Resenha: Sangue (K.J Wignall) Trilogia O Vampiro de Mércia #01

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Edição: 1
Editora: Bertrand Brasil
ISBN: 9788528618655
Ano: 2014
Páginas: 224
Tradutor: Marsely de Marco Martins Dantas
Sinopse - Sangue - Trilogia O Vampiro de Mércia, Vol. 1 - K.J. Wignall
"Blood" (Mercian Trilogy #1) — 1256. Will estava destinado a ser o Conde de Mércia, mas não viveu o bastante para herdar o título, já que foi acometido por uma estranha doença aos 16 anos de idade. Mesmo assim, apesar de sua morte – e de seu enterro –, ele não está nada morto. Ao longo das páginas, o leitor vai compreender um pouco sobre esta condição de Will. Descobrir que ele está existindo entre a vida e a morte. Ocasionalmente hiberna, sempre esperando que a morte lhe chame e, toda vez que desperta, enterrado no solo, tem uma breve lembrança do primeiro pânico que sentiu em 1349. Sangue apresenta como um de seus principais diferenciais o fato de ser mais macabro e sombrio do que as obras atuais do gênero. Para Wignall, o romantismo é importante, mas nunca deve se sobrepor ao enredo. Assim, ele elaborou cenas angustiantes, como as que o protagonista enfrenta sempre que desperta das hibernações, além de ambientes sinistros e escuros e personagens bem-construídos, perversos e sem escrúpulos.

Para falar a verdade estou com uma dificuldade imensa de começar a escrever sobre este livro. Geralmente resenho o livro no momento em que acabo a leitura, no entanto, já tem uma semana que acabei de ler este livro e ainda não me sinto capaz de resenhá-lo. Mas vamos tentar! 
Antes de tudo vocês precisam saber que há tempos eu não lia um livro sobre vampiros. E não pretendia voltar a lê-los tão cedo. Aí vem a Bertrand com Sangue e sua capa maravilhosa. Simplesmente a Editora arrasou na capa porque esta é lindíssima! A sinopse me ganhou com a seguinte frase: "Sangue apresenta como um de seus principais diferenciais o fato de ser mais macabro e sombrio do que as obras atuais do gênero." e foi por isso que eu resolvi ler. Sinceramente, acho que a pessoa que escreveu essa sinopse sequer leu o livro. #JustSaying

O enredo é sobre um jovem de 16 anos que estava a ponto de herdar o título de conde quando foi atingido por uma estranha doença que levou-o à morte. Pelo menos foi isso o que todos pensaram, sua morte foi devidamente atestada e todos os protocolos foram seguidos, funeral, enterro, etc. No entanto, William de Mércia não estava realmente morto. Ele tornou-se um morto-vivo, um vampiro. Will hiberna longos períodos e assim ele tem levado esta sobrevida há quase 800 anos. Sua última hibernação foi em 1989 e agora ele despertou no século XXI e está sedento. 

Will então sai para caçar e encontra um sem teto, de quem ele acaba se alimentando. Após matar Jex, o sem teto, Will percebe que o homem tinha um estranho caderno onde ele leu seu próprio nome, e desenhos de uma garota. O vampiro guarda o caderno e vai caminhando, fazendo o reconhecimento da área, já que a última vez que andou por ali fora há muito tempo atrás, quando se depara com uma garota que também parece morar na rua. Ele percebe que ela é a garota dos desenhos. Então conhece a irritante Eloise. E aí o livro deixa de ser bom. 

Gente, falando sério, o prólogo e os três primeiros capítulos do livro são bem interessantes. Eu realmente cheguei a acreditar que iria ler algo inovador sobre vampiros. Inovador E macabro, como a sinopse havia me prometido. Mas então, a partir do capítulo quatro tudo torna-se um clichê pra lá de tedioso. 


O plot tinha tudo para ser interessante mas o autor resolveu colocar uma mocinha sem noção, chata e mimada. Eloise tem 16 anos, é de uma boa família, rica, mas resolveu morar na rua porque acha que os tios, por quem foi criada, não dão atenção suficiente para ela. Oi? Sério mesmo? Ela conhece Will e inicialmente o destrata mas logo tornam-se amigos e ele CONTA PARA ELA QUE É UM VAMPIRO. E ela faz o que? NADA. Porque é a coisa mais normal do mundo você encontrar um vampiro por aí. Will então fala para ela sobre o caderno de Jex e a ligação que há entre ele próprio e Eloise, e diz que acredita que ela está ligada ao destino dele de alguma forma. Ela o leva ao café Terra Plena, cujos donos são Chris e Rachel, dois ricaços que são aficionados pelo ocultismo. Quando Will chega ao café sua cicatriz, lugar onde ele foi mordido no braço, começa a arder na presença do casal.  Harry Potter, oi? Rachel e Chris o olharam de forma diferente, de uma forma que o deixou ressabiado. Quem são eles? São inimigos? O que eles podem saber sobre ele?


