Resenha | Colega de Quarto (Victor Bonini)


Colega de Quarto
E se o seu maior pesadelo ganhasse vida?
Victor Bonini
R$ 30,90 até R$ 39,90
ISBN-13: 9788562409509
ISBN-10: 8562409502
Ano: 2015 / Páginas: 279
Idioma: português
Editora: Faro Editorial

Eric Schatz, carioca que se mudou para São Paulo por conta do curso universitário, começa a perceber indícios de que há mais alguém frequentando o seu apartamento.
Primeiro, um par de chinelos.
Então, uma outra escova de dentes. Um micro-ondas que é ligado sozinho durante a noite, barulhos estranhos a qualquer hora e luzes que se apagam de modo misterioso.
Até que, em determinada noite, Eric enxerga o vulto do colega de quarto entrar em seu apartamento pela porta da frente.
Desesperado, o rapaz vai atrás de um detetive particular, mas parece ser tarde demais. Em menos de 24 horas, tudo acontece de modo acelerado e depois de uma ligação desesperada, cortada abruptamente, Eric despenca da janela do seu apartamento.
Em seu livro de estreia, o autor nos apresenta uma história urbana de tirar o fôlego. Um mistério que passa por uma relação familiar complicada, suspeitas por todos os lados, e camadas e camadas de culpados. Há alguém inocente?


Há muito tempo eu queria ler este livro, porém só agora surgiu a oportunidade. Aqui temos a história de Eric Schatz, herdeiro de um grande grupo editorial do Rio de Janeiro. Eric se muda sozinho para São Paulo para cursar faculdade de Direito e vai morar no bairro Higienópolis, que é um bairro nobre da cidade de SP. O rapaz mora sozinho em um apartamento luxuoso, no 15º andar do Royal Residence. Porém, Eric anda meio perturbado com barulhos estranhos durante a noite, eletrodomésticos que se ligam sozinhos e com objetos que aparecem em seu apartamento. O rapaz acha que está dividindo o apartamento com um colega de quarto fantasma. Ele então decide pedir ajuda a um psicólogo e um detetive, Conrado Bardelli, ou simplesmente Lyra, que não acredita nessa história de colega de quarto fantasma, e deixa pra lá, porém no outro dia, o corpo de Eric é encontrado pelo porteiro do prédio. Ele caíra da janela do 15º andar. Suicídio? Homicídio? E a última pessoa com quem Eric falou antes de morrer foi... Conrado Bardelli. 

Eu tinha muitas expectativas para essa leitura. Confesso que não tinha lido a sinopse, a única coisa que me fez querer ler o livro foi a capa e o subtítulo: "E se o seu maior pesadelo ganhasse vida?". Acho que assim como eu, muita gente deve ter se surpreendido no decorrer da leitura, pois o livro não se trata de um thriller psicológico e nem tem nada sobrenatural, é um romance policial. 

Lyra se envolve acidentalmente no caso de Eric Schatz e acaba se intrigando com aquela situação que não é nada normal e todos aparentemente não estão vendo o que para ele parece óbvio. Conrado é um coroa barbudo, meio barrigudo, e bastante inteligente. É um cara íntegro e muito observador. Porém ele se utiliza de meios um tanto quanto não-legais (não que seja ilegal, tá mais para não-legal mesmo) para descobrir o que quer, chegando até a cometer um erro primário e que eu achei inadmissível, que foi envolver um outro personagem que acabou sofrendo as consequências da irresponsabilidade de Bardelli. O personagem é carismático, é interessante e ao contrário dos detetives que a gente encontra nesses livros policiais, não é problemático, não é alcoólatra, nem tem problemas com controle de raiva. Ponto positivo. O cara é advogado e detetive particular nas horas vagas. Ele mantém um escritório modesto, ganha sua grana honestamente e tá tudo certo.

Apesar da escrita do autor ainda ser bem crua, direta, ele consegue criar uma atmosfera legal, com personagens interessantes, porém, em minha opinião, as reviravoltas, que foram feitas para não serem previsíveis, acabou tornando a história de certa forma previsível, porque o autor nos conduz a achar uma coisa, a desconfiar de certas pessoas, mas quem tá acostumado com esse tipo de leitura, já se toca que não é nada disso. Acho que Bonini teve muita influência de Agatha Christie. 

Uma outra característica que eu também notei foi um recurso que o Stephen King usa muito, que é dar pequenos spoilers do que está prestes a acontecer. Eu não gosto muito desse recurso, acho que no caso do King acaba estragando a surpresa, porém Victor Bonini usou de forma moderada e que não me causou irritação. Ponto positivo pra ele. No entanto, uma coisa que me incomodou um pouco foi o fato de o autor às vezes encerrar o capítulo muito abruptamente e o próximo começar com uma coisa bem nada a ver com o capítulo anterior, outra herança do King rs. 

A narrativa dele é rápida, instigante e você fica querendo saber quem está por trás de tudo, e aí você vai descobrindo uma intrincada teia de relacionamentos complicados. A família de Eric, a namorada, os amigos, etc. Em resumo, várias pessoas tem "motivações" para acabar com Eric, apesar de eu tê-las achado bem fracas, todas elas. Gostei do desenvolvimento porém o final meio que me decepcionou um pouco, quando o autor de fato revelou o que aconteceu e quem estava por trás de tudo. Algumas coisas não me convenceram e por ser uma história contemporânea a gente acaba se tornando um pouco mais exigente. 

Mesmo com as escorregadas, Bonini fez um bom trabalho para um début. Capítulos curtos ajudam a manter o interesse e a linguagem bem característica dos paulistanos são um bônus a mais para quem gosta de nacionais com regionalismo. Gostei do livro, mas não amei. Gostaria de ler outras histórias com o detetive Bardelli, gostei do personagem. A capa me chama muito a atenção, gosto dela, mas meio que dá uma ideia errada sobre a história, ainda mais com esse subtítulo. A diagramação e o projeto gráfico do livro estão incríveis, a Editora Faro é muito caprichosa nesse quesito, bem como na revisão, que está impecável.

Leiam, depois vocês comentam aqui comigo sobre o que acharam, ok? Até a próxima. 
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário

Obrigada pelo seu comentário, ele é muito importante para mim!