Resenha: A Guerra dos FAE – Chamado às armas - Livro #02 (Elle Casey)

segunda-feira, 16 de junho de 2014


Capa_Guerra_dos_Fae_vol02_FIN.indd


A Guerra dos Fae – Chamado às armas – vol.2
Autora: Elle Casey
Tradução: Ana Death Duarte
Págs: 368
ISBN: 9788581302270
Selo: Geração Jovem
Sinopse: Chegou a hora da guerra no segundo volume da série "A Guerra dos Fae! Em Chamado às Armas", os Fae da luz são convocados a fazer uma importante mudança e treinar seus dons mágicos para enfrentar os Fae das Trevas. Jayne Sparks e seus amigos Spike, Chase, Finn e Becky estão na iminência de uma guerra sangrenta e devem sofrer uma mudança, como crianças trocadas, para serem membros dos Fae da Luz com identidades mágicas. Poderão se transformar em elfos, ninfas, daemons, íncubos, anões e duendes verdes, querendo ou não aceitar suas novas identidades, desapontando-se com elas ou não. Como será resolvida a questão entre os Fae da Luz e os Fae das Trevas? Serão Jayne e seu grupo de amigos capazes de dar conta de uma missão tão espinhosa? Muitas respostas a estas perguntas, e outras tantas que foram provocadas pelo primeiro volume da série, serão respondidas aos leitores. E surgirão novos e fascinantes enigmas.

Se existe um ramo da literatura que, embora esteja em evidência há muito tempo, não dá mínimos indícios de perder fôlego, sem dúvida são os “Young Adult de Fantasia”. Marcado por sucessos como as de Percy Jackson (Rick Riordan) e Harry Potter (J. K. Rowling), não é nada raro encontrarmos alguma nova saga de jovens aventureiros que, de repente, se veem metidos em uma busca fantástica, enfrentando vários desafios mas nunca deixando de lado o seu lado adolescente.


Imbuída desse sentimento, a americana Ellen Casey, um fenômeno no que diz respeito a venda de e-books no Amazon, decidiu aventurar-se nessa promissora área de literatura, lançando a trilogia Guerra dos Fae e oferecendo aos fãs mais uma opção de saga a ser lida.

Guerra dos Fae – Chamado às Armas é o segundo volume da saga que teve por seu antecessor As Crianças Trocadas, também lançado no Brasil pela Geração Jovem, selo da editora Geração Editorial. Nesse primeiro livro somos apresentados a jovem Jayne Sparks e a seu melhor amigo Tony Green. Enquanto Jayne é a típica adolescente em descoberta – linguaruda, e rebelde - , Tony é o seu oposto, sendo mais tímido e educado. Quando Tony descobre que Jayne fora assediada pelo padrasto, o jovem convence sua amiga que o melhor a se fazer era fugir de suas vidas, indo morar em Miami. Chegando lá, eles acabam sendo selecionados por uma escola que os direciona a uma misteriosa floresta – o lar dos Fae, criaturas sobrenaturais como fadas, e anjos.

Chamado às Armas, segundo livro da série, mostra o desenvolvimento de Jayne e Tony em sua nova realidade, a de conviver com os Fae da luz. Nesse ponto da história, eles acabarão tendo que desenvolver mais e mais suas capacidades para ajudar os Fae da luz em uma iminente batalha que será travada contra seus antagonistas, os Fae das trevas. Assim, para alcançarem o seu máximo de poder, eles terão de se tornar realmente Faes, adotando inclusive formas diferentes da de humanos até então usadas. E em meio a toda a fantasia envolvida na história, há ainda espaço para as relações interpessoais dos personagens, tão bem trabalhadas nos Young Adults. Nesse caso, Tony decide se afastar dessa realidade por se julgar inábil ao combate e as exigências físicas que lhe aparecem ao se tornar um guerreiro Fae. Isso afeta diretamente Jayne, que passa a se tornar uma pessoa triste e desamparada.

Assim, o livro segue com essas situações: será que o grave impasse existente entre os Fae da Luz e das Trevas será resolvido e, se a única forma de resolvê-lo for mesmo a guerra, poderão Jayne, Tony e os outros superar seus desafios? Ainda, como Tony se resolverá diante de sua nova realidade? Conseguirá ele se firmar como um guerreiro Fae? E como Jayne ficará com nisso tudo? E qual o verdadeiro segredo que os Fae parecem não fazer questão de responder?

O enredo do segundo livro é bem mais simples que o do primeiro, não tendo lá grandes reviravoltas (saber que Jayne estava sendo molestada no início do primeiro volume me arrancou alguns palavrões). Achei que a autora deixou muitas pontas soltas para o desfecho da série (na verdade a trilogia já foi escrita e está disponível em inglês, mas prefiro esperar pela edição nacional para ver qual será o desfecho disso tudo) que podem atrapalhar um pouco no encerramento da trama. Mas isso não torna o livro chato; para quem gosta do estilo é uma ótima pedida.