Resenha: Christine (Stephen King)

quarta-feira, 15 de março de 2017

Christine
Stephen King
 R$ 58,20 até R$ 58,30
ISBN-13: 9788560280872
ISBN-10: 8560280871
Ano: 2013 / Páginas: 616
Idioma: português 
Editora: Suma das Letras

Arnie Cunnigham era um perdedor. Rosto coberto de espinhas, desajeitado com as garotas, magro demais, passava os dias pelos corredores da escola, tentando fugir da gozação dos colegas. Isso até Christine entrar em sua vida. Amor à primeira vista. A partir desse dia, o mundo ganha novo sentido. Tudo o que Arnie quer é estar junto de Christine. Mas não espere um novo Romeu e Julieta, tratando-se da mente assombrosa de Stephen King. Christine é um carro. Um Plymouth Fury 1958. Um feitiço sobre rodas que se apodera de Arnie e faz dele alguém diferente. Há algo poderosamente maligno solto pelas estradas de Libertyville. Uma força sobrenatural que vai deixando seu rastro de sangue por onde passa.

Arnie Cunningham é o típico loser, da escola. Nerd, rosto pipocado de espinhas, tímido com garotas, e sem amigos, com exceção de Dennis, seu melhor - e único - amigo. Arnie é constantemente vítima de bullying na escola, por Buddy e sua turma. Arnie sofre calado e não pode fazer nada, pois se revidar, será pior. Um dia, voltando da escola com Dennis, ele vê um carro com uma placa de venda, o carro está completamente destruído e parece que nunca mais andaria de novo. É um Plymouth Fury 58, Christine, como o antigo dono, já morto, a batizou. Arnie se apaixona pelo carro e o compra, mesmo contra a vontade dos pais e as críticas de Dennis. Como os pais de Arnie não deixaram que ele guardasse o carro em casa, ele leva para uma dessas garagens alugadas, onde ele poderá trabalhar em Christine sem que ninguém o incomode, até deixá-la apresentável de novo. 


Arnie fica cada dia mais bitolado no conserto do carro e desenvolve um estranho sentimento por Christine, ele meio que está apaixonado pelo carro. E ela por ele. Mas pera... o carro está apaixonado pelo garoto? Isso mesmo! Ao mesmo passo que Arnie vai arrumando Christine, ele também vai mudando sua postura, seu modo de agir e inclusive muda até fisicamente. Arnie se torna autoconfiante, atrevido, destemido. E Christine vai ganhando peças novas, começa a ficar igualzinha ao dia em que saiu da fábrica, em 1958, e ela começa a atacar, literalmente, todas as pessoas que se colocam entre Arnie e ela.

Gente, é muito louco. Esse foi sem dúvida um dos melhores livros do King que eu já li na vida. Eu não tenho certeza se este foi o primeiro ou o segundo que li dele, na época eu tinha uns 14 ou 15 anos, não me recordo muito bem, mas eu sei que este livro me deixou acordada por algumas noites enquanto eu devorava suas páginas. 

Como de praxe, a narrativa do King é extremamente detalhada e ele descreve cada coisa com uma minúcia de detalhes que você quase escuta o ronco do motor de Christine, é incrível a maneira como ele descreve as partes onde o carro está agindo, você sabe o momento em que Christine está feliz, com raiva, enciumada. Uma das melhores partes é quando Arnie vai ao Cinema Drive-In com sua namorada, Leigh, simplesmente a garota novata que é a mais linda e cobiçada da escola, e Leigh vai comer um hambúrguer e a garota engasga, e quando você vai vendo a descrição de como o carro estava se comportando naquele momento, você fica com o coração acelerado pois sabe que é Christine com ciúme, tentando matar a garota asfixiada. Essa é uma das melhores partes do livro! 


Na primeira vez que li, muito jovem, não notei, e nem poderia notar, todas as entrelinhas que permeavam esta história. A história não é somente sobre Arnie, é também sobre Dennis, o típico garoto perfeito, com uma família perfeita, lindo, jogador de futebol, sucesso entre as garotas, gentil, etc. Arnie via em Dennis seu protetor e Dennis meio que gostava dessa visão que Arnie tinha dele, por isso Dennis se incomodou tanto quando Arnie comprou Christine e começou a passar mais tempo com ela. Dennis também sentia ciúme, e podemos dizer, inveja, pois depois que Arnie começou a mudar, ao passo que ele transformava o carro, ele começou a "não precisar" mais da proteção de Dennis, o que acabou deixando o garoto incomodado. 

Quando Arnie conhece Leigh e esta se interessa por ele, também dá pra notar uma certa inveja em Dennis, apesar de ele aparentemente torcer pela felicidade do amigo. É possível notar a animosidade crescendo entre eles a cada página. O livro também descreve outros personagens e suas vidas, e apesar de muita gente achar desnecessário e apenas enchimento de linguiça, eu gosto muito. Temos todo o retrato da sociedade da época, das famílias, dos adolescentes, dos professores. É interessante notar como a mãe de Arnie é manipuladora, como seu pai é um palerma e em como a mãe dele, Regina, reage após Arnie se "rebelar". 



Bom, vou ficando por aqui com as reflexões pois este livro é digno de um ensaio, há muito o que refletir. Não pense que é apenas mais um sobrenatural, simplesmente um carro assassino. É uma história sobre amor também, e como o amor pode transformar as pessoas, para o bem e para o mal. Recomendo muito para quem quer começar a ler King pelo lado sobrenatural, que é seu viés mais conhecido. Provavelmente os fãs já devem ter lido, mas tenho certeza de que se você gosta de sobrenatural, vai se apaixonar por este livro. Christine é uma obra prima do terror. Amo demais.  


| comente (:

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D