Featured Slider

Resenha | Outsider (Stephen King)

Outsider
Stephen King
R$ 47,90 até R$ 59,90
ISBN-13: 9788556510679
ISBN-10: 8556510671
Ano: 2018 / Páginas: 528
Idioma: português 
Editora: Suma
O corpo de um menino de onze anos é encontrado abandonado no parque de Flint City, brutalmente assassinado. Testemunhas e impressões digitais apontam o criminoso como uma das figuras mais conhecidas da cidade — Terry Maitland, treinador da Liga Infantil de beisebol, professor de inglês, casado e pai de duas filhas.O detetive Ralph Anderson não hesita em ordenar uma prisão rápida e bastante pública, fazendo com que em pouco tempo toda a cidade saiba que o Treinador T é o principal suspeito do crime. Maitland tem um álibi, mas Anderson e o promotor público logo têm amostras de DNA para corroborar a acusação. O caso parece resolvido.Mas conforme a investigação se desenrola, a história se transforma em uma montanha-russa, cheia de tensão e suspense. Terry Maitland parece ser uma boa pessoa, mas será que isso não passa de uma máscara? A aterrorizante resposta é o que faz desta uma das histórias mais perturbadoras de Stephen King.

Outsider começa com um crime sem precedentes na história da pacata cidade de Flint City. Um garoto de 11 anos foi brutalmente estuprado e morto. Frank Peterson estava voltando para casa empurrando sua bicicleta quando foi abordado pelo assassino, que lhe ofereceu uma carona, e depois disso nunca mais fora visto.

Ralph Anderson é o detetive que foi designado para o caso. Todas as evidências apontam para um morador muito conhecido e respeitado na cidade, um sujeito acima de qualquer suspeitas. Terence Maitland, Terry ou apenas Treinador T é casado, pai de duas garotinhas e um cidadão respeitável. Ele foi visto por várias testemunhas oferecendo carona ao garoto, depois sujo de sangue e seu DNA estava na cena do crime, no corpo da vítima e no carro. Ralph não tinha dúvidas e armou um espetáculo para prender o professor. No dia do jogo mais importante da temporada, Ralph prendeu o treinador na frente da cidade toda, despertando a ira de todos, sobretudo das pessoas que deixavam seus filhos sob os cuidados daquele monstro.

É, até aí tudo bem. Ele era mesmo culpado, contra fatos não há argumentos e DNA, vocês sabem, não mente... certo? Se não fosse por um detalhe: Terry não estava em Flint City no dia do assassinato de Frank Peterson. O treinador estava em Cap City, muitos e muitos quilômetros de distância. O homem foi para uma convenção de professores, assistiu a uma palestra do Harlan Coben, fez uma pergunta para o autor e inclusive foi filmado, foi jantar com outros professores, e suas digitais foram encontradas num livro numa banca de revistas próxima ao hotel. Como alguém pode estar em dois lugares ao mesmo tempo?

E é com essa premissa que King nos introduz em Outsider. De cara, pela capa e pela sinopse eu já sabia o que tinha acontecido, eu só queria saber qual a justificativa do autor e como ele apresentaria o assassino. Na real eu acho essa capa linda, mas ela é um spoiler gritante.

A primeira metade do livro é focada basicamente na investigação, nas provas e em entender como alguém poderia estar em dois lugares ao mesmo tempo, pois o álibi de Terry era absurdamente consistente. A partir da segunda metade, um novo personagem é acrescentado à história e é ele quem vai ser a peça chave para a solução do mistério.

Só um detalhe, esse personagem já é nosso conhecido da trilogia Bill Hodges, a.k.a Mr. Mercedes. Eu amei que esse personagem apareceu, mas devo alertá-los de que ele dá muitos spoilers sobre a trilogia, então se você pretende ler Outsider, leia antes a trilogia Mr. Mercedes. A menos que você realmente não ligue pra spoilers. Não vou dizer quem é pra não perder a graça, mas é uma pessoa muito querida.

