Resenha | Fraude Legítima (E. Lockhart)

Fraude Legítima
E. Lockhart
R$ 24,95 até R$ 34,90
ISBN-13: 9788555340512
ISBN-10: 8555340519
Ano: 2017 / Páginas: 273
Idioma: português
Editora: Seguinte

Jule West Williams é uma garota capaz de se adaptar a qualquer lugar ou situação. Imogen Sokoloff é uma herdeira milionária fugindo de suas responsabilidades. Além do fato de serem órfãs, as duas garotas têm pouco em comum, mas isso não as impede de desenvolver uma amizade intensa quando se reencontram anos depois de terem se conhecido no colégio. Elas passam os dias em meio a luxo e privilégios, até que uma série de eventos estranhos começa a tomar curso, culminando no trágico suicídio de Imogen e forçando Jule a descobrir como viver sem sua melhor amiga. Mas, talvez, as histórias das duas garotas tenham se unido de maneira inexorável — e seja tarde demais para voltar atrás.


Fraude legítima entrou pra lista de leitura porque desde que li Mentirosos (recomendo pra todo mundo, é muito, muito bom. Leiam!), decidi que iria ler todos os livros que fossem lançados no Brasil da E. Lockhart. Seguinte, já quero mais!



E. Lockhart me conquistou com sua escrita. Assim como em Mentirosos (meu favorito da autora) e O histórico infame de Frankie Landau-Banks a leitura flui super bem e é difícil parar de ler Fraude Legítima. Tudo no livro contribui para ser aquela leitura de um dia, se você tiver com tempo pra ler, porque não cansa e a história é bem intrigante.



Eu não consegui terminar no mesmo dia, mas acordei no outro dia já pegando o livro pra ler, antes mesmo de tomar café, porque estava doida pra saber o desfecho e devo dizer que foi bem condizente com o desenrolar da história e isso não quer dizer que não surpreenda.


“Nossa personalidade não é somente uma, é uma adaptação.”



Bom, comecei falando do fim porque é assim que a história começa, no capítulo 18, em junho de 2017. Cara, e a maneira que a história é contada é o destaque do livro. Foi uma sacada genial da autora e nos faz ficar atentos a tudo pra não perder nenhum detalhe, para irmos juntando as pontas desse quebra-cabeça e descobrirmos porque Jule está fugindo.



Os capítulos seguem uma ordem decrescente, e vamos voltando meses, semanas, dias até chegar no capítulo 1, em junho de 2016 e aí com todos os fatos expostos, saltamos para o capítulo 19 para saber o desfecho desse ano de muitos acontecimentos.

“Será que uma pessoa é tão ruim quanto as suas piores ações? “



Eu sei que não falei nada da história em si, acho que o que precisa saber está escrito na sinopse e como bom suspense, o legal é ir descobrindo o que acontece aos poucos, repito, a maneira que as coisas vão sendo reveladas é a melhor coisa do livro. No decorrer da leitura ficamos na dúvida sobre o que realmente aconteceu, aquilo que foi dito é verdade ou não? Em cada capítulo novos personagens vão aparecendo, coisas vão acontecendo e eu ficava pensando "é sério isso?", "não acredito", "que loucura, como não pensei nisso!?" e a partir de um momento do livro eu só estava pensando em como e quando iam descobrir a verdade, porque parecia estar tudo tão amarradinho.
Pelo título já dá pra perceber que não podemos acreditar em tudo, não é mesmo?

“Todos eram assim? Não havia um verdadeiro eu?”



Mas pode acreditar que é uma leitura que prende, e assim como eu, vai querer ler todos os livros da autora.

2 comentários via Blogger
comentários via Facebook

2 comentários

  1. Eu já tive a oportunidade de ler esse livro e gostei bastante, principalmente por começar pelo final.
    Bjkas

    http://www.acordeicomvontadedeler.com/

    ResponderExcluir
  2. A narrativa é o diferenfial mesmo, achei bem legal.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário, ele é muito importante para mim!