Resenha: Desafio (C.J. Redwine) - Desafio Livro #01

segunda-feira, 1 de setembro de 2014



Título: Desafio
Autor: C.J. Redwine
Edição: 1
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581634395
Ano: 2014
Páginas: 368
Tradutor: Ivar Panazzolo Júnior


Sinopse:No interior das muralhas de Baalboden, à sombra do brutal Comandante da cidade, Rachel Adams guarda um segredo. Enquanto as outras garotas fazem vestidos e obedecem a seus Protetores, Rachel é capaz de sobreviver nas florestas e de manejar uma espada com destreza. Quando seu pai, Jared, é declarado morto em uma missão, o Comandante designa para Rachel um novo Protetor: Logan, o aprendiz de seu pai, o mesmo rapaz a quem Rachel declarou o seu amor há dois anos, e o mesmo que a rejeitou. Com nada além da forte convicção de que seu pai está vivo, Rachel decide fugir e encontrá-lo por conta própria. Mas uma traição contra o Comandante tem um preço alto, e o destino que a aguarda nas Terras Ermas pode destruí-la.



         Desafio foi escrito por C.J. Redwine e publicado aqui no Brasil pela editora Novo Conceito, o primeiro livro de uma trilogia intitulada Desafio. É um livro bem diferente, uma distopia com toques de ficção científica.


            Rachel Adams é uma garota de dezessete anos que mora em um mundo destruído por feras. Há muitos anos durante uma expedição ao centro da Terra, especialistas acabaram liberando feras que viviam no interior do planeta e que quando chegaram a superfície destruíram a civilização como a conhecemos hoje. No início dessa narrativa, Rachel perde o pai que não retorna de uma expedição ao mundo fora das muralhas da cidade e se vê sob o Protetorado de Logan, o aprendiz de seu pai por quem ela foi apaixonada um dia. Na sociedade em que eles moram, as mulheres vivem sob o julgo de seus protetores, que podem ser pais, avôs, maridos ou um homem designado pelo pai ou o Estado, Rachel porém foi ensinada desde cedo a não ser subserviente, ela aprendeu a lutar e tem opiniões próprias. Quando decide sair da cidade para procurar seu pai, ela não pensa nas consequências e do que pode causar.

            O livro é todo narrado em primeira pessoa e os capítulos são alternados entre Rachel e Logan. Ambos sofreram muitas perdas na vida e ainda tem de lidar com os sentimentos que exercem um sobre o outro.
            Rachel tem uma personalidade forte e não aceita ordens com facilidade, mas apesar disso ainda é uma menina. Obviamente ela faz muita besteira, a novidade aqui é que as ações dela tem consequências altas e ela percebe isso ao longo do livro. Já Logan, se percebe cada vez mais envolvido por ela, ele quer protege-la e desenvolve um sentimento que não imaginava, um instinto de proteção que logo evolui para algo mais.
            Uma coisa que me incomodou e muito na história, foram as “pistas” que ela deixou para o que possivelmente acontecerá no segundo livro e eu espero realmente que eu esteja completamente enganada, por que sempre essas distopias acabam por me frustrar. Algumas coisas como o fato de Quinn ter um certo sentimento por Rachel o que pode gerar um triângulo amoroso, totalmente desnecessário, até por que quem disse que toda narrativa tem que ter triângulo amoroso? Creio que é uma fórmula que já não me agrada mais, está muito desgastada e isso sim me deixará bastante irritada. Além de algumas possíveis falhas e buracos que podem ser deixados ao longo da trilogia. Enfim, esses pequenos trechos me deixaram com o pé atrás e por isso não dei as cinco estrelas.

            Uma coisa quero destacar é que esse livro apesar de uma distopia, traz elementos de ficção científica, como aparelhos especiais e algumas pinceladas de fantasia ao fundo como o fato do monstro ser de origem desconhecida, vindo de um lugar misteriosos no subterrâneo, o que nos remete a lenda dos titãs que estariam escondidos nos confins da Terra a espera de sua vingança.

            A capa desse livro é muito bonita, essa garota na capa representa Rachel. A diagramação não tem nada de especial, mas cumpre as “normas” para uma boa leitura. Enfim acho que vale a pena dar uma conferida na história.