Particularmente eu gostei de toda a narrativa. Geralmente os livros do King são meio cansativos, pois ele insere muitas coisas que podem até ser consideradas desnecessárias, e na maioria das vezes são mesmo, mas dão todo um ar de veracidade à história, sendo ela sobrenatural ou não. Com Outsider não foi diferente, mas sinto que dessa vez ele não carregou tanto na mão como em A incendiária, por exemplo.

O livro entra num ritmo frenético a medida que o personagem "novo" vai apresentando suas teorias e fazendo com que o restante da equipe, que está empenhada em desvendar esse mistério, mantenha a mente aberta para coisas que eles não conseguem explicar. Apesar de a história ter alguns furos, coisas que o autor simplesmente colocou lá e depois não voltou a tocar no assunto me incomodou um pouco, e também a ingenuidade de alguns personagens achei que foi forçada. Sem contar no fato de que é uma história contemporânea, a impressão que eu tive foi que ela se passava nos anos 80. Não sei, algo nesse aspecto me incomodou um pouco. 

Apesar dos defeitos, Outsider é uma história boa, envolvente e me fez passar algumas noites acordada. Recomendo pra quem é fã do autor e gosta tanto do seu viés sobrenatural quanto policial, recém descoberto em Mr. Mercedes. Embora eu tenha passado alguns meses com esse livro parado na estante por conta de uma ressaca literária, assim que decidi retomar a leitura não consegui mais parar. Outsider me tirou do fundo do poço da ressaca literária e depois dele eu já terminei dois livros, incluindo A pequena caixa de Gwendy, que é a próxima resenha a ser postada aqui no blog! Fique de olho! 


Crítica | Homem-aranha no aranhaverso (2019)


Data de lançamento 10 de janeiro de 2019 (1h 57min)
Direção: Bob Persichetti, Peter Ramsey mais
Elenco: Shameik Moore, Jake Johnson (XVI), Hailee Steinfeld mais
Gêneros Animação, Ação, Família
Nacionalidade EUA
Miles Morales é um jovem negro do Brooklyn que se tornou o Homem-Aranha inspirado no legado de Peter Parker, já falecido. Entretanto, ao visitar o túmulo de seu ídolo em uma noite chuvosa, ele é surpreendido com a presença do próprio Peter, vestindo o traje do herói aracnídeo sob um sobretudo. A surpresa fica ainda maior quando Miles descobre que ele veio de uma dimensão paralela, assim como outras versões do Homem-Aranha.

Não subestimem esse filme apenas por ser uma animação.

Homem-Aranha no Aranhaverso é um filme lindo de se ver, é divertido e muito emocionante. Impossível não rir e não se divertir.



Nesse filme temos como principal personagem o Homem-Aranha Miles Morales, um garoto do gueto de Nova Iorque que vive em uma realidade diferente do universo do Peter Parker que conhecemos. Nesse universo Peter morreu em um ato heroico, e como uma espécie de acaso do destino Miles é picado por uma aranha radioativa lhe concedendo poderes proporcionais a de uma aranha. A história parece batida, mas o que a torna diferente é o personagem. Miles é um garoto super inteligente que vive em uma realidade mais brutal, pois é filho de policial, negro e convive em meio ao crime que acontece na cidade. E para complicar a vida do garoto, além de poderes, o acidente que matou o Peter de sua realidade causa uma alteração na realidade, trazendo outros heróis aranha para o universo de Miles.



Somos apresentados a Gwen Stacy (sim, a ex namorada do Peter que conhecemos que morreu pelas mãos do Duende Verde) que em sua realidade ela que foi picada por uma aranha radioativa e não Peter. Vemos tbm um Peter de uma realidade onde ele é mais falido que o normal, preguiçoso e desleixado, e seu casamento com Mary Jane foi para o buraco. Aparecem também o Porco Aranha, Homem Aranha Noir e Peni Parker.



Muitos podem se sentir confusos apenas lendo o texto e se dizendo "senhor, não sabia que existiam tantos Homens Aranha". Mas calma, todos são colocados em seus momentos certos para não embananar a cabeça de quem não é tão familiarizado com o universo do Cabeça de Teia.

