Resenha | O fecho (Sloane Crosley)


O Fecho
Sloane Crosley
ISBN-13: 9788532531483
ISBN-10: 8532531482
Ano: 2019 / Páginas: 416
Idioma: português
Editora: Rocco

Romance, mistério e humor na dosagem certa.
Kezia, Nathaniel e Victor se reencontram para o casamento extravagante de uma amiga dos tempos de faculdade. Prestes a completar trinta anos, todos eles estão completamente absortos em suas próprias vidas — Kezia é braço direito de uma designer de joias enlouquecida de Manhattan; Nathaniel, que sempre foi o cara cool da literatura, agora tenta vender seu trabalho em Hollywood; e Victor, o mais pessimista do grupo, acaba de ser demitido do emprego. Não demora muito para que o trio volte a desempenhar seus antigos papéis: Victor ama Kezia. Kezia ama Nathaniel. Nathaniel ama Nathaniel.
Em meio à festa de casamento, Victor desmaia no quarto da mãe do noivo. Ao acordá-lo, em vez de lhe dar uma bronca, ela revela uma história que nunca havia contado nem mesmo ao próprio filho, sobre um colar valioso que desapareceu durante a ocupação nazista da França.
A partir daí, uma inusitada aventura tem início, conduzindo Victor, Kezia e Nathaniel de Miami para Nova York, e de Los Angeles para Paris e toda a França, até desembocar na propriedade de Guy de Maupassant, autor do conto clássico "O colar".
Repleto de suspense e narrado com a voz sincera e perspicaz de Sloane Crosley, O Fecho é uma história magistral de amigos lutando para se ajustarem em vidas diferentes daquelas com que haviam sonhado, e de como separar o que é real do que é falso. Tal tarefa é possível quando se trata de pedras preciosas, mas é muito mais difícil de ser realizada com seres humanos.

O fecho é o primeiro livro da autora Sloane Crosley e após ler a sinopse fiquei bem interessada na leitura do livro. Os capítulos são intercalados entre os três personagens principais: Kezia, Victor e Nathaniel e já na capa temos a seguinte informação: Victor ama Kezia. Kezia ama Nathaniel. Nathaniel ama Nathaniel.

Os três se conheceram na faculdade, e quase dez anos depois, se reencontram no casamento de uma colega em comum dessa mesma época, Caroline Markson. Como é comum acontecer, com o passar do tempo, eles não são mais tão próximos e no decorrer da história eles vão percebendo que a amizade sempre ficou na superfície. Eles realmente conhecem um ao outro? Eles conhecem a si mesmo? Perto de completarem 30 anos, estão naquela fase da vida de pensar na vida, já que a vida de cada um deles não anda muito bem.

Kezia trabalha para uma design de jóias, conquistou um cargo tão importante na empresa, que sua imagem é logo veiculada a da dona e mesmo sendo boa no que faz, na busca de um novo emprego, nunca passa da entrevista. Nathaniel sempre foi popular e o que aparentemente teria o melhor futuro entre os três, seu desejo é emplacar um trabalho em Hollywood. Victor sempre foi mais na dele e acabou de ser demitido do emprego, mas não conta pra ninguém.

O começo foi a parte que mais gostei no livro. A forma que a autora foi apresentando os personagens, mostrando como cada um estava na festa de casamento, como eram suas interações, com flashes do passado, nos dando um panorama maior de como era a dinâmica na época da faculdade.
Victor é apaixonado por Kezia desde sempre, e mesmo passado todos esses anos ele não superou sua rejeição. Pelas coisas que fez e fala, Victor foi o personagem que menos gostei. Kezia meio que se sente responsável por Victor, ela o quer mas também não consegue deixar de se preocupar com ele. Nathaniel é aquele que mente pra si mesmo sem perceber, as coisas não andam tão bem assim pra ele.

É nessa festa que a mãe do noivo conta para Victor uma história sobre um colar que desapereceu durante a ocupação nazista da França, e com apenas um desenho e muita motivação ele decide encontrar esse colar. Kezia e Nathaniel também vão pra França, cada um por um motivo, mas no fim acabam se encontrando, em todos os sentidos, nessa jornada.

"Mas o perigo de Kezia não querer nada dele o atingiu com mais violência do que o perigo de ela querer tudo."

Achei a premissa de O fecho bem interessante mas o desenrolar não foi bom. Em muitos momentos a leitura foi cansativa, achei que tiveram várias coisas desnecessárias, o livro poderia ser menor. Esperava mais sobre a busca do misterioso colar perdido e a busca pessoal deles. Isso demora muito a acontecer e o fim, pra mim, não foi satisfatório.


Renata Kerolin Lima
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário

Obrigada pelo seu comentário, ele é muito importante para mim!