele está bastante satisfeito com os resultados.

Tamiris Leitão disse...

Adorei o seu texto Matheus. Concordo com tudo o que você falou. Meu pai está passando exatamente por isso. Ele tem alguns livros e está querendo se autopublicar, mas sabe a dificuldade que está acontecendo, porém não desiste pois é o seu sonho de ter sua história contada ao mundo.


Aos poucos ele vai conseguindo, pois uma editora pequena (Andross) escolheu um conto dele para participar de um livro de contos publicado, e ele ficou imensamente feliz, porque é a primeira vez que verá seu texto chegar a mãos. E aos poucos ele vai conseguindo seu espaço no mundo literário, que como você mesmo disse: Está cheio.


Mas acho que quando fazemos aquilo que amamos, não existe tantas dificuldades. E o resultado é satisfatório no final.

aninha disse...

mesmo com o mercado tão acirrado, também concordo que a autopublicação tenha e muita suas vantagens. o autor de Silo é um exemplo. acredito que seja uma mistura de sorte, com um diferencial, algum carisma que chame atenção do leitor principalmente. é complicado... mas é super válido! texto super coerente, adorei!

Jéssica Maria disse...

Ótimo texto! !

O texto mostra que se tornar um autor de sucesso é difícil, mas que está ficando cada vez mais fácil com as novas ferramentas tecnologicas, que hoje em dia vc pode publicar sim seu livro e fazer sucesso basta ter talento e saber divulgar da forma correta, como o desse autor, que eu quero muito ler o livro .

Fábrica dos Convites disse...

É muito complicado mesmo. Minha prima está tentando publicar o dela, continuo torcendo para que consiga.
Bjs, Rose

Jack Moura disse...

incrivel o texto! acho q se alguem tem o sonho de ter a sua historia publicada.. deve sim ir atras! e nos leitores temos a obrigaçao de nao termos preconceitos com esse tipo de livro, pq muitas vezes a historia e maravilhosa e so pq n esta associada a determinada editora, nos nem mesmo damos a oportunidade para conhcer

Brunna Laryssa disse...

Concordo totalmente que não devemos desmerecer os autores que se auto publicam. Eu, particularmente, adoro comprar livros na Amazon, principalmente por saber que estou ajudando a realizar o sonho daquele autor.

Há poucos dias, descobri o Wattpad, e como boa leitora de fanfics, adoro essa dinâmica de poder comentar a cada capítulo, de poder fazer parte da crítica daquele autor, e saber que ele respeita a minha opinião.

A autopublicação é também um caminho para conseguir um contrato com editoras... já vi isso acontecer muuuuuitas vezes, tanto lá fora quanto aqui.

Texto muito bom! Adorei!

Michelli Santos Prado disse...

Olá Mateus, tudo bem??
Realmente estou espantada e encantada com tua escrita e com esta tua postagem!!Achei super bacana saber mais sobre o tema, creio que realmente deve ser uma forma mais difícil de publicação, mas atualmente tanto pelos blogs ou por divulgação das redes sociais sempre acabamos sabendo e conhecendo livros e autores!!

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D