Resenha: O Visconde Que Me Amava (Julia Quinn) - Os Bridgertons Livro #02

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015



                                                                                                              Título: O Visconde Que Me Amava
Autor: Julia Quinn
Edição: 1
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580411973
Ano: 2013
Páginas: 304
Tradutor: Ana Resende      

Sinopse: A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva. Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela. Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele. Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração. Considerada a Jane Austen contemporânea, Julia Quinn mantém, neste segundo livro da série Os Bridgertons, o senso de humor e a capacidade de despertar emoções que lhe permitem construir personagens carismáticos e histórias inesquecíveis.


                      Segundo livro da série Os Bridgertons, O Visconde Que Me Amava escrito pela Julia Quinn e publicado no Brasil pela editora Arqueiro. Esse livro já estava na minha estante há alguns meses, na verdade acho que desde julho do ano passado mais ou menos não lembro bem quando comprei, mas nessas férias resolvi ler Julia Quinn e sim estou meio fazendo uma maratona com essa série.


                          Anthony Bridgerton é o próximo visconde, filho mais velhos dos Bridgertons ele tem a responsabilidade de produzir o herdeiro. Só que ele não pensava em se casar, pois pensava que assim como seu pai ele iria morrer cedo. Depois de fugir dessa responsabilidade por anos, ele decide que terá que se casar, mas não irá amar a esposa e a escolhida seria a menina mais disputada da temporada, nesse caso Edwina, porém para casar com ela, ele deve ter a aprovação da irmã mais velha, Kate. O único problema é que a moça conhece a reputação de libertino de Anthony e não deixará nada fácil para ele, nesse meio tempo eles acabam atraídos.

                       Seguindo a linhas das outras narrativas, temos o uma narração em terceira pessoa com o enfoque nos personagens principais. No começo dos capítulos também temos um pedaço da coluna de fofocas sobre a aristocracia londrina que tudo sabe, tudo vê. 

                        Eu gosto bastante da personalidade das mocinhas da Julia Quinn, acho que ela inova nesse quesito de ser uma mocinha que está atrás de um casamento, mas que não necessariamente é submissa, na verdade elas são bem geniosas e com personalidade bem forte. Kate é o capeta em forma de gente ahahahahha e eu adoro esse tipo de personalidade em mocinhas, por que torna o livro bem mais divertido e a narrativa fica bem mais gostosa. Já Anthony me deixou meio com o pé atrás, achei ele bem chato em algumas partes e algumas atitudes dele me deixaram com o coração na mão e bem irritada com ele.

                        A relação dos dois é bem confusa, pois Anthony é muito teimoso e Kate pensa que sempre é a segunda opção, isso por vezes me irritou por que ela leva tudo muito na boa, a irmã leva toda a atenção e ela se anula por opção. Quando ela finalmente admite que se apaixonou por ele, mesmo assim ela pensa em se anular em favor da irmã. Confesso que me incomodou demais esse aspecto da história.

                          A capa segue os padrões das outras capas da série, não entendi por que não é a Kate na capa, já que a Kate tem cabelo castanho e a modelo é meio loira. A diagramação está satisfatória. Enfim, histórico bom e que para quem gosta do estilo vale super a pena.

                        

4 Comentários:

Ingrid Sodré disse...

Eu já li algumas resenhas sobre esse livro e deu pra perceber que é um triângulo amoroso. Realmente, acho que um ponto interessante da criação das personagens da Quinn, é exatamente isso. Por ser uma época mais tradicional, ela não se prende nisso. Suas personagens tem personalidade e não deixam que ninguém impeça de mostrá-la. Isso é um ponto super positivo. Acredito que se por acaso ler o livro, me identificaria mais com a Kate.

aninha disse...

é o meu favorito da série até agora! amo Kate e Anthony! <3 o jeito
que Julia Quinn conduz a história com humor e um pouquinho de drama, é
muito gostoso de ler. a personalidade de Kate batendo de frente com
Antony é uma graça! bateu até uma vontade de reler =)

Gabriela Az disse...

Li sua outra resenha da Quinn, mesmo eu não gostando muito de romances históricos, eu prometo dar uma chance para os livros da escritora, falam tão bem dela, e sua resenha é bem convicente né? hahaha, principalmente pela parte que você diz que "Kate é o capeta em forma de gente" em uma mocinha, parece realmente divertido e eu gosto disso, principalmente por mostrar esse lado dela.
Beijos

Nardonio Alves disse...

Dos romances de época da Arqueiro, essa série da Julia Quinn é a que mais vejo elogios. Também pudera, protagonista feminina de época, com essas personalidades geniosas são as melhores. Acho que as cenas de embates devem ser hilárias.

@_Dom_Dom

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D