Crítica | A primeira noite de crime (2018)


A primeira noite de crime - The first purge
País: EUA
Estreia: 27 de setembro de 2018 
Direção: Gerard McMurray
Elenco: Y’Lan Noel, Lex Scott Davis, Joivan Wade, Luna Lauren, Marisa Tomei.

Quando um novo partido político, o New Founding Fathers of America, ascende, é anunciado um novo experimento social. São 12 horas sem lei, em que o governo incentiva as pessoas a perderem toda e qualquer inibição. A participação não é obrigatória, mas como estímulo, 5.000 dólares é dado para quem fica na cidade, e mais prêmios para quem participa.



Começo dizendo que em “A primeira noite de crime”, esperava chegar e encontrar um filme de terror, mas ele se distanciou totalmente e focou muito mais na ação, favoreceu bem mais os tiroteios do que os sustos esperados.

O filme conta a história da origem do Expurgo, falando sobre a primeira vez que o “evento” aconteceu. Acredito que diante da política que hoje vivemos, com esse sentimento de “anti-presidente” cercando não só os Estados Unidos como também o Brasil, nos ajuda a nos identificarmos com que o filme nos propõe, e por essa identificação o filme se torna melhor do que ele realmente é!


No começo da narrativa vemos como os Estados Unidos estão no fundo do poço, em meio a crises, pobreza e muitos crimes, fazendo assim uma analogia a tudo que anda acontecendo atualmente. E para combater esses problemas é criada a proposta do Expurgo, uma noite sem leis que permite a qualquer pessoa fazer o que quiser desde furtos até matar, e quem passar a noite na ilha ganha cinco mil dólares, dessa maneira logo um grupo social de renda baixa se interessa pelo experimento.


Quando a noite de crimes começa, e tal resultado não estava sendo o esperado pelo governo, ele lança um grupo de mercenários às ruas para iniciar uma matança e incentivar a noite de crimes. Em meio a isso tudo, vemos o traficante Dmitri, sua ex namorada Nya e Isaiah (irmão de Nya) tentando defender seu bairro desse dia e se proteger dos reais inimigos da população. 


Algumas coisas no filme são muito contraditórias, a exemplo disso posso citar umas sem dar spoilers: Vemos Dmitri que é o maior traficante de drogas local, na noite de expurgo começar como um milagre a se importar com sua vizinhança, embora tanto tenha trabalhado para ganhar dinheiro com a destruição dela através do tráfico.

Outro ponto é Isaiah que sai para expurgar, e de uma hora para outra se arrepende e fica só vagando pelas ruas sem rumo, vendo as coisas bizarras que acontecem durante a noite e ainda por cima colocar a vida da irmã em risco para salvá-lo.



O personagem Skeletor que aparece no começo do filme é muito bizarro e psicologicamente doente, prometia ser o grande vilão do filme, mas não teve atenção durante a trama, cheguei até a me esquecer dele até o final.


Um roteiro que no começo do filme fez de tudo para justificar o porquê da noite de crimes acontecer, deixou o final a desejar e muito por não ter um desfecho na proposta que o governo criou.

Para não me estender ainda mais nessa crítica digo que mesmo sendo um filme bem fantasioso e com incoerência com a realidade, A primeira noite de crime é um filme legal, pois se encaixa de maneira perfeita no caos político em que vivemos e com o sentimento de revolta da população faz com que, de certa forma, nos simpatizemos com ele, não que seja um filme político, mas devido às circunstâncias que levam o Expurgo a acontecer! 

O longa chega aos cinemas brasileiros em 27 de setembro de 2018. 

Crítica por Tycianna Araújo
1 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Um comentário

  1. Oi Tycianna, oi Dana, tudo bem?
    Esse tipo de filme não me atrai. Confesso que acho violento demais e não consigo assistir.
    Bjkas

    http://www.acordeicomvontadedeler.com/

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário, ele é muito importante para mim!