Resenha: A Rainha Vermelha (Victoria Aveyard) - A Rainha Vermelha Livro #01

sexta-feira, 5 de junho de 2015



Título: A Rainha Vermelha
Autor: Victoria Aveyard
Edição: 1
Editora: Seguinte
ISBN: 9788565765695
Ano: 2015
Páginas: 419
Tradutor: Cristian Clemente


Sinopse: O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses. Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso… Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho?Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe — e Mare contra seu próprio coração.


                 A Rainha Vermelha é o tão esperado lançamento da Editora Seguinte, quem tem uma vida dentro da internet nesses últimos meses deve ter ouvido falar do livro da Victoria Aveyard que está sendo muito comentado tanto aqui no Brasil, quanto fora. O lançamento desse livro está previsto para 16 de junho e essa semana eu recebi a prova do livro para contar um pouquinho mais dessa história para vocês.


                    Mare Barrow é uma garota prestes a completar dezoito anos que vive em uma sociedade dividida pela cor do sangue. Quem tem o sangue vermelho, como ela e sua família, está fadado a servir, ser pobre e quando não consegue um ofício, todo jovem sendo homem ou mulher é mandado para a guerra. Já quem tem o sangue furta cor, é denominado prateado e é da elite que comanda o país. Tudo que Mare quer é escapar de ir para a guerra e livrar seu amigo Kilorn de ir para as trincheiras também, ao se deparar com um estranho em frente a uma taverna sua sorte muda. Mare é convidada a trabalhar no palácio e ao chegar lá descobre que não só quem a salvou foi o príncipe herdeiro, Cal, como também que ela é especial e pode servir de peão tanto para o rei, como para as forças rebeldes.

                  A narrativa é feita em primeira pessoa e nossa narradora é Mare, já podemos concluir que não temos acesso então a vários pontos da narrativa e tudo que ela pensa e fala pode estar errado. Esse estilo de narrativa funciona muito bem para histórias de ação, suspense e fantasia onde nada o que parece, é. A autora Victoria Aveyard utilizou esse recurso com maestria.

                   Os personagens que rodeiam a trama como Mare, a protagonista, Cal, o príncipe herdeiro, Maven, o príncipe mais novo e Kilorn, o amigo de Mare, são bem construídos e cada um tem uma trama interessante que vale a pena de se dar atenção. Enquanto Mare está vivendo uma nova realidade sem saber direito o que é, ou como pode lidar para continuar viva dentro dessas novas circunstâncias as quais foi submetida, vemos uma protagonista se descobrindo, mas que não tem muito espaço para mostrar sua personalidade, ainda não consegui definir se ela é forte ou não. Já Cal, é o típico príncipe, ele é ciumento, teimoso, corajoso e benevolente, mas também está preso ao que se espera dele, ou seja, que mantenha o sistema onde os vermelhos servem aos prateados.  Maven é o que parece mais gentil, sempre a sombra do irmão ele tenta se rebelar e ajudar Mare com os rebeldes. Kilorn sempre foi protegido por Mare e eu creio que é o personagem que pode surpreender nos próximos livros.

                  O enredo em si me empolgou, creio que a ideia é muito boa, apesar de não ser tão original. Porém o livro como um todo me decepcionou um pouco, talvez por que eu esperava bem mais. Como vocês sabem eu gosto dessas distopias que envolvem magia, sobrenatural, etc. E acho que dentro do mercado existem outras histórias bem parecidas em que o livro de estreia empolga bem mais. Porém, não deixa de ser um livro bom, só não conseguiu chegar lá e superar minhas expectativas altas.

                 Essa capa é maravilhosa. Amei os tons de cinza, adorei a imagem da coroa sangrando. A diagramação prévia, está ok. Enfim, é uma ótima pedida para o segmento fantasia/distopia.

4 Comentários:

Monique Químbely disse...

Sou gamada nesse tipo de história também, apesar de ser difícil alguma nos surpreender hoje em dia, então acho que o que vale é o estilo de escrita do(a) autor(a) e como ele(a) constrói seus personagens. Leria a Rainha Vermelha com certeza! E essa capa tá muito massa :)
Bjss
sete-viidas.blogspot.com

Mariana Teixeira disse...

Olá! Esse livro é único ou tem continuação?

Priscila Siqueira disse...

é uma série

aninha disse...

vou começar pela capa. uma das capas mais legais que vi esse ano! bem significativa. o enredo é também igualmente interessante. mas como você, eu esperava um pouco mais. claro ñ li o livro ainda, mas imaginei uma história mais forte como Trono de Vidro sabe, com aquela tensão, aquele coisa instigante. mas o livro nos dá personagens legais, com um pano de fundo plausível que é a distinção das pessoas. já está nos meus desejados, acredito que nos próximos livros vai melhorar =)

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D