Você falou referências? Tem e de sobra. Referências aos filmes do Aranha (sim, referências ao amado aranha do Tobey Maguire), animações, quadrinhos, jogos e  tudo que você puder imaginar, então é aquela coisa, piscou perdeu.



Mas o filme não fica só no aranha e suas comédias, mas tambem vemos as questões que atormentam Miles, como o relacionamento com os pais, a responsabilidade dos novos poderes e até a puberdade.
Podemos já considerar Homem-Aranha no Aranhaverso como um dos melhores filmes do escalador de paredes se não o melhor. A animação é simplesmente de cair o queixo. É como estar lendo um quadrinho e assistindo a um filme ao mesmo tempo. É realmente para agradar a todos, desde aos fãs de HQs até aos que apenas querem assistir a um bom filme.



O filme tem Peter Ramsey, Bob Persichetti, Rodney Rothman na direção e estreia nos nossos cinemas dia 10 de Janeiro. É uma ótima pedida nessas férias.

Ha! Ao terminar o filme não levante da cadeira, tem cenas pós créditos, e são sensacionais.

por Eddy Silva

Resenha | E.T - O extraterrestre (Kim Smith) Coleção Pipoquinha #01


E.T. - O extraterrestre

Coleção Pipoquinha # 1
Kim Smith
Nenhuma oferta encontrada
ISBN-13: 9788551003398
ISBN-10: 8551003399
Ano: 2018 / Páginas: 48
Idioma: português 

Editora: Intrínseca


Em E.T. - O extraterrestre, o menino Elliott encontra uma criatura muito diferente e descobre que seu novo amigo vem de outro planeta. Juntos, eles tentam achar um jeito de mandar o E.T. de volta para casa e, no caminho, aprendem importantes lições sobre coragem, amizade e o poder da imaginação.
Esse clássico pop do cinema ganha agora a adaptação em livro ilustrado com o traço moderno e delicado de Kim Smith. Lançado em 1982, E.T. foi uma das primeiras obras a consagrar o diretor Steven Spielberg e imprimiu cenas memoráveis na cultura mundial, como a das crianças cruzando o céu de bicicleta, com a lua ao fundo.




Oi gente! 

Já falei aqui dos outros dois livros da Coleção Pipoquinha, De volta para o futuro e Esqueceram de mim, e fiquei devendo pra vocês a resenha de E.T, o extraterrestre



Seguindo o padrão dos outros dois, estre volume se trata também de um clássico dos anos 80. Tenho certeza de que você já assistiu ou pelo menos já ouviu falar desse filme que encantou, e encanta até hoje, quem o assiste. 

Acho que não é preciso falar sobre o enredo, já que é uma história amplamente conhecida, por isso vou focar mais na edição lindona que a Intrínseca fez.

Os livros desta coleção são adaptações dos clássicos do cinema em uma linguagem acessível para as crianças que estão aprendendo a ler. Uma das coisas mais legais que achei foi a forma como ele foi diagramado, a fonte usada, o tamanho e os recursos para dar mais dinamicidade à leitura. 




Sem contar nas ilustrações que são um show à parte. Foi muito legar rever algumas cenas memoráveis do filme através do livro, como a cena icônica das crianças voando nas bicicletas. Deu até vontade de rever o filme de tanta saudade que deu.


Assim como os outros dois, a adaptação é bem direta, sucinta, mas as frases escolhidas para compor a adaptação são as mensagens certeiras que mostrarão aos pequenos lições valiosas sobre amizade, coragem, respeito às diferenças, etc. Juntando tudo isso com as ilustrações super descoladas, coloridas e que chamam bastante atenção, tenho certeza de que essa coleção tem tudo para fazer o maior sucesso entre as crianças. 

Vou deixar algumas fotos das principais cenas, que eu acredito serem as cenas mais clássicas do filme e que não poderiam deixar de estar no livro. Recomendo muito!!!