Semana Especial Tartarugas até lá embaixo | Dia #01 | Resenha Dupla

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Tartarugas Até Lá Embaixo
John Green
R$ 29,67
ISBN-13: 9788551002001
ISBN-10: 8551002007
Ano: 2017 / Páginas: 256
Idioma: português 
Editora: Intrínseca

Depois de seis anos, milhões de livros vendidos, dois filmes de sucesso e uma legião de fãs apaixonados ao redor do mundo, John Green, autor do inesquecível A culpa é das estrelas, lança o mais pessoal de todos os seus romances: Tartarugas até lá embaixo.
A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).
Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, transtorno mental que o afeta desde a infância –, Tartarugas até lá embaixo tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses.
Resenha dupla por Jordana e Carolina.

Sempre digo que quando um autor fica 6 anos sem lançar uma obra, a expectativa gerada por um lançamento chega a dar ânsia nos leitores. E dessa vez, a situação é com os fãs do John Green, que estavam há 6 anos sem um livro novo do autor. Então a tão aguardada obra “Tartarugas até lá embaixo”, chegou às nossas mãos no mês de Outubro.

Aza Holmes, é a protagonista do livro “Tartarugas até lá embaixo”, ela possui TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo). Com 16 anos, Aza sempre enxergou o mundo de uma forma peculiar, já que durante a história ela sempre tem pensamentos que acabam tomando controle da sua vida, afetando seus relacionamentos com amigos e família.

"O meu papel naquela peça? Eu era A Coadjuvante. A Amiga de Daisy, ou A Filha da Professora Holmes. Sempre alguma coisa de alguém."

Durante o decorrer do livro, vemos Holmes (gente juro que gostei desse sobrenome hahahaha) junto de sua amiga Daisy, investigarem o desaparecimento do pai de Davis, um colega de acampamento de Holmes com quem ela nem tinha muito contato, sendo uma forma de conseguir arranjar um dinheiro, pois estão oferecendo uma recompensa para quem ajudar a localizar o paradeiro dele. O legal disso são as situações em que elas se metem.

A Daisy é a melhor pessoa desse mundo! Sempre que ela aparece você vai dar muita risada! Pra vocês terem noção, ela é uma famosa escritora de fanfics de Star Wars, mas calma lá, ela escreve fanfics sobre a vida amorosa do CHEWBACCA hahaha e a história da vez é um romance entre o Chewbbie e a Rey! HaHaHaHa Gente, não dá, a Daisy é a melhor personagem! Tô apaixonada.

Eu gosto de livro romantizado? Não... Eu esperava uma “Culpa das Estrelas 2.0”, talvez? Mas se vocês estão esperando eu dizer, “eu amei este livro”, errou de resenha, desculpa! “Mas Carol, você já leu os outros livros do Green?” Já li gente. Esse foi um livro que chegou numa expectativa imensa para os leitores, e acho que acabou suprindo apenas 60% do esperado, que acho que muitos esperam um livro que supere seu grande sucesso, esse chegou perto, mas por causa da expectativa de um novo livro.

Já eu gostei muito de como o livro se desenvolveu, não dava nem pra comparar com o ACEDE. As premissas são diferentes e particularmente eu gostei mais de TALE do que de ACEDE. Talvez eu tenha gostado tanto porque me identifiquei muito com a Holmes. Eu não tenho TOC mas tenho transtorno de ansiedade, e me vi muito nos momentos ansiosos dela, como o lance do band-aid e do suor. E as espirais gente! Eu entrava em espirais e NEM IMAGINAVA! Os pensamentos aleatórios que tomam conta da Holmes são muito angustiantes e ela sofre tanto tentando se livrar deles que dá uma pena. Eu tenho muito esses pensamentos aleatórios também e quando um deles toma conta é difícil mandá-los embora. Já passei muitas noites acordadas presa numa espiral. 

O livro é narrado em primeira pessoa pela protagonista, mas foi angustiante, aquela vontade de saber o que vai acontecer com ela a todo instante por causa dos pensamentos que ela tem durante toda a história, porém achei uma leitura leve, dependendo do seu ritmo de leitura você pode acabar no mesmo dia ou em dois, três dias.

Sim, a leitura é muito leve e muito muito divertida. Os personagens secundários são ótimos e tenho certeza de que vão agradar a muita gente. 
“Você lembra do seu primeiro amor porque os primeiros amores mostram – provam – que você pode amar e ser amada, que nada nesse mundo é merecido exceto o amor, que o amor é ao mesmo tempo como e por que você se torna uma pessoa."

Ahh e outra, se você espera um livro, cheio de citações para colocar no Facebook (porque vamos falar a verdade, a gente sempre marca aquela frase para postar), esse é um deles, e sim, está cheio daquelas citações que nos fazem pensar sobre determinado ponto da vida.

Vamos para um ponto que eu amei, os personagens secundários: Daisy é aquela melhor amiga que vai te tirar da ‘bad’ na hora que você precisar, inventar situações malucas em que você vai ser sua parceira de crime, e se ela resolver assaltar um banco, você vai estar lá no meio. Uma dica John, Daisy merece um spin-off, agradeço se isso for relevante para você. Além disso, Davis, eu shippei você com a Holmes, mas teve situações que não deu, que dá nos nervos, dê ao autor, e não aos leitores.

Eu shippei muito a Holmes e o Davis e ao contrário da Carol eu shippei do começo ao fim. Hard. HaHaHa E também acho que a Daisy merece um spin-off, ela definitivamente fez toda a diferença nesse livro. Queria ter uma melhor amiga assim também, mesmo que ela me metesse em uma enrascada atrás da outra. 

"Holmes, está dando tudo certo. Nosso destino está entrando nos eixos. Estamos prestes a viver o Sonho Americano, que é, obviamente, tirar vantagem da desgraça alheia."

O final, gente o final foi o esperado? Desde quando Green, escreve um “fan service” (é quando o autor, faz determinada situação para agradar os leitores), então já sabemos que não foi dessa vez. A conclusão do livro foi como minha amiga disse (foi leitura coletiva gente), foi um final real, e eu gostei disso.

Eu recomendo muito para os fãs do autor e para quem está procurando uma leitura leve e divertida, mas com vários assuntos super pertinentes como o TOC e as relações familiares. Eu amei este livro e para mim, atingiu as expectativas, gostei de cada página! O final foi super real, como disse a Carol. Eu gostei demais. Leiam!!!! 

| comente (:

Postar um comentário

Ficarei muito feliz se você me der a honra de ter o seu comentário aqui no meu blog. O blog sobrevive dos seus comentários, seja legal, comente nos blogs que visita! :D