Resenha | Auto da Compadecida (Ariano Suassuna)

Auto da Compadecida
Ariano Suassuna
R$ 31,81
ISBN-13: 9788520938393
ISBN-10: 8520938396
Ano: 2018 / Páginas: 280
Idioma: português 
Editora: Nova Fronteira

O 'Auto da Compadecida' consegue o equilíbrio perfeito entre a tradição popular e a elaboração literária ao recriar para o teatro episódios registrados na tradição popular do cordel. É uma peça teatral em forma de Auto em 3 atos, escrita em 1955 pelo autor paraibano Ariano Suassuna. Sendo um drama do Nordeste brasileiro, mescla elementos como a tradição da literatura de cordel, a comédia, traços do barroco católico brasileiro e, ainda, cultura popular e tradições religiosas. Apresenta na escrita traços de linguagem oral [demonstrando, na fala do personagem, sua classe social] e apresenta também regionalismos relativos ao Nordeste. Esta peça projetou Suassuna em todo o país e foi considerada, em 1962, por Sábato Magaldi 'o texto mais popular do moderno teatro brasileiro'.

A primeira vez que eu tive contato com esta obra de Ariano Suassuna foi através da adaptação para uma minissérie da TV Globo há muitos anos. De imediato fiquei encantada com a obra, seus personagens e principalmente o cenário, meu querido nordeste. Ariano Suassuna foi um ícone, foi alguém que conseguiu transformar em arte a nossa cultura nordestina, tão discriminada ainda hoje. 
Quando peguei o livro, já sabia que se tratava de uma peça de teatro e não tive dificuldade em lê-lo, adoro peças, pois são só diálogos e a leitura é muito rápida. Juntando ao fato de que os personagens são nordestinos e a linguagem é super familiar pra mim, foi ainda mais prazerosa essa leitura. 

Auto da Compadecida, como o nome já diz, é em formato de "autos" que é uma das formas mais populares do antigo teatro português.  Os autos tem linguagem bem acessível para ser facilmente entendidos por seus espectadores, uma vez que eram performados em igrejas, feiras, mercados e praças públicas. Em geral contém muita ironia, sarcasmo e comicidade, além da "moral da história", que geralmente é uma crítica. Sua característica principal é o conteúdo simbólico, cujos personagens são entidades abstratas, geralmente de caráter religioso ou moral (a soberba, a luxúria, a bondade, a virtude, entre outros). 
  
O enredo é simples, se concentra basicamente nas aventuras dos protagonistas João Grilo e Chicó, que são dois homens simples, pobres empregados de uma padaria, onde são constantemente humilhados pelo patrão. João Grilo, astucioso que só ele, arrastava o "abestado" do Chicó em suas peripécias, para assim tentar sobreviver à fome e miséria que assolava o sertão, mais especificamente no vilarejo de Taperoá. 

João Grilo e Chicó vivem muitas aventuras nesta peça, desde tentar convencer o padre a fazer o enterro em latim da cachorra da mulher do padeiro, dizendo que a cachorra tinha deixado um testamento onde uma parte do dinheiro iria para a igreja, convencer o pai de Rosinha que Chicó era corajoso para que ele aceitasse o casamento dos dois e até convencer um cangaceiro que tinha uma gaita capaz de trazer os mortos de volta à vida. A parte mais legal e cheia de lições é o julgamento de todos, para saber se vão pro céu ou pro inferno, com a presença de Nossa Senhora, Jesus Cristo e até do Diabo.

Como já dito, o enredo é simples e uma delícia de ler, mas é muito mais do que apenas aventuras de dois espertalhões. Ariano Suassuna critica duramente a igreja e sua hipocrisia, critica a soberba dos povos mais abastados, critica o preconceito racial, pois quando Jesus aparece como negro, gera um burburinho e estranhamento, etc. E também ilustra muito bem era no sertão no tocante à fé e a religião. Uma crítica inteligentíssima ao poder e à religião, e certamente uma homenagem à cultura nordestina. 

Essa edição da Nova Fronteira está linda! Amei a nova capa! Não achei erros de português e a diagramação está ok. Recomendo muito para qualquer idade! Leiam!
2 comentários via Blogger
comentários via Facebook

2 comentários

  1. Oi Dana, tudo bem?
    Não vi essa nova edição, mas já li esse livro alguns anos atrás e gostei bastante. Amo a forma como os personagens são construídos.
    Bjkas

    http://www.acordeicomvontadedeler.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom ne? Eu gosto muito dessa historia. A edição tá bem bonitinha, gostei muito dessa capa nova. beijoss

      Excluir

Obrigada pelo seu comentário, ele é muito importante para mim!