Resenha | O demônio do meio-dia: Uma anatomia da depressão (Andrew Solomon)

O Demônio do Meio-dia
Uma Anatomia da Depressão
Andrew Solomon
R$ 29,80 até R$ 38,32
ISBN-13: 9788535924633
ISBN-10: 8535924639
Ano: 2014 / Páginas: 584
Idioma: português
Editora: Companhia das Letras

Partindo de sua própria batalha contra a depressão, Andrew Solomon constrói um retrato monumental da doença que assola nossos tempos. Com epílogo inédito à reedição brasileira.
Lançado em 2000, O demônio do meio-dia continua sendo uma referência sobre a depressão, para leigos e especialistas. Com rara humanidade, sabedoria e erudição, o premiado autor Andrew Solomon convida o leitor a uma jornada sem precedentes pelos meandros de um dos temas mais espinhosos e complexos de nossos dias.
Entremeando o relato de sua própria batalha contra a doença com o depoimento de vítimas da depressão e a opinião de especialistas, Solomon desconstrói mitos, explora questões éticas e morais, descreve as medicações disponíveis, a eficácia de tratamentos alternativos e o impacto que a depressão tem nas várias populações demográficas (sejam crianças, homossexuais ou os habitantes da Groenlândia).
No epílogo inédito escrito exclusivamente para a reedição brasileira, conhecemos o que aconteceu com Solomon, com os entrevistados e com os tratamentos da depressão desde a publicação de O demônio do meio-dia. A inteligência, a curiosidade e a empatia do autor nos permitem conhecer não só as doenças mentais, mas a profundidade da experiência humana. Uma obra monumental.

O demônio do meio-dia, ao contrário do que você pode pensar, não é um terror ficcional, é um terror real. É um livro super importante que aborda uma das doenças mais enigmáticas de todos os tempos e que é cada vez mais comum, independente de idade, cor, classe social. Estou falando do mal do século, a depressão

Andrew Solomon é formado em língua inglesa e pós graduado em psicologia. Ele sofre de depressão, e com a necessidade de entender a sua doença, ele iniciou uma rica e extensa pesquisa sobre todos os aspectos possíveis da depressão: social, político, religioso, moral, biológico, etc. 

O livro não é um romance, é um livro bastante técnico, denso, mas ao mesmo tempo é uma leitura acessível para pessoas leigas, como eu. Quem quer entender um pouco mais sobre a depressão e as diferentes formas de manifestação e tratamento da doença, precisa ler este livro. Dando desde um panorama geral sobre a doença, até sobre as descobertas no campo científico.

A pesquisa de Andrew Solomon é muito interessante. Ele entrevistou várias pessoas e a partir disso chegou a resultados curiosos, e que normalmente não paramos para pensar sobre. Como por exemplo, é desafiador detectar depressão nas pessoas que vivem em uma situação de extrema pobreza. Você vê aquelas pessoas ali e acha que os únicos problemas que elas tem na vida são falta de dinheiro. Quando nem sempre é isso que acontece. Alguma vez na sua vida você parou pra pensar que aquelas pessoas que vivem na Etiópia, por exemplo, sofrem de depressão por fatores externos e sem relação com suas condições financeiras? É, nem eu.

Uma das melhores coisas do livro é quando o autor fala de sua própria experiência, de suas crises, dos inúmeros tratamentos que testou para tentar se curar da depressão e até como pensou em contrair AIDS para ter uma "desculpa" para se matar, para não cair no estigma de "se matou porque era depressivo". Outra parte interessante é sobre a depressão em idosos, homossexuais (o próprio autor é gay), em mães e como isso afeta as crianças. 

Aliás, acredito que o propósito do livro, em linhas gerais, é este mesmo, o de tentar acabar com esse estigma que as pessoas que sofrem de depressão e outros transtornos mentais carregam. A maioria das pessoas acham que uma pessoa deprimida é incapacitada de fazer qualquer coisa. Que a pessoa vive prostrada numa cama vegetando. NÃO. Não é porque sou depressiva que minha vida vai parar. Tem gente que sente um vazio tão grande que preenche fazendo coisas para não precisar pensar. Tem gente que vive sua vida normalmente e mesmo assim, por dentro, são pessoas completamente devastadas. Andrew fala como é importante aliar o tratamento psicotrópico, que é o uso de medicamentos, com a psicoterapia. 

Falando da minha própria experiência, eu tenho transtorno de ansiedade, e junto com ele aparecem sintomas como depressão, crises de pânico e fobia social, então eu tenho que tomar medicamentos controlados, antidepressivos e ansiolíticos. Eu achava que só isso ia resolver meu problema, durante mais de dez anos eu vivi presa nessa história de que eu precisava tomar os remédios e terapia era desnecessário, que só deitar naquele divã e falar não iria me ajudar. Como eu estava errada! Depois que comecei a terapia, até diminuí as doses dos remédios e há meses não tenho nenhuma crise depressiva. Estou aprendendo a lidar comigo mesma e com minhas frustrações. 

Demorei quase um ano para terminar a leitura deste livro. Não porque ele não seja bom, ele é ótimo. Mas porque não é uma leitura fácil, principalmente quando você se reconhece em vários pontos. Me senti muito mal em vários momentos, principalmente quando o Solomon fala como a depressão é uma doença excludente. Inúmeras pessoas sofrem dessa doença e simplesmente não tem condições financeiras de se tratar! É muito triste mesmo! 

É uma leitura densa mas não é chata. Recomendo ler devagar e intercalar com outras leituras. Não tenha pressa, dessa forma você vai apreciar muito mais, até porque você precisa de tempo para processar cada capítulo e a infinidade de informações que o autor dá. Incrível! Leiam! 

Para finalizar, gostaria de deixar aqui um vídeo do Andrew no Ted Talks sobre depressão;

"O oposto de depressão não é felicidade, e sim vitalidade, e ela parecia fugir de mim naquele momento." 


0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário

Obrigada pelo seu comentário, ele é muito importante para mim!