Resenha: Placebo Junkies (J.C. Carleson)

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Placebo Junkies
Piratas de laboratório
J.C. Carleson
R$ 22,57 até R$ 39,50
ISBN-13: 9788568432754
ISBN-10: 8568432751
Ano: 2016 / Páginas: 304
Idioma: português
Editora: Fábrica 231

Audie é uma jovem como qualquer outra, mas encontrou uma forma incomum de descolar uns trocados: ela serve de cobaia para a indústria farmacêutica. Neste irreverente romance, J.C. Carleson, ex-agente da CIA, mergulha no universo pouco conhecido, mas muito impressionante, dos voluntários em série de testes farmacológicos. Na tradição de Trainspotting e Drugstore Cowboy, doses cavalares de humor negro disputam espaço na trama com o drama de jovens que vivem no limite. No caso de Audie, ela precisa juntar dinheiro para oferecer a Dylan, seu namorado que tem uma doença terminal, uma festa de aniversário de 18 anos inesquecível. “Não há ganho sem dor”, ela repete, em meio aos efeitos colaterais das substâncias e procedimentos a que está sujeita e aos esquemas para lidar com eles. Mostrando as entranhas de um mundo desconhecido da maioria das pessoas, Placebo junkies arrancou elogios da crítica com sua narrativa original e completamente viciante.


Bom, a primeira coisa que me chamou a atenção nesse livro foi a capa e o título, porque eu sou hipocondríaca. Sim, sou muito hipocondríaca mesmo. Tenho na minha bolsa uma necessaire que tem remédio pra TUDO. Nos meus cursos e faculdades, se alguém sente uma dor na unha, eles já sabem a quem recorrer hahaha. É engraçado e bizarro. Aí então eu li a sinopse e soube que precisava ler esse livro pra ontem. 

Placebo Junkies conta a história da Audie, que é uma garota comum que descobriu na indústria farmacêutica uma forma muito fácil de ganhar dinheiro. Ela decidiu virar cobaia profissional de laboratórios. Confesso que antes desse livro eu nunca tinha pensado sobre o assunto e depois do livro pesquisei muito sobre, na verdade me interessei bastante. Até estou pensando em me voluntariar. Sério. Eu descobri muitas coisas interessantes, na verdade. Mas isso fica para uma outra oportunidade.

Audie tem um namorado, Dylan, cuja vida foi "salva" por um desses estudos. Dylan sofre de um câncer e no momento está em remissão, mas ninguém sabe até quando isso vai durar, já que a doença pode voltar a qualquer momento. Audie então decide dar a Dylan o melhor aniversário de 18 anos, que teoricamente era uma idade que ele nunca deveria ter chegado. Durante um momento em que os dois estavam assistindo TV, eles viram um programa sobre a Patagônia e foi quando Audie viu os olhos de Dylan brilhando:

"A expressão me deu um calafrio. Sério, ela quase partiu meu coração. Ele não dizia nada, mas não precisava. Eu podia dizer exatamente o que ele estava pensando. Dois pensamentos ao mesmo tempo, gravados em seu rosto como um esguicho de ácido:
1) Eu quero ir lá.
2) Eu nunca irei lá.
[...] Então naquele exato momento e local, eu vi que tinha de fazer o que fosse necessário para tornar a Patagônia realidade." P.36

Então Audie entra em vários testes simultâneos para ganhar o máximo de dinheiro que conseguir para tornar real a vontade de Dylan, pois pode ser a última. 

*Antes dos remédios chegarem às farmácias, eles passam por inúmeros testes, primeiro em laboratório, depois em animais, e por ultimo vem os testes clínicos, que são em serem humanos. Esses testes são feitos em etapas: na fase 1 é feito em pequenos grupos de pessoas saudáveis, na 2 num grupo entre 100 e 300 pessoas que tem a doença a ser estudada e na fase 3 nos mais variados tipos de pessoas, chegando até a milhares de voluntárias. Antes de 2013, aqui no Brasil, os voluntários não poderiam ser "pagos". Então em 2013 houve uma resolução e ela possibilitou a "recompensa financeira", imagina como cresceu o negócio né?

Audie tem alguns amigos que também são cobaias profissionais e eles trocam experiências sobre os estudos em que estão participando. Tem uma personagem interessantíssima, Charlotte, que até dá dicas de como burlar os testes fazendo com que eles obtenham resultados inconclusivos, gerando assim a possibilidade de o laboratório ter que refazê-los e eles tenham que pagá-la novamente. É muito absurdo. 

Sabemos que a história de Carleson é fictícia mas há muita realidade na história e isso é o que a torna mais interessante e única. É um plot completamente original, eu nunca li nada sequer parecido antes e nunca ouvi falar de outro livro que trate sobre o assunto. E se você conhecer por favor me dê a dica. Mesmo com toda essa carga pesada do livro, que mostra o lado ruim de ser cobaia, que são os efeitos colaterais, os furos no corpo, as reações alérgicas, etc, temos o lado fofo e o romance dos dois personagens. O casal tem uma empatia fofa, os dois se entendem só no olhar e muitas vezes as palavras se tornam desnecessárias. Curti muito os dois.

Não quero revelar muito sobre a história, até porque não há muito mais do que eu já falei. A diferença fica por conta da experiência de leitura. O plot é basicamente o que já foi dito, sem graaaaandes surpresas, mas com certeza uma leitura válida para você que está procurando algo novo, diferente e que mostre a realidade de um mundo que talvez você nunca tenha pensado sobre. Recomendo demais.


*Fonte: http://primeirossocorros.net.br/profissao-cobaia-humana/

| comente (:

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D