Resenha | A incendiária (Stephen King)

A Incendiária
Stephen King
R$ 35,00 até R$ 54,99
ISBN-13: 9788556510617
ISBN-10: 8556510612
Ano: 2018 / Páginas: 448
Idioma: português 
Editora: Suma

Uma criança com o poder mais extraordinário e incontrolável de todos os tempos. Um poder capaz de destruir o mundo. Após anos esgotado no Brasil, A Incendiária volta às livrarias como parte da Biblioteca Stephen King, coleção de clássicos do mestre do terror em edição especial com capa dura e conteúdo extra. No livro, Andy e Vicky eram apenas universitários precisando de uma grana extra quando se voluntariaram para um experimento científico comandado por uma organização governamental clandestina conhecida como “a Oficina”. As consequências foram o surgimento de estranhos poderes psíquicos — que tomaram efeitos ainda mais perigosos quando os dois se apaixonaram e tiveram uma filha. Desde pequena, Charlie demonstra ter herdado um poder absoluto e incontrolável. Pirocinética, a garota é capaz de criar fogo com a mente. Agora o governo está à caça da garotinha, tentando capturála e utilizar seu poder como arma militar. Impotentes e cada vez mais acuados, pai e filha percorrem o país em uma fuga desesperada, e percebem que o poder de Charlie pode ser sua única chance de escapar.

A incendiária, de Stephen King, é um livro de 1980 e estava esgotado aqui no Brasil há anos. Então, a Suma, maravilhosa como só ela sabe ser, resolveu trazê-lo de volta em uma super edição incrível com capa dura e conteúdo exclusivo, para uma coleção chamada Biblioteca Stephen King, que já conta com livros como Cujo, A hora do lobisomem e O iluminado.

A incendiária começa já com Andy e sua filha Charlie, em uma fuga frenética em Nova York. Andy e Vicky, sua esposa, foram cobaias de um experimento científico do governo enquanto estavam na faculdade, em troca de dinheiro. Foi injetada neles uma droga chamada Lote seis, que eles achavam que era apenas um alucinógeno, mas na verdade o que aconteceu foi que esse composto fez com que eles desenvolvessem alguns poderes psíquicos, como por exemplo, telecinese e controle da mente. 

Andy e Vicky se conheceram nesta ocasião e acabaram se casando, e logo depois tendo uma filhinha chamada Charlene, ou apenas Charlie como é chamada. Charlie herdou as habilidades e o poder que ela desenvolveu foi a Pirocinesia, ou seja, ela é capaz de atear fogo em qualquer coisa apenas com o poder da mente. E não é só um foguinho não, ela é muito poderosa e é capaz de causar verdadeiras tragédias, e como é apenas uma criança, não é plenamente capaz de controlar seus poderes, o que acaba chamando a atenção do governo.

A organização que fez o experimento no casal chama-se Oficina e, depois de assassinarem Vicky (não é spoiler!), eles agora querem pegar Charlie e Andy, e por isso pai e filha partem em fuga pelo país. Charlie tem apenas 8 anos e já é totalmente consciente de sua condição, que ela chama de coisa ruim, pois ela acredita que foi isso que fez com que sua mãe fosse morta. A garotinha é muito esperta, o que é bem recorrente nos livros do King, crianças prodígio. 

Diferente da maioria dos livros do King, este aqui não é um livro de terror, é um livro de ficção científica. Gostei muito das partes em que eles estão em fuga e de como eles interagem com as pessoas que encontram pelo caminho, mas em um dado momento eles acabam sendo capturados pela Oficina, desculpem o spoiler, mas acho que já era meio que esperado ne?! As partes em que eles estão lá nos laboratórios eu achei meio lentas e ficava torcendo para que acontecesse algo emocionante logo. 

Gostei muito de como o autor construiu os personagens, todos são muito bem elaborados, principalmente os vilões. É muito interessante como a história causa no leitor uma sensação ruim, de que Charlie e Andy estão sofrendo e sendo caçados como se fossem pessoas ruins, quando tudo que eles querem é viver uma vida normal. A maneira como a mãe de Charlie foi morta, brutalmente, causa uma empatia no leitor em relação à criança, que não consegue viver um dia como uma criança normal, não consegue ir à escola, ter amigos e criar laços e raízes. 

Apesar de não ser uma leitora assídua dos livros de ficção científica eu gostei muito de A incendiária. Mesmo com suas partes lentas, consegui extrair boas coisas da história e até linkar com alguns outros livros do autor e a série Stranger Things, que quem assistiu vai saber que o que aconteceu com a personagem Eleven foi mais ou menos a mesma coisa que aconteceu com a Charlie. 

É fato que o King não sabe escrever finais, a maioria dos finais dele são bem ruins, aqui não foi diferente. Eu poderia traduzir a minha opinião sobre o final em apenas uma frase mas iria entregar tudo, então, vou deixar que vocês leiam e tirem suas próprias conclusões. Recomendo o livro para quem não lê King por medo de histórias de terror, este aqui é uma boa pedida pra começar, pois tem ficção científica, suspense e muita ação. Só leiam!
1 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Um comentário

  1. Oi Dana, tudo bem com você?
    Sou mega fã dos livros do King, mas ainda não li A Incendiária. Estou aguardando meu aniversário chegar para pedir os últimos lançamentos de presente rs. Eu concordo com você quanto aos finais, mas tem algo nos livros dele que simplesmente me prende.
    Bjkas

    http://www.acordeicomvontadedeler.com/

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário, ele é muito importante para mim!