Resenha Premiada | O livro e a espada (Antoine Rouaud) O Livro e a Espada # 1

O Livro e a Espada # 1
Antoine Rouaud
R$ 37,90 até R$ 49,90
ISBN-13: 9788580418118
ISBN-10: 8580418119
Ano: 2018 / Páginas: 400
Idioma: português 
Editora: Arqueiro
O general Dun-Cadal foi um dos maiores heróis do Império, mas hoje não passa de uma sombra do que foi, embriagando-se no fundo de uma taberna. Traído pelos companheiros e amargurado pelo desaparecimento de seu jovem aprendiz, Dun-Cadal não quer mais saber de política, batalhas, pessoas. 
É justamente ali, na taberna escura, que a jovem historiadora Viola vai encontrá-lo. Ela procura a Espada do Imperador, uma relíquia desaparecida no caos da revolução que derrubou a monarquia, teoricamente escondida por Dun-Cadal. 

Viola também espera descobrir quem é o assassino sem rosto que começou a agir na cidade, matando os antigos companheiros do general, que viraram as costas aos seus ideais para aderir à nova República. 
Graças à moça, o velho guerreiro vai vasculhar as lembranças de uma vida de glória e seus mais terríveis arrependimentos. À medida que ele conta sua história, os fantasmas do passado vêm à tona, reacendendo antigos rancores e a sede de vingança de um homem que se entregou ao caminho da fúria.


A  minha coisa favorita em um livro é a sua narrativa. Adorei como ela foi conduzida, e vou contar para vocês o que senti ao ler O Livro e a Espada, mas vamos do começo. Lançamento de março da Editora Arqueiro, a obra foi escrita por Antoine Rouaud, um autor francês (que por acaso, fez com que eu ficasse em determinadas partes do livro, emocionada com a descrição das cenas).

Em O Livro e a Espada conhecemos a história de Dun-Cadal Daermon, ex-general que passou por tempos de glória na cidade de Massália, na época do poder do Imperador Reyes, porém com o passar do tempo, houve a queda do império e a incorporação da república, e com essa queda o general se tornou só mais um entre todos, virando um alcoólatra, chato e fracassado (sério tem horas que não dá, mas é aquele personagem bem construído). Porém, temos Viola, ela foi com o intuito de encontrar alguém que tivesse as informações que ela tanto queria a localização da espada do imperador Eraed, e junto do livro do destino, as duas são as relíquias imperiais que são cobiçadas pela a sociedade mais influente.

Uma coisa que me deixou abismada é como vemos o crescimento de outros personagens ao longo da trama, Rã foi uma das minhas maiores surpresas, já que ele acaba sendo altamente importante no desenrolar da história, mas para mim ficou em segundo lugar como o melhor personagem, o general ficou em primeiro e Viola em terceiro, já que ela me conquistou pela humanidade que deu ao livro, era como se ela tivesse perto de mim o tempo todo, e eu imaginando ela sempre.

“Quanto mais tinha a sensação de estar voltando à vida, mais a vida lhe era insuportável.” 

O começo, para mim, foi um pouco complicado, você pode se perder no meio da leitura, e só após algumas páginas se encontrar, e acabar entendendo toda a situação. A leitura pode demorar um pouco a fluir, mas quando você engata não vai querer largar, principalmente porque vale a pena, tanto pela história quanto pela reflexão que ela pode lhe trazer, já que temos questões políticas bem evidentes no livro.

A diagramação do livro é linda, o que me fez querer ele de primeiro momento foi a capa, sempre curti entender o que há por trás da capa. E depois, o título da obra, que me fez imaginar muitas questões do que se trataria o livro, e por essa vontade de lê-lo, não me arrependi. Foi uma leitura agradável, bastante proveitosa, principalmente para mim, que curto determinadas críticas sociais. Percebi como é uma obra que vale a pena a leitura, personagens bem construídos, que nos cativam principalmente, o general. Recomendo para os fãs/leitores de Carlos Ruiz Zafón.

“Chega um dia em nossa vida, o cruzamento daquilo que fomos com aquilo que somos e aquilo que seremos. Nesse momento, ao término de tudo, é que decidimos qual será o nosso fim. Com orgulho ou vergonha da trajetória percorrida.”



SORTEIO!!!! 

4 comentários via Blogger
comentários via Facebook

4 comentários

  1. O livro parece ser muito rico em detalhes, uma vez que os personagens vão se revelando através de seus sentimentos!! Gosto de ser surpreendida na leitura. Não gosto do óbvio!! Pelo que percebo a estória é muito bem construída!!

    ResponderExcluir
  2. O livro parece ser incrível, logo pela capa já me chama a atenção. Não sei sobre a diagramação, mas como você disse que é boa, acredito. Não sou chegada em histórias que me deixam confusa no início, mas gosto de ser surpreendida. No entanto, esse livro vale muito a chance.

    ResponderExcluir
  3. Carol!
    Então o livro é feitinho para mim, porque gosto demais de livros com ficçção/fantasia, onde há guerras e ainda mais com intrigas políticas, sempre rende muito a leitura.
    Uma pena que no início tenha achado o livro um tanto lento e sem mutios atrativos, e que bom que depois mudou totalmente de opinião, mais um estímulo para ler.

    Participo e sairá divulgação no blog.
    Rudynalva Correia Soares
    rudynalva@yahoo.com.br
    Desejo um ótimo final de semana!
    "De vez em quando eu não sei o que fazer comigo mesmo e com o meu gênio. É um saco estar sorrindo e dois minutos depois chorando." (Augusto Cury)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA ABRIL – ANIVERSÁRIO DO BLOG: 5 livros + vários kits, 7 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  4. Oi Carol, tudo bem com você?
    Eu já tive a oportunidade de ler esse livro e gostei bastante. Dun-Cadal Daermon é um personagem muito complexo, cheio de arrependimentos e amargura, mas que ao mesmo tempo, traz uma pequena chama de esperança em seu interior.
    Parabéns pela resenha!
    Bjkas

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário, ele é muito importante para mim!