Resenha: Se você me chamar eu largo tudo... mas por favor me chame (Albert Espinosa)

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Se você me chamar eu largo tudo. mas por favor me chame
Autor: Albert Espinosa
Título Original: Si tú me dices ven lo dejo todo. pero dime ven
Tradutor: Marcelo Barbão
ISBN: 9788576862871
Gênero: Romance estrangeiro
Páginas: 154
Editora: Verus Editora
Preço: R$ 25,00

Um homem revive seus dias de menino em busca de si mesmo. Uma história terna e emocionante de perdas, ganhos e aprendizados.
Dani se dedica a procurar crianças desaparecidas. No mesmo instante em que sua mulher faz as malas para ir embora de casa, ele recebe o telefonema de um pai desesperado lhe pedindo ajuda para encontrar seu filho. O caso o levará a Capri, onde virão à tona lembranças de sua infância e das duas pessoas que mais o marcaram: o afetuoso sr. Martín e o forte George. O reencontro com o passado levará Dani a profundas reflexões sobre sua vida, a história de amor com sua esposa e as coisas que realmente importam.
Se você me chamar eu largo tudo... mas por favor me chame é um livro forte e ao mesmo tempo delicado, que vai permanecer com o leitor muito depois que ele virar a última página. 

Olha gente, poucos livros na vida eu li com o coração tão pequeno. Albert Espinosa definitivamente entrou para o meu top de autores favoritos. Um singelo livro com menos de duzentas páginas teve o poder de arrebatar meu coração como poucos conseguiram. Duas vezes o mesmo autor conseguiu fazer isso, primeiro em "Tudo que você e eu poderíamos ter sido se não fôssemos você e eu" e agora em "Se você me chamar eu largo tudo... mas por favor me chame". 

O livro conta a história de Dani, um rapaz que foi abandonado pela esposa e agora precisa refletir sobre sua vida. Vamos acompanhar as suas memórias de criança, adolescência e até adultas para descobrir o porquê de algumas atitudes de Dani. 

Dani ajuda a encontrar crianças desaparecidas e no momento em que está sendo abandonado pela mulher, seu telefone toca e ele sabe que precisa resolver aquele caso. Agora o rapaz precisa voltar à ilha de Capri e investigar o sumiço de uma criança. Mas a ilha de Capri tem muita história para contar e o remete ao seu passado e Dani começa a nos relatar fatos que ocorreram lá e que contribuíram para a formação da sua personalidade.

Incrivelmente o espaço temporal do livro é de um dia. Sério, acho sensacional a capacidade de escrever um livro inteiro que se passa num dia. Mas não estamos falando de uma história linear, não, o livro é narrado em primeira pessoa, por Dani, e ele vai e volta inúmeras vezes com sua narrativa. Ora ele fala de quando tinha sete anos, ora fala de quando tinha treze, e em seguida está no presente. 

Dani reflete muito e até conversa com o leitor, ele nos promete o tempo todo que vai nos contar o que aconteceu para ela deixá-lo, e de fato ele conta, mas só no final. Se você parar para analisar o plot do livro, não há nada de extraordinário, é apenas um livro de um cara que vai procurar uma criança desaparecida. No entanto se você ler nas entrelinhas vai ver que Dani tem muito a nos ensinar sobre a vida e as pérolas e diamantes que encontramos nela vez por outra. 


Bom, talvez nem todo mundo goste de histórias assim, eu a considerei intensa pela quantidade de coisas com as quais me identifiquei e em vários momentos eu queria dizer pro Albert que ele saísse da minha mente porque eu já estava ficando assustada. risos. 

Por favor, se você ler este livro, volte aqui para comentar comigo porque eu simplesmente PRECISO falar dele com alguém! Não posso falar tudo aqui porque é muito spoiler, mas realmente preciso conversar! Ainda estou destruída depois de terminar Se Você Me Chamar Eu Largo Tudo Mas Por Favor Me Chame. Esse livro zerou a minha vida em 2015. 

Alguns quotes do livro:

"Amar é sempre mais valioso que ser amado. Amar move e detém mundos. Ser amado quando não se ama acaba fazendo com que você entre em letargia."

"Desde pequenos respondemos à pergunta: 'Do que eu gosto?'. Do que eu gosto em termos de comida, roupa, brinquedos, estudos, trabalho, amizade, amor, sexo... E esse 'do que eu gosto' marca o nosso mundo. Dá a sensação de que, se gostarmos de algo, isso é um indicador de um rumo ou de um desejo, e você deve saber que não é. O que gostamos não é nosso caminho, muito menos o que não gostamos. Às vezes o rumo pode estar no que nos provoca indiferença, naquilo que não nos apaixona ou aborrece. Entenda isso... É preciso confiar em você, não no que você acredita que gosta... O caminho não é feito por aquilo que você gosta; é você mesmo quem constrói esse caminho..."
"O prazer de ganhar nunca deve ser superior ao de perder. Perder pode ser prazeroso, pois faz com que você entenda melhor o valor de ganhar. Alem disso, com o tempo, as perdas sempre acabam se convertendo em lucros."

"Há pessoas neste mundo que nos alimentam só com a imagem. Não é preciso mais nada. Elas dão energia..."

Albert Espinosa não é para ser lido, mas sim degustado. ♥ A capa é linda, a diagramação está ótima e a fonte é grande, páginas amarelas facilitam para que o leitor não se canse. Não encontrei erros no livro. Parabéns à equipe de revisores!!! O livro é maravilhoso, leiam!!! 



| comente (:

Mariana Teixeira disse...

Eu to bastante interessada em ler, poucas páginas, boa historia... :D

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D