Bom, não falarei mais nada do enredo, mas preciso desconstruir essa sinopse porque ela realmente me deixou irritada, simplesmente detesto ser enganada. Cadê o diferencial? Macabro? Sombrio? DEFINITIVAMENTE NÃO. Personagens bem-construídos, perversos e sem escrúpulos? NÃO MESMO. O livro não tem nada de macabro, e quando eu digo nada é NADA MESMO. O Will que foi prometido pelo autor era um vampiro impiedoso, sem coração e escrúpulo nenhum. E o que encontrei foi um garoto que por ter 800 anos de idade deveria estar confuso com as mudanças dos tempos, mas que se adapta incrivelmente rápido à nova era e todos os seus artefatos. Outra coisa que me chamou a atenção, eu nem ia comentar isso mas já que é pra ser sincera, vamos lá. A linguagem. Uma pessoa que nasceu em 1249 não deveria ter uma linguagem mais rebuscada? Falar diferente e consequentemente levantar suspeitas sobre si? Nada disso acontece, ele fala normalmente, como qualquer adolescente, só que algumas gírias ele não entende. 



Sobre os diálogos. Gente, os diálogos são surreais! Juro que pensei estar lendo uma fanfic, e de Crepúsculo! Juro por Deus que tinha horas que parecia muito. O próprio Will lembra muito o Edward Cullen, não fisicamente, mas por ser bonito, melancólico e também em todo aquele blá blá blá de "minha existência é um nada, eu quero morrer, alguém me mate". Diálogos rasos, bobos e muitas vezes completamente desnecessários. Bem como os personagens. Rasos, mal desenvolvidos e sem complexidade nenhuma. Rachel e Chris são o tipo de personagens que não servem pra nada, a não ser pra servir de figuração, porque é exatamente isso que eles fazem! Não sei se no próximo livro eles terão alguma importância, mas nesse livro, se eles morressem não iriam fazer falta, o leitor mal lembraria seus nomes ao concluir a leitura. Eloise eu já falei, chatíssima e mimada, sem falar em contraditória. Ela conhece Rachel e Chris há tempos mas deu um nome falso pra eles, enquanto conhece Will há apenas uma noite e já disse seu nome verdadeiro e contou a sua história. Oi? 

"[...] - Ele é um vampiro. [...]
Rachel tentou dizer algo várias vezes e finalmente perguntou:
- Quando Ella diz que você é um vampiro, o que exatamente...?
- Hum, como estamos sendo honestos e tudo o mais, preciso confessar que meu nome verdadeiro é Eloise.
Chris olhou para ela deixando transparecer que até mesmo essa simples confissão lhe causava surpresa.
- Mas você não é uma vampira, é?
Eloise respondeu, rindo:
- Claro que não! Você já me viu comer." Pág. 146

A história é cheia de coincidências absurdas, não sei se é proposital, mas achei tudo muito rápido e fácil. Bem como o romance entre Will e Eloise. É tudo tão rápido que se o leitor piscar, mal perceberá que eles se apaixonaram. Não me conectei com nenhum personagem e muito menos senti que havia conexão entre os protagonistas. Conexão, química, nada, foi tudo muito rápido e em minha visão, forçado. 

"[...] - Quando você me beijou, tudo o que eu sentia era o gosto do sangue. O seu sangue. Compreende? É demais para mim.

- Você quer dizer que eu tenho gosto de jantar. - Ele esboçou um sorriso como resposta. Ela riu também, mas logo ficou séria novamente. - Na verdade, o mais estranho é que você não tem gosto de nada. Nadinha mesmo. 
- Sou um nada. - respondeu ele de forma simples.
- Não acredito nisso - retrucou ela, balançando a cabeça. Depois deu de ombros e completou: - Bem, como não vai rolar pegação pelo resto da noite, acho melhor tentarmos decifrar o caderno." Pág. 116


Bom, para finalizar a resenha eu me atrevo a dizer que a escrita do autor é bem mediana, mas ele foi inteligente no tocante ao cliffhanger que deixou para o próximo livro da série. Sinceramente, eu tenho a sensação de tempo perdido quando penso neste livro porque ele simplesmente não explica quase nada. Não fala quem é o vilão e nem o motivo de ele estar atrás de acabar com Will. E deixa muitas outras pontas soltas. Tá, aí você vem e me diz: "Mas é uma série Jordana". E eu te digo: EU SEI, mas tem coisas que não se pode fazer mesmo sendo série, mesmo que você seja uma J.K Rowling ou George R.R. Martin da vida, ou o leitor se entedia e perde o interesse, como aconteceu comigo! Eu passei o livro todo querendo saber quem diabos é Lorcan Labraid e o autor simplesmente NÃO DISSE nada sobre ele, apenas que é o mal do mundo. Sério? Eu fiquei muito irritada com o final e apesar do cliffhanger, não sei se quero continuar a ler a série. 

