Crítica | Power Rangers (2017)

quarta-feira, 22 de março de 2017



Título: Saban's Power Rangers (Original)
Ano de produção: 2017
Direção: Dean Israelite
Estreia: 23 de Março de 2017 ( Brasil )
Duração: 2h04min
Classificação: 10 anos
Gênero: Ação/ Aventura/ Ficção Científica
País de Origem: Estados Unidos
Distribuição: Paris Filmes
Sinopse: Cinco adolescentes comuns descobrem dons extraordinários quando eles percebem que a sua pequena cidade, Angel Grove, e o mundo inteiro está a beira de ser extinto por uma ameaça alienígena. Escolhidos pelo destino, os jovens heróis descobrem rapidamente que eles são os únicos que podem salvar o planeta. Mas, para isso, eles terão que superar seus problemas da vida real e se unir como os Power Rangers.


É hora de morfar!



Há mais de 20 anos atrás estreava uma série norte-americana chamada Power Rangers, que contava a história de 5 adolescentes com roupas coloridas que defendiam o mundo contra as forças do mal. A série tinha tudo para não dar tão certo, já que produções japonesas como Changeman e Flashman já haviam feito sucesso nos anos 80. Mas Power Rangers veio com uma receita diferente, misturava cenas de grupos de super heróis Japoneses (chamados Super Sentai) com cenas usando atores americanos. E isso deu muito certo. Mas tão certo que mais de duas décadas depois estamos aqui roendo as unhas de ansiedade para a estreia do novo filme dos Power Rangers (que não aparecia nos cinemas do Brasil desde 1995).





Dirigido por Dean Israelite (diretor de Projeto Almanaque), Power Rangers O Filme teve um começo difícil e apertado, pois teve apenas 105 milhões em seu orçamento, que foram muito bem utilizados com bons efeitos especiais. E o filme cumpre o que promete: diversão, uma boa história e muito fan service, que não comprometem o roteiro.

Nesse reboot da franquia, temos uma visão um pouco mais madura sobre heróis adolescentes, tomando uma boa distância dos sentai japoneses. Diferente do seriado a que estamos acostumados, os cinco adolescentes são bem comuns, ainda estão tentando encontrar seu lugar no mundo, com problemas na escola, com os pais, ou seja, nada muito diferente dos jovens da nossa nossa realidade.



Somos apresentados a Jason Lee Scott/Ranger Vermelho (Dacre Montgomery), Kimberly Heart/Ranger Rosa (Naomi Scott), Billy Cranston/Ranger Azul (RJ Cyler), Zack Taylor/ Ranger Preto (Ludi Lin), Trinta Kwan (Becky G), que encontram 5 moedas estranhas que lhes concedem poderes. E aí é onde mora o primeiro diferencial do filme, que é a construção dos personagens. Aqui ele não vieram prontos para combater o mal. 



Mais um dos acertos do filme é a desconstrução de Zordon (interpretado por Bryan Cranston, de Breaking Bad), que se mostra um mentor mais rígido, que se sente inválido nessa guerra que será travada. Mas o show fica por conta de Elizabeth Banks como Rita Repulsa, uma Guerreira alienígena que quer conquistar o universo. Banks consegue unir maldade e beleza e nos dar um show de interpretação, com direito a cena de luta frenética.



Mas algumas escorregadas são cometidas no filme, como alguns erros de continuidade e com poucas cenas de lutas, já que o orçamento era apertado.

Mas Power Rangers acerta na dose de ação e humor e muitas cenas icônicas para os fãs mais antigos da série (alguém me chamou?). Não vou comentar nenhuma delas para não quebrar o encanto. Deixo a surpresa para vocês. 



Divertido e simples, o filme foi bem construído para a antiga e atual geração, nos deixando vários ganchos para próximos filmes serem explorados (há previsão para 7 filmes, dependendo da bilheteria).

Power Rangers - o Filme estreia nos EUA dia 24 de Março e aqui no Brasil estreia 23 de Março.


| comente (:

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D