Resenha | Tudo aquilo que nos separa (Rosie Walsh)

Tudo Aquilo Que Nos Separa
Sete dias perfeitos e então ele desapareceu.
Rosie Walsh
R$ 25,90
ISBN-13: 9788501113771
ISBN-10: 8501113778
Ano: 2018 / Páginas: 336
Idioma: português 

Editora: Record


Imagine a seguinte situação: você conhece um homem, vocês passam sete dias maravilhosos juntos, e você fica apaixonada. E o que é melhor: o sentimento é recíproco. Você nunca teve tanta certeza de algo na vida.
Então, quando ele parte numa viagem de férias agendada há muito tempo e promete te ligar para o aeroporto, você não tem nenhum motivo para duvidar disso. Mas ele não liga. Seus amigos dizem que você deve desencanar, que deve esquecer o cara, mas você sabe que eles estão errados. Eles não sabem de nada. Algo de ruim deve ter acontecido, deve haver um motivo sério para explicar o silêncio dele. 
O que você faz quando finalmente descobre que tem razão? Que existe um motivo ― e que esse motivo é a única coisa que vocês não compartilharam um com o outro? A verdade.



Vou começar dizendo que não foi fácil continuar lendo esse livro após a leitura dos primeiros capítulos, mas como podem ver pela minha avaliação, valeu a pena.

Tudo aquilo que nos separa entrou na minha lista de leitura por causa do clube do livro da editora Record que acontece aqui em Fortaleza mensalmente. E foi graças aos participantes do clube que insisti nessa leitura, meu obrigado a vocês que disseram que o livro era muito bom e fizeram com que eu não abandonasse o livro. Confesso que a primeira metade do livro pra mim foi muito chata, porque foi tão repetitivo, parecia que eu lia, lia e não saia do canto. 



Sarah, recém divorciada voltou para Inglaterra para passar uns dias na casa dos pais. Ela mora nos Estados Unidos e tem uma ONG chamada Doutores da Palhaçada fundada na década de 90 com o marido. Ela e Eddie se conhecem enquanto caminham pela mesma estrada e logo surge uma ligação entre eles, uma coisa inexplicável mesmo e eles passam 7 dias maravilhosos juntos. Eddie mora na Inglaterra, e tinha uma viagem programada com um amigo, mas cogitou desmarcar porque não queria se separar da Sarah, mas ela não o deixou fazer isso. Quando se despediram ele deu a ela o seu amuleto de sorte e trocaram números de telefone e se adicionaram nas redes sociais. Prometeu que ligaria quando chegasse no aeroporto, mas não ligou. Esse inclusive é o título do livro em inglês The man who didn't call, nesse caso a Editora Record mandou bem com a mudança do título, por mais que o título original faça sentido, o título brasileiro é mais bonito e atrativo.

Além de Eddie não ligar, ele também não atende as ligações, não responde as inúmeras mensagens que a Sarah e em alguns momentos ela encontra ele online. Sarah não entende porque Eddie não quer falar com ela, já que o que viveram foi tão intenso, o sentimento é real, ela sabe disso e fica preocupada porque pode ter acontecido algo com ele.

E assim ficamos imaginando várias coisas que poderiam justificar esse sumiço dele, porque assim como a Sarah tinha certeza que ele sentia o mesmo por ela, eu também tinha. Temos capítulos que mostram a interação deles nessa semana que passaram juntos, não acho que a autora fez um bom trabalho aqui, mostrando como eles foram feitos um pro outro, mas eu acreditei na intensidade do sentimento da Sarah, que em muitos momentos poderia ser considerado até obsessivo e nada saudável. E eu ficava pensando o que de tão ruim poderia ter acontecido para que eles ficassem separados. Porque nos poucos flashes dos momentos que eles tiveram juntos, Eddie parecia gostar realmente dela.

A primeira metade do livro alterna entre a preocupação da Sarah, coisas que aconteceram na semana que ela e Eddie passaram juntos e algumas cartas.

Na segunda metade fiquei bem envolvida. As coisas começaram a acontecer. E quando cheguei na parte que os capítulos eram narrados pelo ponto de vista do Eddie não conseguia mais parar, precisava ler mais e mais porque estava doida pra saber como eles iriam superar o que os mantinham afastados. Terminei o livro com aquela sensação boa porque o final foi lindo!!!

Eu entendi totalmente o motivo do Eddie não ter ligado, não pensei que poderia ser isso e fiquei bem surpresa quando descobri. Ponto pra autora que conduziu essa trama bem, me surpreendeu e fez a história ter sentido. Recomendo! Se tiverem dificuldade, assim como eu, no início do livro, peço que continuem pois vale muito a pena.

Ah, os personagens secundários também tem umas tramas interessantes e foi bom de acompanhar.

Mais uma vez agradeço a galerinha do Clube do Livro da Record, especialmente a Jary que tem sempre os melhores comentários. 

Se você mora em Fortaleza, está convidado a participar dos nossos encontros mensais. É ótimo para estar com pessoas que compartilham dessa mesma paixão e nos possibilita ler livros que nos tirem da nossa zona de conforto.

O próximo encontro vai ser dia 24/11 às 10:30 na Livraria Leitura do Shopping Del Paseo. O livro escolhido é O ódio que você semeia. Vai render um bom debate. Vem comentar com a gente ;)

por Renata Kerolin
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário

Obrigada pelo seu comentário, ele é muito importante para mim!