Para não dizer que não gostei de nada, gostei dos capítulos narrados em primeira pessoa por Will, pois o livro alterna as narrativas entre primeira e terceira pessoa. Devo ressaltar que isso foi um ponto positivo. No início, quando Will narra seu despertar também é interessante, a descrição é na medida certa e eu achei mesmo que iria gostar do livro, como falei, gostei dos três primeiros capítulos. Gostei da capa, é lindíssima e a diagramação está impecável, assim como a revisão. Amei o kit que recebi junto com o livro, mostra que a Editora apostou nesta publicação. Apesar de eu não ter gostado do livro eu não vou dizer "Não leia!", pelo contrário, gostaria que outras pessoas lessem e comentassem comigo sobre o que acharam. Ou será que talvez eu esteja velha demais para YA de vampiros? Bem, leiam e depois voltem aqui para comentar comigo! 

Até a próxima!

9 Comentários:

Mariana Diaz disse...

E eu q ia ler esse livro! Kkkkkkkk
Pelo jeito acabei me livrando de uma boa... Ou melhor, de uma péssima.
Mas q enganação, gente! Cadê o sangue?! Não era para ser macabro?!
Mirou na Anne Rice e acertou no crepúsculo... Errou feio esse povo q fez a sinopse... Errou feio, errou rude. Kkkkkkkk

Kel Costa disse...

Bem, eu sou fã de vampiros, né? Pretendia ler Sangue. Mas não sei não... meu tempo anda tão curto que acho que não quero perder horas preciosas com essa leitura. Não tenho saco para outro Edward Cullen rsrs
Mais um livro para queimar o gênero... =/


Bjs,
Kel

Juliana Moreira disse...

Oi Jordana ;)

Pela sinopse já não tinha curtido o livro, com esses comentários então... Deixa pra lá.
A Capa é realmente linda, mas se o livro promete ser sombrio e tudo mais ele realmente tem que ser sombrio e tudo mais.
Acho que o povo anda meio perdido na hora de escrever algo sobrenatural depois de "Crepusculo", por ter sido o fenômeno que foi alguns tentam imitar, outros fugir, mas ninguém conseguiu reviver as histórias de vampiros que nos assustam e fazem os pelos arrepiarem só de ler o livro.

Beijos.
http://julianamoreire.blogspot.com

Juliana Vicente disse...

Dana, estou lendo.

Também achei a mocinha sem noção, para não dizer algo pior. Estou com a mesma sensação de tempo perdido, mas vou até o final.

Bjs

aninha disse...

uma pena que ao autor não soube equilibrar o enredo. a sinopse realmente é interessante. o livro pareceu desconexo e com personagens sem um pingo de carisma. não funcionou mesmo, infelizmente. quisera ele ter tido a capacidade pra escrever personagens marcantes como de uma certa saga. o que mais gosto na resenha Dana, é porque vc sempre põe seu ponto de vista e não o impõe. o livro é ruim, é, mas vc deu um show em expor sua opinião sobre o livro sem ofender e ainda incentiva a leitura para que as pessoas tirem suas conclusões. e sim, se aparecer a oportunidade, eu leio com certeza =) bj!

Nica disse...

E eu estava doida pra ler esse livro desde o Piquenique com a editora, no começo do ano. Pelo visto, decepção total a frente. Já não curti a sinopse prometer uma coisa e o livro ser outra. Dps vem a mocinha irritante! Outra Bella Swan não dá! rs
E, pra piorar, mtas pontas soltas??
Se um dia cair em minhas mãos, leio. Mas, no momento, vou passar.
Te recomendo a leitura de Fortaleza Negra, da Kel Costa. Vampiros mto interessantes! rs
Beijos
Nica

Dana Silva disse...

oi Nica, obrigada pela visitinha ^^. Então, tô lendo FN da Kel, só que tô demorando por conta da diagramação, tô achando ela bem desconfortável. Letra muito pequena e margens quase inexistentes, tipo, demoro uma vida pra ler uma página. Mas estou curtindo a história, eu já gosto do jeito que a Kel escreve, desde que li TCS, apesar de serem estilos completamente diferentes, mas eu curto a narrativa dela. Só acho que a diagramação de FN tá cansativa; =( Beijão!

Nica disse...

Ignore a diagramação e vai se encantar com o livro. Há tempos eu não lia algo sobre vampiros tão bom! <3
Prometo que passarei a vir mais vezes! Novos hábitos e organizando meu tempo! rs
Beijos
Nica

Tamiris Leitão disse...

Eu sou apaixonada por Vampiros, mas nem Edward e agora nem Will conseguiram me convencer que gostaria desse livros (e olha que eu amo crepúsculo). História fraca, com personagens fracos, e narrativa fraca? Se esse livro já não estava na minha lista de desejados, agora é que ele não entra mesmo. kkk

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D