Resenha: A Boa Sorte (Fernando Trías de Bes e Álex Rovira Celma)

segunda-feira, 14 de março de 2016



Título: A Boa Sorte
Autor: Fernando Trías de Bes e Álex Rovira Celma
Edição: 1
Editora: Sextante
ISBN: 9788575425336
Ano: 2010
Páginas: 119
Tradutor: Davina Mosocoso de Araújo



Sinopse: Se você sempre acreditou que a sorte é uma questão de acaso, este livro vai fazer você rever este conceito e trará uma grande transformação em sua vida. Nesta fábula de linguagem cativante e inspiradora, há uma lição simples mas profundamente significativa: a sorte nada tem a ver com um acontecimento fortuito – cabe a nós criarmos as condições para que ela aconteça em nossa vida.A Boa Sorte começa com o reencontro de dois amigos de infância que não se viam havia 50 anos. Um deles foi muito bem sucedido, enquanto o outro só colheu fracassos. O segredo daquele que se tornou próspero sempre esteve em uma fábula que seu avô lhe contara quando era criança e que lhe serviu de guia ao longo dos anos.Publicada em mais de 60 países e comparada com clássicos como O Alquimista e Quem Mexeu no meu Queijo, esta fábula mostra como criar as condições favoráveis para que a boa sorte chegue a você mesmo nas circunstâncias mais difíceis. Os autores escreveram este livro depois de um amplo estudo sobre os principais fatores que troxeram a Boa Sorte para pessoas extremamente bem-sucedidas. Em vez de um longo tratado a respeito, eles criaram uma parábola fascinante, acessível e rica em significado que revela as 10 regras da Boa Sorte e já se tornou um fenômeno de vendas em vários países.






O livro Boa Sorte é uma fábula escrita pelos autores Álex Rovira e Fernando Trías, publicado pela Editora Sextante. O objetivo do livro é nos fazer entender a diferença entre sorte e Boa Sorte. (#sorte x #BoaSorte)

Bom, o livro começa com o reencontro entre dois velhos amigos de 64 anos de idade, Vitor e Davi que não se viam há muito tempo e eles começam a conversar sobre como foi a vida durante esses 50 anos em que eles não se viram. O que na infância era pobre ficou rico e o outro, que ainda na infância ficou rico porque os pais receberam uma grande herança, perdeu tudo e hoje estava falido.

Davi, o amigo que perdeu tudo, depois que contou sua história atribuiu sua situação atual a falta de sorte, daí então, seu amigo Vitor pega essa “deixa” para lhe contar uma história, a da Boa Sorte. A partir desse ponto, a fábula da Lenda do Trevo Mágico é contada, a fim de que o leitor compreenda a diferença entre as pessoas que vinculam tudo na vida a sorte ou a falta dela e aquelas que utilizam o que tem para construir sua Boa Sorte. Ao final da história são apontadas dez regras para a Boa Sorte, que não se encaixam somente na fábula contada no livro, mas sim em nossas vidas.

A moral do livro nos traz que devemos buscar nossa Boa Sorte, potencializando nossas oportunidades e nossos pontos fortes e diminuindo nossas franquezas e observando com cuidado nossas ameaças, a fim de que possamos utilizar os recursos que estão a nossa disposição da melhor forma possível.

O livro é bacana, vale a pena a leitura e ela é bem rápida já que o exemplar só tem 79 páginas. A capa e a diagramação são OK.

Recomendo para aqueles que gostam de ler livros que tem um “Q” de inspiração, que faz com que a gente queira mudar nossa forma de agir, pensar sobre novas perspectivas o nosso dia a dia.


É isso, até a próxima resenha!

RESENHA POR: JAMILLE MOURA

| comente (:

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D